Modulador de TV Digital Nacional está quase saindo do forno

Discussão em 'Recepção Local & Mercado' iniciada por roak, 5 Jun 2008.

  1. roak

    roak Usuário

    Desde:
    24 Dez 2007
    Mensagens:
    147
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Brasília
    Caros colegas,

    acabo de ler uma notícia no Valor que me deixou animado: o Brasil já testa tecnologia própria para desenvolvimento de moduladores para TV Digital. Se o projeto de fato andar pra frente, certamente ajudará a baratear a tecnologia e, quem sabe, antecipar o calendário de implementação da transmissão terrestre nas demais cidades do nosso país. Segue matéria na íntegra:

    PUC-RS testa equipamento para TV digital feito no país

    A Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) faz hoje em Porto Alegre a primeira transmissão experimental com um modulador desenvolvido no país dentro das normas do sistema brasileiro de televisão digital (SDTV). O teste será restrito ao interior de um prédio do campus da universidade e faz parte de um projeto financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que envolve também o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), de Porto Alegre, e a empresa paulista RF Telavo.


    O modulador digitaliza o sinal transmitido pelas emissoras de televisão e, segundo o coordenador do Centro de Pesquisa em Tecnologia Wireless da Faculdade de Engenharia da PUC-RS, Fernando de Castro, a intenção é desenvolver um equipamento mais barato para facilitar o ingresso das pequenas empresas no novo sistema. Na implantação da primeira fase da tecnologia de TV digital no país, na região metropolitana de São Paulo, foram utilizados moduladores importados. As estimativas são de que a fabricação local poderá reduzir os custos do produto em até 70%.


    De acordo com Castro, o modulador que será apresentado hoje utiliza um chip importado "reprogramável" FPGA e poderá ser produzido comercialmente pela RF Telavo até o fim deste ano. Esse tipo de chip foi escolhido para a primeira fase do trabalho porque permite a correção de eventuais erros que apareçam durante os testes e até a reprogramação de equipamentos já produzidos.


    A próxima etapa será o desenvolvimento, pelo Ceitec, de um chip "dedicado" (que depois de programado não pode ser modificado) capaz de operar nos sistemas japonês (adotado no Brasil), americano e europeu com vistas a futuras exportações dos moduladores. Segundo a gerente do centro de design do Ceitec, Edelweiss Ritt, o circuito integrado dedicado é mais barato, menor e mais eficiente em consumo de energia do que o chip FPGA.


    A previsão é de que o primeiro protótipo do novo chip, configurado para operar apenas no sistema brasileiro, estará pronto até o fim do ano para testes. O circuito para os três sistemas será desenvolvido em seguida e deverá ser produzido a partir de 2010 pela alemã X-Fab, que tem um acordo operacional com o Ceitec. Todo o projeto para a produção do modulador nacional deverá ser executado em três anos a contar de abril de 2007, com investimentos de R$ 15 milhões do BNDES mais uma contrapartida de 15% da RF Telavo.


    Fonte: Jornal Valor Econômico, 05/06/08
     
    #1    
  2. rafael_netto

    rafael_netto 1000 agradecimentos e contando

    Desde:
    23 Abr 2005
    Mensagens:
    14.121
    Obrigados:
    2
    Troféus:
    0
    Localização:
    Rio de Janeiro/RJ
    É bom lembrar que esse equipamento é usado na TRANSMISSÃO, não é para o consumidor. Mas desenvolvimento tecnológico nesta área sempre é bom.
     
  3. Paulocs

    Paulocs Usuário

    Desde:
    25 Dez 2007
    Mensagens:
    185
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Bagé/RS/BR
    A modulação do sinal é totalmente diferente do que é usado hj em tv, é quase igual a modulaçaõ CDMA, ou seja há um fracionamente dentro de tudo espectro dos 6 Mhz, mesmo que não haja sinal modulante, ainda assim toda largura da banda é usada, diferente do am que hj é usado para modular a imagem.
    Ou seja não é o tipo de modulador que se pode montar em oficina de fundo de garagem, requer muita tecnologia!

    Em termos leigos isso significa ser mais imune a ruídos e ter o mesmo alcançe com menos potência.
     
  4. Leo_Ctba

    Leo_Ctba HDlização total já!! :D

    Desde:
    23 Out 2007
    Mensagens:
    1.651
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    Curitiba / Paraná
    O que é muito importante: As estimativas são de que a fabricação local poderá reduzir os custos do produto em até 70%. !!! (y)

    Tomara que as pesquisas se consolidem e prosperem. Boa sorte ao pessoal

    Até

    Leo
     
  5. ogava

    ogava Usuário Ativo

    Desde:
    12 Dez 2007
    Mensagens:
    1.763
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    36
    Localização:
    registro/sp/brasil
    alguem saberia me responder pq nao é possivel transmitir hdtv como é transmitido o sinal para celulares,
    em que nao se tem que "mirar" a antena para lado algum e pega "quase" em todos os lugares ?
     
    #5    
  6. tonnynelson

    tonnynelson Usuário

    Desde:
    23 Jan 2008
    Mensagens:
    962
    Obrigados:
    4
    Troféus:
    18
    Localização:
    São Paulo/SP/Brasil
    Possível deve até ser, já que o sistema adotado no Brasil permite instalar diversas antenas.
    Viável é que não deve ser, pois quem arcaria com os custos de dezenas ou centenas de antenas em uma cidade?
    As diversas antenas celulares espalhadas pelas cidades são pagas pelos assinantes.
    É mais em conta a emissora de TV colocar um transmissor de alta potência em uma torre e deixar que os telespectadores mirem suas antenas para a torre deles, sempre foi assim desde o início da televisão e creio eu que nunca mudará.
     
  7. GekoBR

    GekoBR Usuário Ativo

    Desde:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    1.302
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    36
    Localização:
    Foz do Iguaçu, Pr
    Só que o ISDB-Tb (como o DVB-T também) suportam a diversidade como forma de obter-se sempre o sinal mais forte sintonizado, por mais de uma antena e sintonizador no receptor ou por mais de um transmissor da estação, sincronizados e na mesma freqüência. SFN (Single Frequency Networks)

    Estão previstos retransmissores gapfillers nas regiões de sombra, onde o sinal de determinado canal não seja recebido, por obstrução geográfica ou de alguma edificação. Se a cidade possui torre única compartilhada, os gapfillers também ficariam em uma única torre menor, como no caso de Brasília e outras cidades que atendam a sugestão do governo para economia de escala.
    Governo discute compartilhamento de torres para reduzir custos 27/05/2008
    Samuel Possebon - Tela Viva News


    Uma idéia que promete esquentar os debates entre radiodifusores está sendo negociada dentro do governo: é a possibilidade de abrir espaço, em algumas cidades brasileiras, para empresas responsáveis pela administração unificada da infra-estrutura de antena e transmissão de TV digital aberta. Não se trata da figura do operador de rede existente na Europa. Até porque os modelos regulatório e comercial brasileiro precisariam ser drasticamente alterados para permitir isso. O que se discute nesse momento, especificamente com empresários japoneses que já fazem isso no Japão, é a introdução do conceito de torres compartilhadas, em que uma única empresa constrói e administra a torre de transmissão e os transmissores das diferentes emissoras.

    A solução poderia baixar o custo e acelerar a implantação da TV digital em algumas cidades. Para não assustar as empresas de radiodifusão, que temem perder o controle sobre seus sinais, a idéia é deixar claro que são elas quem administram o canal no espectro e detém a propriedade do seu transmissor específico. Nesta quarta, 28, algumas reuniões com os empresários interessados devem acontecer na Casa Civil e no Ministério das Comunicações.

    Em algumas cidades, bastariam DUAS torres retransmissoras dos mesmos canais em locais cruzados, para se obter a cobertura quase 100% e ao mesmo tempo servindo como backup em caso de um desastre/catastrofe com um dos complexos transmissores.

    Outra prática seria a instalação de pequenos gapfillers nas torres de celulares numa demonstração de complementação entre as teles e as emissoras de TV, o que levaria a possibilidade de levar um mesmo sinal ao longo de uma estrada facilitando o acesso, tanto dos moradores destas vizinhanças como de terminais móveis, tanto celulares como mini TVs de bolso, de passageiros em viagem, como no Japão.
     
    #7    
  8. kanu

    kanu Usuário

    Desde:
    12 Fev 2008
    Mensagens:
    53
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    0
    Localização:
    São Paulo
    O mais importante disso é a possibilidade de desenvolvimento de tecnologia nacional com o baixo custo final do equipamento .....
     
    #8    
  9. GekoBR

    GekoBR Usuário Ativo

    Desde:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    1.302
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    36
    Localização:
    Foz do Iguaçu, Pr
    A Linear
    http://www.linear.com.br/port.html

    e a RF Telavo [FONT=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif]em joint venture com a canadense Larcan[/FONT]

    http://www.rftel.com.br/produtos/trans_digit_uhf/

    já produzem no Brasil inclusive para exportação aos EUA, transmissores ATSC e para outros países DVB-T e agora estarão vendendo para o Brasil, pois a diferença de um sistema para outro é apenas o modulador, cujo chip para modular o ISDB-Tb é o objeto deste tópico.

    Os transmissores da BAND, MTV e Record em São paulo, são da Linear, 100% Made in Brasil.
     
    #9    
  10. jpc

    jpc Usuário

    Desde:
    4 Nov 2005
    Mensagens:
    359
    Obrigados:
    0
    Troféus:
    16
    Localização:
    São Paulo-SP-BRASIL
    Seria muito bom isso, não só para redução de custos que facilitaria a expansão da transmissão do sinal digital para mais localidades, mas também até pela dimunuição do número de antenas transmissoras.

    Aposto que a Globo, como sempre, vai recusar e querer fazer tudo sozinha, para não se misturar com as demais. Vide o que acontece com o sinal digital por satélite e parabólicas.
     
    #10    

Compartilhar esta Página