Dispositivo de proteção contra surtos (DPS)

Discussão em 'Energia, Alimentação e Aterramento' iniciada por Fabiano, 28 Mar 2006.

  1. Fabiano

    Fabiano Usuário

    Desde:
    28 Fev 2003
    Mensagens:
    705
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Suíça
    Alguém usa?

    Aos entendidos do assunto peço a opinião sobre a utilização destes dispositivos e seus possíveis efeitos na qualidade positiva ou negativa do nosso querido e estimado setup.

    Pelo que andei lendo, a utilização de DPS será obrigatória em novas instalações (NR10) e já pensando em refazer a alimentação em casa com terra dedicado e etc., gostaria de opiniões sobre as vantagens e desvangens destes dispositivos.

    http://www.siemens.com.br/templates/coluna1.aspx?channel=3357

    Abraços

    Fabiano
     
  2. johnnie

    johnnie Usuário

    Desde:
    25 Out 2002
    Mensagens:
    7.880
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Bahia
    Fabiano,

    qualquer proteção é bem-vinda, entretanto pela minha experiência nunca vi um sistema de proteção 100% eficiente contra raios, a não ser desligando os equipos em caso tempo ruim

    qdo um raio atinge em cheio não existe proteção, mas como disse acima é melhor ter do que não ter nada. Não acredito que interfira na qualidade do setup

    já que comentou esse aqui é obrigatório e imprescindível

    http://mediaibox.siemens.com.br/templates/coluna1.aspx?channel=3354&channel_ter_nivel=2901

    o DR desarma a rede eletrica imediatamente em caso de curto. Antes utilizado em banheiras, tornou-se obrigatório para a casa inteira(y)
     
  3. Aurelio Cavalcante

    Aurelio Cavalcante Usuário

    Desde:
    21 Jul 2004
    Mensagens:
    61
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo - SP
    A função básica dos DPS é a de proteger a rede contra surtos induzidos e não diretos.

    Assim, a proteção só será efetiva caso ela venha pela rede elétrica. Caso um raio caia na sua casa, adeus equipamentos. :choro: Contra isto, somente os pára-raios e quando muito bem dimensionados.

    Este tipo de dispositivo é ligado em paralelo com a instalação elétrica. Ao final da sua vida útil, fechará um curto-circuito que desarmará a rede. Alguns reclamam disto mas, particularmente, vejo isto como uma proteção adicional.

    Em conjunto com os DRs, os DPS devem ser instalados antes dos mesmos sob a pena de desarmar os DRs constantemente. (y)

    Existem também DPS para rede telefônica e antenas. De acordo com a NBR 5410, todos deveriam ser interligados no Terminal de Aterramento Principal da casa, que pode ser a barra de terra presente no Quadro de Distribuição.

    Aurelio
     
  4. johnnie

    johnnie Usuário

    Desde:
    25 Out 2002
    Mensagens:
    7.880
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Bahia
    Existem também DPS para rede telefônica

    Aurélio,

    por acaso sabe o nome do fabricante??
     
  5. Aurelio Cavalcante

    Aurelio Cavalcante Usuário

    Desde:
    21 Jul 2004
    Mensagens:
    61
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo - SP
    Johnnie,

    O fabricante mais conhecido e renomado é a Clamper (www.clamper.com.br).

    Para a linha telefônica, procure pelos MP-R (regenerável) e MP-N (normal). Eles são instalados em blocos terminais compactos, dentro do Quadro de Distribuição de Telefonia, com o devido aterramento.

    Lá em casa, eu instalei o bloco terminal que custou cerca de R$ 20,00. Cada Módulo de Proteção custou R$ 9,00. Como em uma das linhas eu tenho o Speedy, fui instruído a utilizar o módulo sólido (MP-R sólido), por causa de possíveis problemas com a indutância e uma queda na velocidade da rede.

    Desta forma, eu tenho tudo protegido logo na entrada da rede telefônica. Em seguida coloquei um splitter e aboli o uso dos microfiltros em cada tomada de telefone.

    Agora só falta a antena (SKY). Como achei o módulo específico meio caro na época (R$ 75,00) acabei deixando para depois. O código dele é o 812.X.050/F.

    Estes produtos não são encontrados facilmente. No meu caso, tive de encomendar em uma revenda Clamper. Mas vale à pena. Apesar de encontrar produtos semelhantes na Santa Ifigênia por cerca de R$ 3,00, não acho que valha à pena confiar todo o sistema da minha casa - inclusive com PABX - a um produto chinês.

    Um abraço,

    Aurelio
     
  6. johnnie

    johnnie Usuário

    Desde:
    25 Out 2002
    Mensagens:
    7.880
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Bahia
    Aurélio,

    sua dica foi ótima. Temos problemas sérios (a empresa) de proteção de linha telefônica. Usamos centelhadores, mas não resolve

    valeu!!!!!! amanhã vou correr atrás da Clamper(y)

    não acho que valha à pena confiar todo o sistema da minha casa - inclusive com PABX - a um produto chinês.

    concordo:concordo: eu tbm tenho em casa uma centralzinha Intelbrás 2 linhas c/ 10 ramais, mas desligo sempre que o tempo fica sujeito a raios. Vc deixa ligada?
     
  7. Aurelio Cavalcante

    Aurelio Cavalcante Usuário

    Desde:
    21 Jul 2004
    Mensagens:
    61
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo - SP
    Johnnie,

    Às vezes, o problema está no modo da instalação dos dispositivos e não nos dispositivos propriamente ditos.

    Eu já vi, literalmente, centrais de telefonia explodirem durante uma tempestade. Após várias ocorrências - o aparelho era comodato Siemens - resolveram trazer um especialista nesta área e o laudo foi: diferença de potencial entre os vários aterramentos existentes no sistema. A solução: correr um cabo de cobre nú enterrado, interligando todos os pontos de aterramento. Antes da mudança era, pelo menos, uma central queimada por ano. Após a mudança - e isto já aconteceu há uns seis anos - nunca mais houve queima. (y)

    É por isso que tenho ressalvas quanto a aterramentos independentes em uma residência/empresa. A minha preocupação é meramente com SEGURANÇA.

    A minha central fica ligada constantemente, faça chuva ou faça sol. Como falei, a minha instalação segue criteriosamente o que diz a NBR 5410.

    Se aceita uma sugestão, faça uma investigação da situação da sua rede de telefonia e elétrica também antes de comprar novos produtos. Os surtos podem vir pela rede de telefonia mas, caso tenha fios de telefone correndo junto com os de eletricidade, poderia haver a indução dos surtos pela proximidade entre cabos. Ambos os circuitos, assim como os de antena, devem estar protegidos contra surtos. O aterramento deve ser o mesmo para todos. Assim, não haverá diferença de potencial entre eles.

    Um abraço,

    Aurelio
     
  8. johnnie

    johnnie Usuário

    Desde:
    25 Out 2002
    Mensagens:
    7.880
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Bahia
    Aurélio,

    mais uma vez obrigado pelas dicas:rever1:

    resolveram trazer um especialista nesta área e o laudo foi: diferença de potencial entre os vários aterramentos existentes no sistema. A solução: correr um cabo de cobre nú enterrado, interligando todos os pontos de aterramento

    provavelmente este pode ser o motivo de constantes queimas na nossa central

    Os surtos podem vir pela rede de telefonia mas, caso tenha fios de telefone correndo junto com os de eletricidade, poderia haver a indução dos surtos pela proximidade entre cabos. Ambos os circuitos, assim como os de antena, devem estar protegidos contra surtos. O aterramento deve ser o mesmo para todos. Assim, não haverá diferença de potencial entre eles.

    esse cuidado foi tomado, a energia e eletricidade correm em dutos separados. Mas o aterramento devido as distâncias muito grandes são independentes

    vou rever todo o sistema(y)

    valeu!!!!!
     
  9. Aurelio Cavalcante

    Aurelio Cavalcante Usuário

    Desde:
    21 Jul 2004
    Mensagens:
    61
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo - SP
    Johnnie,

    Só complementando o que havia dito, os protetores telefônicos podem ser do tipo normal como os Clamper que havia indicado ou então híbridos (procure na Web por MPH 160) ou mesmo os modelos da série 800 da Clamper.

    A diferença entre eles é que enquanto nos normais existe somente um estágio de proteção (centelhador a gás nos modelos gasosos e tiristores nos modelos sólidos), os modelos híbridos conjugam dois e, às vezes, até três estágios de proteção a saber:

    - centelhador a gás: responsável pela dissipação da maior quantidade de energia do surto;

    - varistor de óxido de zinco: faz a tensão baixar consideravelmente. A resistência deste componente é inversamente proporcional à tensão;

    - diodo supressor de avalanche: proteção fina.

    Eu sei que existem protetores que conjugam tanto os dois primeiros estágios como também os três estágios. É só se informar no mercado.

    Um abraço,

    Aurelio
     
  10. Fabiano

    Fabiano Usuário

    Desde:
    28 Fev 2003
    Mensagens:
    705
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Suíça
    Aurélio e João,

    Obrigado pelas respostas.

    Mas fica uma dúvida final: como o DPS deve ser ligado em paralelo, interferiria ele no som do setup?

    Abraços

    Fabiano
     
  11. ricardo_pedrassani

    ricardo_pedrassani Usuário

    Desde:
    21 Dez 2004
    Mensagens:
    267
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Balneário Camboriú - SC
    Na verdade ele é ligado no barramento da fase de um lado e no barramento do Neutro/Terra do outro lado. Assim, quando vem o famigerado "surto elétrico" ele deixa livre o caminho do terra para a energia fluir. Quando a clamper me ligou (mandei mail e no mesmo dia me ligaram para me dar assistência :aplauso:) fui orientado sobre a instalação e tal. Qualquer dúvida liga para lá que eles são bem antenciosos.

    Acredito que não deva influir no som. Pelo que li o sistema o DSP é baseado em um varistor. Dai espero algum entendido em elétrica afirmar se os varistores causam alguma distorção na rede porque eu só entendo de dar martelada em madeira! :p
     
  12. Aurelio Cavalcante

    Aurelio Cavalcante Usuário

    Desde:
    21 Jul 2004
    Mensagens:
    61
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo - SP
    O varistor de óxido de zinco (MOV) tem a propriedade de diminuir a resistência com o aumento da tensão. Assim, num determinado valor de tensão, ele "abre" e deixa passar a corrente. Quando a tensão volta aos valores normais, ele fecha novamente. (y)

    Aurelio
     
  13. ricardo_pedrassani

    ricardo_pedrassani Usuário

    Desde:
    21 Dez 2004
    Mensagens:
    267
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Balneário Camboriú - SC
    Interessante relembrar que isto é NORMA conforme as NRs em vigência atualmente. Inclusive quando o usuário não dispensa o aterramento exclusivo para seu som há dispositivos de proteção contra surtos que são ligados entre as duas malhas de terra, para se uma malha sofrer um aumento de tensão a outra elevar junto. Entretanto, eles são caros para danar (uns R$ 300,00), porque devem suportar uma elevada corrente. Tipicamente estes dispositivos suportam correntes de até 100A :queixo:!
    Melhor mesmo é ter uma malha de terra somente. Se a pessoa é puritana e deseja melhorar a qualidade de seu aterramento, melhor então fazer um circulo em volta da casa com várias barras bem instaladas do que isolar um terra para o som (na questão de segurança, é claro). Já em edifícios a situação é mais complicada, porque mesmo em edifícios de luxo a questão do terra é negligenciada.

    Interessante que por lei é OBRIGATÓRIA a instalação de terra em edificações novas já a alguns anos. Ameacei uma construtora de luxo aqui na minha cidade de processar ela para obrigar a instalarem o terre e eles deram um jeito em um mês, quebraram a parede de todos os apartamentos... Segue o link da lei: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11337.htm. Para quem mora em edifício novo é só dar uma "apertada" no construtor e se não der jeito processa ele!
     

Compartilhar esta Página