Conheça seus direitos referentes a serviços de assistência técnica

Discussão em 'Zona Livre' iniciada por Ticiano, 23 Ago 2006.

  1. Ticiano

    Ticiano Usuário

    Desde:
    16 Set 2005
    Mensagens:
    762
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Fortaleza
    Serviço:
    Sem assistência
    [​IMG] Menos de 20% dos consumidores consultados pelo Idec se dizem totalmente satisfeitos com o serviço prestado. Cerca de 40% afirmam que os defeitos nunca são resolvidos

    Em agosto de 2005 a associada Lídia Maria da Silva Camilo levou seu computador, que estava com defeito no modem, para ser consertado. A assistência técnica deu um prazo de 30 dias para resolver o problema. O serviço não foi concluído no tempo estimado e, antes da nova data combinada, lhe informaram que havia outro defeito, agora com a placa-mãe. Dois meses depois, quando recebeu o aparelho, ele estava pior do que antes e Lídia o devolveu à empresa.

    Resolveu, então, dar um ultimato e, com orientação do Idec, mandou uma carta com aviso de recebimento (AR) ao dono da loja. "A situação só começou a andar depois da carta", afirma. Em poucos dias, devolveram o computador consertado em sua casa e ela só pagou o valor estipulado inicialmente pela troca do modem.

    Assim como Lídia, são muitos os consumidores que percorrem maratonas para conseguir que a assistência técnica efetivamente resolva o problema de seus produtos. Uma enquete no site do Idec mostra que apenas 8,1% das pessoas ficam completamente satisfeitas com o serviço dessas empresas. Cerca de 13% dizem ficar satisfeitas, mas porque só recorrem a autorizadas. A maioria (40,2%) afirma que somente às vezes o serviço é bem prestado, dependendo da assistência procurada e 38,1% garantem que o problema nunca é resolvido

    Cuidados para não ser enganado

    O consumidor que necessita utilizar os serviços de uma assistência técnica deve ficar atento para alguns pontos para não se arrepender da escolha. O fornecedor de serviço é obrigado, por exemplo, a entregar um orçamento prévio discriminando o valor da mão-de-obra, dos materiais e equipamentos a serem empregados e as condições de pagamento, assim como as datas de início e de término do trabalho. Vale lembrar que ao solicitar um orçamento para conserto, o consumidor não se compromete em aceitá-lo

    Antes de contratar o serviço, é importante verificar se o produto não está mais no prazo de garantia. Se ainda estiver, deve-se procurar uma loja autorizada, levando a nota fiscal de compra e a garantia do fornecedor. É aconselhável pesquisar diversos estabelecimentos, por indicação de conhecidos ou recorrendo ao banco de dados do Procon-SP, pelo telefone (11) 3824-0446.

    No ato da entrega do aparelho à empresa, é importante exigir um comprovante por escrito no qual devem constar todos os dados do produto (como número de série, cor, modelo, marca, defeito apresentado). Ao retirar o aparelho da assistência, o consumidor deve ainda testá-lo e pedir nota fiscal dos serviços realizados.

    O Código de Defesa do Consumidor (CDC) assegura, em seu artigo 18, que "não sendo o vício sanado no prazo máximo de 30 dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; ou o abatimento proporcional do preço".

    Também é garantido, pelo artigo 21 do CDC, que "no fornecimento de serviços que tenham por objetivo a reparação de qualquer produto, considerar-se-á implícita a obrigação do fornecedor de empregar componentes de reposição originais adequados e novos, ou que mantenham as especificações técnicas do fabricante, salvo, quanto a estes últimos, autorização em contrário do consumidor".

    No caso do consumidor procurar lojas autorizadas, o CDC (no artigo 18) também garante a responsabilidade solidária, em que tanto o fornecedor quanto a autorizada são responsáveis pelo serviço prestado. "Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não-duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas".

    Sem assistência
    Solução complicada O Idec disponibiliza em seu site modelos de carta que podem ser usadas na defesa dos direitos do consumidor. Veja aqui o modelo de carta para reclamação com relação a vício de qualidade do serviço prestado.

    Se mesmo com o envio da carta com aviso de recebimento (AR) o problema com a assistência técnica persistir, o consumidor deve levar o caso ao Procon de sua cidade e aos órgãos de defesa do consumidor. Para procurar o Procon mais próximo de sua região, clique aqui.

    Origem: http://www.idec.org.br/rev_idec_texto_online.asp?pagina=1&ordem=1&id=126
     
  2. Russo

    Russo LoucoporSom

    Desde:
    31 Mai 2002
    Mensagens:
    5.589
    Obrigados:
    13
    Troféus:
    38
    Localização:
    Campinas - SP
    Ticiano,

    Excelente!!!:aplauso:
    Este tópico deveria ser fixo no forum.(y)

    Obrigado pelas informações e um abraço.
     
    #2    
  3. Thiago de Sá

    Thiago de Sá Usuário

    Desde:
    21 Ago 2006
    Mensagens:
    131
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Sao Paulo/SP/ Brasil
    Parabens Ticiano, muito bom texto mesmo, vou prestar atencao nele para as proximas visitas ao mecanico...
     

Compartilhar esta Página