PDA

Ver Versão Completa : DARTZEEL- a nova maravilha da Audio Vídeo Magazine?



Páginas : 1 [2]

tomgraf
05-03-2012, 11:16
Estou acompanhando esse tópico e confesso que já colhi muita coisa interessante, porém, estou vendo uma postura que de certa forma está me deixando um pouco curioso, ou pra que não dizer intrigado, por isso resolvi comentar.
Desde o início dessas considerações, não percebi por parte do forista Dearing, qualquer arrogancia ou desprezo pela audiofilia Brasileira, pelo contrário ele está falando da realidade dele. Ninguém aqui é insano a ponto de entender que as facilidades de um Norteamericano em adquirir aparelhos de ponta, cabos e etc, por preços infinitamente menor, que o poder aquisitivo e facilidade de crédito deles são bem superiores a nossa, o que facilita e muito essa difusão na região deles. Noto que o tempo todo, estão colocando que o que ele está falando é dirigido aos brasileiros, e parece que isto está doendo em alguns que se portam de forma jocosa, e às vezes agressiva. A cada pancada que o Dearing recebe, responde de forma técnica e mais convincente em suas explanações, sendo assim, devíamos dar o devido exemplo, ou melhor, o troco, com contestações técnicas ou então, explorar os seus conhecimentos e colher mais informações. Confesso que momento algum as colocações do Dearing me incomodaram. Não entendo que o mesmo impôs marcas e cabos, ele deu o seu testemunho, pela sua convivencia com colegas que como já falei, possuem incontestavelmente mais opções e facilidades na aquisições de aparelhos. Basta quem quiser aceitar ou não, pois ninguém está obrigado a concordar com os outros, porém, vamos debater sem esse tratamento investigativo e até truculento. Vamos estimular colegas como ele a falarem suas experiencias e trazerem novidades e mais embasamentos, não só para a linha Dartzeel, mas tambem para outros sistemas mais modestos e também ótimos.
Abs
GG

ABSOLUTISSIMAMENTE CORRETO!

Gabriello
05-03-2012, 14:05
Estou acompanhando esse tópico e confesso que já colhi muita coisa interessante, porém, estou vendo uma postura que de certa forma está me deixando um pouco curioso, ou pra que não dizer intrigado, por isso resolvi comentar.
Desde o início dessas considerações, não percebi por parte do forista Dearing, qualquer arrogancia ou desprezo pela audiofilia Brasileira, pelo contrário ele está falando da realidade dele. Ninguém aqui é insano a ponto de entender que as facilidades de um Norteamericano em adquirir aparelhos de ponta, cabos e etc, por preços infinitamente menor, que o poder aquisitivo e facilidade de crédito deles são bem superiores a nossa, o que facilita e muito essa difusão na região deles. Noto que o tempo todo, estão colocando que o que ele está falando é dirigido aos brasileiros, e parece que isto está doendo em alguns que se portam de forma jocosa, e às vezes agressiva. A cada pancada que o Dearing recebe, responde de forma técnica e mais convincente em suas explanações, sendo assim, devíamos dar o devido exemplo, ou melhor, o troco, com contestações técnicas ou então, explorar os seus conhecimentos e colher mais informações. Confesso que momento algum as colocações do Dearing me incomodaram. Não entendo que o mesmo impôs marcas e cabos, ele deu o seu testemunho, pela sua convivencia com colegas que como já falei, possuem incontestavelmente mais opções e facilidades na aquisições de aparelhos. Basta quem quiser aceitar ou não, pois ninguém está obrigado a concordar com os outros, porém, vamos debater sem esse tratamento investigativo e até truculento. Vamos estimular colegas como ele a falarem suas experiencias e trazerem novidades e mais embasamentos, não só para a linha Dartzeel, mas tambem para outros sistemas mais modestos e também ótimos.
Abs
GG


Concordo plenamente com Gilson. Alguns foristas neste tópico parece que se sentem incomodados com as colocações de Dearing e usam contra-argumentos puramente emocionais, como se o colega americano estivesse nas entrelinhas deliberadamente atacando a "bandeira verde amarela audiófila nacional". Parece arrogância camuflada em orgulho ferido. Nacionalismo ainda existe? Será que alguns desses colegas, através dos tempos e de seus hábitos neste fórum, indireta e implicitamente se colocaram sobre uma espécie de pedestal de "entendimento de high end" e agora se sentem ameaçados pelo colega americano? Ô vaidade ferida, meu!


Marcus

Dearing
05-03-2012, 15:58
Caro Ricardo Nonato,

Interessante seu post. Aqui, tem um pouco de debate sobre Playback Designs contra dcs, sim, mas não em relação ao Puccini – a pergunta e se o Playback é melhor do que o “dcs stack”, ou seja, o Scarletti (a gente chama o Scarletti o “dcs stack” porque se trata de um componente de 4 chassis – quando tem alguma coisa posada encima de outra coisa, a gente fala que os 2 são “stacked”, como a gente fala que uma mulher “peituda e bundada” é stacked :)). Normalmente, não gosto de citar as revistas para as razoes expostas no meus postes anteriores, mas no “review” do Playback MPS-5 de Stereophile, foi escrito, sobre as capacidades do Playback MPS-5 como SACD player:

“As an SACD player, the MPS-5 is, or is very close to, the best I've heard, put there by its dynamic capabilities, resolution of transients and detail, image specificity, three-dimensionality, bottom-end extension, and overall punch and immediacy. The Cary CD 306 SACD ($8000, which John Atkinson reviewed in November 2008) sounds exciting and is a reasonably good value, but it's also somewhat lean and forward. The Marantz SA-11S2 ($3400, which I reviewed in February 2009) sounds warm and pleasant and is impressively built, but it failed to engage me the way the Cary could. The dCS Scarlatti ($79,999) is in a class by itself as an ambitious stack of components, but the Playback Designs MPS-5 plays on the same sonic field for less than half as much [money], even if its sound was somewhat cooler and more analytical.”

Como CD player (digital PCM):

“The MPS-5 is also an equally compelling-sounding CD player. I suggest you listen to your favorite CDs and hi-rez PCM files and make up your own mind. I found the Playback DAC's high-frequency cleanness, silent backdrops, and organizational skills impressive, and its overall sound rock-solid and very well controlled—and for sure better than the dCS Scarlatti's upconversion of PCM to DSD.”

Isso foi escrito pelo Michael Fremer, o jornalista de hi-fi que tem os maiores conhecimentos sobre toca-discos – o cara é o “Rei de Analog” nos EUA. Ele comprou o Playback MPS-5 depois de fazer o review.

Quanto a nos, achamos o Scarlatti super detalhada - a resolucão é impressionante - mas falta a natureza do Playback.

Se o Vlamir prefere o Puccini, ok, é a preferencia dele – ele deve gostar mesmo porque ele vende Playback, mas parece que ele não vende dcs.

No que diz respeito sua preferencia para um sistema com o Alexandria, acho isso um pouco estranho também. O Alexandria, como qualquer Wilson, tem uma qualidade de fabricão ótima, mas a polaridade dos autofalantes médios esta invertida e essa caixa não consegue reproduzir um square wave – tem uma inversão de fase de 180 graus. E por isso que tantos audiofilos nos anos 90 tiveram caixas Dunlavy – somente uma caixa que tem crossover “constant voltage”, como Dunlavy, Evolution Acoustics, ou Thiel, pode reproduzir um square wave com fidelidade absoluta. Com um bom toca-discos (que não sofre de inversão de fase como digital PCM), dá para ouvir imediatamente.

Caro Alvaro Coutinho,

Mais uma vez, talvez eu não tenha escrito claramente. Em nenhum momento eu estava dizendo que um sistema de som consegue imitar com fidelidade absoluta a musica ao vivo. Eu estava dizendo simplesmente que todos nos conhecem a musica ao vivo, o que nos traz uma referencia absoluta. Com essa referencia, podemos começar de avaliar o desempenho de um componente. Foi isso que eu queria dizer. Sinto muito – meu português não esta mais bom e não tenho muito tempo para escrever.

Meus comentários sobre a Europa, os EUA, o Japão, e a Singapura vem das minhas experiências pessoas – eu passo muito tempo com estrangeiros por causa de meu trabalho. E fato que os países Europeus são bem mais “socialistas” do que os EUA. Durante os tours dos Rolling Stones de 2002-2005, o Mick Jagger foi questionado sobre a diferencia importante dos preços dos ingressos para os concertos do Stones na Europa e nos EUA (o custo de um ingresso nos EUA foi o dobro do preço na Europa). Ele disse simplesmente que “A Europa é socialista e tem menos pessoas com dinheiro. Nos EUA, podemos cobrar muito mais.” Para o bem ou para o mal, ele teve razão.

Caro Gilson Godoy e outros,

Agradeço vocês muito pelo apoio. Eu nunca queria insultar a “audiofilia brasileira”. Muito pelo contrario, pensando que falo português (mais ou menos), eu queria compartilhar alguns conhecimentos aqui. Minha experiência com audiofilos brasileiros é bem limitada – tenho uns 3 amigos, e alguns outros conhecidos. A primeira vez que eu fui para a casa de um amigo audiofilo brasileiro que tem power darTZeel, cheguei na sala acústica dele e percebi que todos os equipamentos dele, incluído o darTZeel dele, foram desligados. Perguntei o que estava acontecendo (porque percebi que eu tinha chegado numa outra planeta) e porque tudo estava desligado, e ele nem entendia minha pergunta. Ele me disse que ele não conhece audiofilos brasileiros que deixam ligados 24/7 os equipamentos deles, ate que esse amigo brasileiro me disse “Se o power darTZeel precisa ficar ligado 24/7, nenhum darTZeel vai ser vendido no Brasil.” Fiquei chocado de ouvir isso, e fiquei ainda mais chocado de observar nenhum conhecimento de fatores muito importantes ao desempenho de sistemas top, por exemplo, a importância da estabilidade térmica e os efeitos péssimos dos ciclos térmicos, os tipos de circuitos nos amplificadores, etc. Enfim, todo isso para dizer que um outro amigo audiofilo brasileiro me falou desse thread, eu quando eu o li, eu queria compartilhar alguns conhecimentos que podem explicar porque o power darT é top. E para fazer isso, eu fui diretamente ao ponto sobre as razoes técnicas que as pessoas estão tão impressionadas com o desempenho dessa marca (nenhuma realimentação, somente 2 par de transistores por canal, interconnect “Zeel”, fabricação nota 10 na Suíça, etc.).

Acho que minhas experiências vão, aos poucos, ser confirmadas com suas próprias experiências. Por exemplo, vamos falar novamente da caixa Evolution Acoustics MMThree no mês que vem, uma vez que o review dessa caixa sair na revista Áudio Vídeo no Brasil.

Enfim, para vocês que falam bem inglês, só posso dizer “I’m not making this shit up.”

fibra
05-03-2012, 18:09
http://www.positive-feedback.com/Issue24/images/emm_gpa_dartzeel_vsa9.jpg
Blue Light Audio's Jonathan Tinn, Grand Prix Audio president Alvin Lloyd, and darTZeel designer Hervé Delétraz stand behind one of the most impressive music systems at this year's event [CES2006].


:)


Abraços aos amigos. :tu:

tomgraf
05-03-2012, 18:41
http://www.positive-feedback.com/Issue24/images/emm_gpa_dartzeel_vsa9.jpg

:)


Abraços aos amigos. :tu:

Fibra, este setup deve tocar muito!
Qual a configuração?

fibra
05-03-2012, 18:49
Tom, este setup foi apresentado na CES 2006 como sendo o GRANDE sucesso.

Segue:

"Jonathan Tinn's Blue Light Audio room featured a pair of the extraordinary $60,000 Von Schweikert Audio VR-9SEs, each vertically biamped with the $18,181 darTZeel NHB-108 amplifiers. DarTZeel also was showing their similarly styled and gorgeous sounding NHB-18NS preamp. Sourcing was provided by either the world-class EMM Labs CDSD and DAC6e SACD/CD or the Monaco Turntable. This room was just plain musical and completely captivating. There is something remarkably synergistic about this combination of components, as anyone who has heard them will tell you."


Abração

Renato
05-03-2012, 19:13
No que diz respeito sua preferencia para um sistema com o Alexandria, acho isso um pouco estranho também. O Alexandria, como qualquer Wilson, tem uma qualidade de fabricão ótima, mas a polaridade dos autofalantes médios esta invertida e essa caixa não consegue reproduzir um square wave – tem uma inversão de fase de 180 graus. E por isso que tantos audiofilos nos anos 90 tiveram caixas Dunlavy – somente uma caixa que tem crossover “constant voltage”, como Dunlavy, Evolution Acoustics, ou Thiel, pode reproduzir um square wave com fidelidade absoluta. Com um bom toca-discos (que não sofre de inversão de fase como digital PCM), dá para ouvir imediatamente.

Dearing,

Tudo bem?

Agora eu fiquei curioso pois acredito que o que chama de “constant voltage” seja fruto de um estudo de R. Small para a AES em 1971 (http://www.aes.org/e-lib/browse.cfm?elib=2214), onde se não me engano era informado que apenas crossovers de primeira ordem (atenuação de 6dB por oitava) podem oferecer “constant voltage” e justamente como é o caso da Thiel, mas que também é o caso de uma penca de outras caixas que vão de B&W a Dynaudio por exemplo, para citar apenas algumas... mas isso me levantou outras questôes:

- Entrei no site da Evolution e fiquei meio desapontado com o que há de informação técnica, saberia me dizer qual a topologia e os cortes adotados nos crossovers?

- Curioso imaginar que seja apenas primeira ordem para uma configuração do tipo WMTMW em face os espaços centro-a-centro de cada uma das 3 vias... se for mesmo, é impossível por razões de ordem física que não tenha uma curva de resposta bem complicada e que ao mesmo tempo imagino que não deve ser o caso.

- Procurei na Stereophile mas não achei qualquer review para apenas ver os gráfico de impedância e curva de resposta, poderia me fornecer algum lugar para que pudesse olhar?

- O que eu poderia entender a partir do que dizem "Super premium crossover parts and internal wiring."?


O argumento em relação as Alexandrias também não me soaram dotado de muito sentido, pois elas podem ter o mesmo resultado de fase, coerência e resposta usando de outros meios, até que relativamente simples em face do que se tem de conhecimento e disponibilidade para fazer e medir... se usarem por exemplo um crossover de 3ª ordem, eles não teriam qualquer limitação em relação ao que você escreveu como "pode reproduzir um square wave com fidelidade"...

Como referência apenas, te envio 2 links que julgo bem interessantes:
http://www.trueaudio.com/st_mr2.htm
http://www.rane.com/note160.html


Entenda esse post como apenas alguns questionamentos de alguém que adora caixas acústicas e por isso tanta curiosidade. :)

Forte abraço,

Renato

Álvaro Coutinho
05-03-2012, 19:50
Olá,

Prezado Dearing,

Digamos que eu tenho estado... como disse o Ryche outro dia? “New York mode – On”, ou coisa parecida com isso. :)

Tenho procurado argumentar com você nas bases de suas afirmativas. Em cima do que você escreve.

Mas, agora, seu Português que era tão bom (mesmo!), não está bom o suficiente para se fazer entender de forma clara, quando rebati seus argumentos sobre música ao vivo versus reprodução eletrônica. Então deixemos assim, não é uma questão de gosto ou padrão, e sim, de falta de comunicação.

Falamos sobre quem pode adquirir um aparelho realmente Top, e você contra argumenta alegando os preços de ingressos de música popular!! Como se os dois universos fossem o mesmo, ou um servisse para dar ideia de tamanho do outro. Apenas corroborando o que disse antes: os europeus que podiam adquirir esses aparelhos, “socialistas” ou não, continuam podendo. Esse nível de consumidor não foi afetado pelas atuais crises. Esse pessoal sempre fica fora desses apertos. E você como homem do mundo sabe disso, é assim em qualquer lugar.

Perdoe-me se pareço um pouco irônico, não é essa a intenção. Mas, efetivamente, suas argumentações lógicas, não o estão tanto assim. Ora de um jeito, ora de outro, ficam mudando. Então fica difícil se manter um assunto em linha reta.

Temos também o fato de que (os brasileiros vão dizer que eu estou ofendido, e as coisas nem passam perto disso. Em seu “NY mode” sabe bem que não é isso), por causa de sua experiência com UMA pessoa que não conhecia o conceito 24/7, você colocou o seu primeiro post partindo do princípio generalizado de que NINGUÉM o conhecia aqui. É só voltar e ler. Melhor, eu botei aqui (me permiti o grifo):


– Tem uma ignorância total no Brasil sobre como usar componentes de transistor. Para funcionar corretamente, e para prolongar a vida do componente, todo componente transistor tem que ficar ligado 24/7, isso por causa...

As razões para não ser aplicado aqui, da mesma forma/frequência que nos EUA, depois de muito debate, vc próprio disse que compreendia se aqui não se procedesse assim. Alguns, relativamente poucos, têm “coragem” para tal. Nas nossas condições.

Se antes ficou apenas subentendido, deixo claro a todos que já esgotei minhas argumentações e contra argumentações com você, até por que elas (as suas) ficam variando de perspectiva. Como claramente evidenciado na sequência de minhas msgs com você. Só não enxerga isso quem não quer.

Assim, nada mais tenho a postar nesse tópico, pelo menos por agora, ou sobre os assuntos que veem sendo debatidos. Como disse, repito: boas audições a todos! :tu:

jimmyk70
05-03-2012, 19:59
Alvaro
Matou a charada ....tem muitas linguas diferentes no forum....por isso ninguem se entende.....

carlos_camardella
05-03-2012, 20:16
Renatão,


Dearing,


- Entrei no site da Evolution e fiquei meio desapontado com o que há de informação técnica, saberia me dizer qual a topologia e os cortes adotados nos crossovers?

- Curioso imaginar que seja apenas primeira ordem para uma configuração do tipo WMTMW em face os espaços centro-a-centro de cada uma das 3 vias... se for mesmo, é impossível por razões de ordem física que não tenha uma curva de resposta bem complicada e que ao mesmo tempo imagino que não deve ser o caso.



MM2

http://ultimate-audio.eu/wp-content/uploads/2011/08/mm2_black_sm0-120x250.jpg

MM3

http://ultimate-audio.eu/wp-content/uploads/2011/08/mm3_blk0-175x250.jpg

Adiantando-me ao amigo Dearing, uma ajuda para sua análise:

http://www.evolutionacoustics.com/evolution-acoustics2/specifications-for-group-brochure-4.pdf

O midrange usado é esse aqui (inclusive com a tela, claro):

http://www.madisoundspeakerstore.com/images/products/preview/c173-6-090.jpg

Accuton C173-6-090 6.5" Ceramic Cone Midrange
http://www.madisoundspeakerstore.com/approx-6-midrange/accuton-c173-6-090-6.5-ceramic-cone-midrange/

Esse mid morre em torno de 3kHz (a resposta é relativamente plana com desvio de +/ -3dB, de 80 Hz a 3200 Hz) e o ribbon tweeter usado na caixa é esse famoso chinês Aurum Cantus G3:

http://www.yantaimarket.com/BackAdmin/ProductImages/20036242185946674.jpg

Cujas specs são as seguintes:

Power handling: 60 watts RMS/100 watts max • Impedance: 8 ohms • Frequency range: 1,300-40,000 Hz • SPL: 100.0 dB 2.83V/1m • Recommended minimum crossover frequency: 2,300 Hz @12db/octave (recommended 1900Hz@18dB/octave) Dimensions: Overall diameter: 6-5/8" x 2-15/16", Cutout diameter: 5-7/8" x 2-1/8", Depth: 3-1/8".

Uma coisa eu garanto: o crossover dos mids até pode ser 6dB/oitava, mas o do Ribbon, nem pensar. É de 12dB pra cima. Tem outras caixas famosas usando o G3 e o G2, mas estão com corte de 18dB ou 24dB, sendo 18 mais comum. 12dB/oitava, que eu saiba, nenhuma, nem DIY. Um ribbon desses só aguenta 12dB com corte acima de 6kHz e esse mid não passa de 3kHz decentemente. Que diremos de 6dB/oitava...

Abraço !
C.A.

Ricardo Nonato
05-03-2012, 20:43
Caro Dearing,

pelo visto você deve estar entendendo que estou desmerecendo os equipamentos que você está elogiando, como: Playback Design, darTZeel, Evolution Acoustics, etc... A questão não é essa, até porque fiquei encantado com o MPS-5 e os darTZeel (neste caso, já ouvi integrado, pré, power e monoblocos) que ouvi. Sem contar outro sistema composto de dCS Puccini + U-Clock, pré darTZeel, power darTZeel, caixas Temptation, e cabeamento todo Kubala Elation; que igualmente me encantou, todos com suas particularidades, mas todos EXCELENTES SISTEMAS.

Mais uma vez deixo claro, que na minha opinião, nem todos vão achar estas combinações como as melhores existentes. Eu mesmo tive uma experiência na casa do Jimmy e do Brandão que me deixaram de queixo caído. Sistemas igualmente EXCELENTES, quiçá até melhores. Pelo que pude perceber, a questão chave é a SINERGIA entre os equipamentos.

No meu caso, que estou montando TODO meu sistema novamente e estou em busca de opções, fica claro que tenho uma tendência aos darTZeel, principalmente o integrado, que neste momento se adequa mais a minha realidade. Daí também parte o porque lhe fiz a pergunta em relação a sinergia dos Jena Labs com o CTH-8550.

Cheguei a falar com alguns amigos por MP, que no set com monoblocos darTZeel, tinha muita curiosidade em ouví-lo com as MM3. Porém apenas curiosidade, diante de tantos reviews elogiando as Evolution Acoustics, e para o set citado, NMHO, as MM3 estariam a altura do restante do sistema.

Em junho, poderei ouvir as Evolution (Micro1), que de repente podem vir a fazer parte do meu setup, mas para isso só depois de muitos testes.

Gostaria de esclarecer aos amigos que participam de alguns tópicos que costumo postar, que sou apenas um iniciante no hobby (aproximadamente um ano), porém com bastante sede de conhecimento. Neste caso tenho muito mais a aprender com todos vocês, do que passar algum conhecimento. O máximo que faço é contar algumas experiências pelas quais venho passando e acho legal compartilhar.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Renato
05-03-2012, 20:55
C.A.,

Pois é, esse tweeter tem brincando 21cm, o que nos daria um espaço centro a centro entre os mids de uns 37cm por baixo, equivalente a uma onda de 930hz e aí ou eles metem um cross bem cascudo e alto slope ( o que não acho muito por conta da sensibilidade de 93dBs da caixa que é exatamente a do mid) ou eles fazem a transição usando um mid subindo bastante e outro cortando a pelo menos duas oitavas abaixo, mas como eles mencionam 3 vias e não 3.5 vias.... vai entender., ou será que usam apenas o roll-off natural do mid?

O mais intrigante é tentar trazer isso para as vias de graves, aí que tudo gera mais questões ainda...

Continuo muito curioso e com vontade de ver alguma medição, mas me recuso a acreditar que uma caixa desse nível não tenha nada nesse sentido.

Abração,

Renato

ANTUNES CARLOS
05-03-2012, 20:59
Eu acho fantástico quando o tópico passa a "discutir" as ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, pois é nesse momento que vemos quem realmente entende de eletrônica:aplauso::aplauso::aplauso:. O tópico está ótimo, não vamos deixá-lo "descambar" para o outro lado, que não leva a nada....

Ricardo Nonato
05-03-2012, 21:11
Falando de darTZeel,

uma experiência que foi muito importante para mim, como novato, foi meu primeiro contato com o integrado CTH-8550 e cabos de força Valhalla. Achei inicialmente que o integrado não era tudo aquilo que falavam dele. Porém bastou trocar o Valhalla por um Kubala Emotion que as coisas mudaram de figura; em seguida por um Elation, aí sim, o nirvana.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

cesar miranda
05-03-2012, 21:50
Estou acompanhando esse tópico e confesso que já colhi muita coisa interessante, porém, estou vendo uma postura que de certa forma está me deixando um pouco curioso, ou pra que não dizer intrigado, por isso resolvi comentar.
Desde o início dessas considerações, não percebi por parte do forista Dearing, qualquer arrogancia ou desprezo pela audiofilia Brasileira, pelo contrário ele está falando da realidade dele. Ninguém aqui é insano a ponto de entender que as facilidades de um Norteamericano em adquirir aparelhos de ponta, cabos e etc, por preços infinitamente menor, que o poder aquisitivo e facilidade de crédito deles são bem superiores a nossa, o que facilita e muito essa difusão na região deles. Noto que o tempo todo, estão colocando que o que ele está falando é dirigido aos brasileiros, e parece que isto está doendo em alguns que se portam de forma jocosa, e às vezes agressiva. A cada pancada que o Dearing recebe, responde de forma técnica e mais convincente em suas explanações, sendo assim, devíamos dar o devido exemplo, ou melhor, o troco, com contestações técnicas ou então, explorar os seus conhecimentos e colher mais informações. Confesso que momento algum as colocações do Dearing me incomodaram. Não entendo que o mesmo impôs marcas e cabos, ele deu o seu testemunho, pela sua convivencia com colegas que como já falei, possuem incontestavelmente mais opções e facilidades na aquisições de aparelhos. Basta quem quiser aceitar ou não, pois ninguém está obrigado a concordar com os outros, porém, vamos debater sem esse tratamento investigativo e até truculento. Vamos estimular colegas como ele a falarem suas experiencias e trazerem novidades e mais embasamentos, não só para a linha Dartzeel, mas tambem para outros sistemas mais modestos e também ótimos.
Abs
GG


Gilson parabéns por sua colocação,concordo em tudo.

So pra constar,um agradecimento é meu. Bravo.....

Abr Cesar Miranda

felipsom
05-03-2012, 21:56
Fala Ricardo!
Já que está na busca de um integrado top, além do Dartzeel, vc chegou a ouvir o ASR Emitter e/ou o Gryphon?
Se ouviu, o que achou entre eles?
Um forte abraço!

Hanna
05-03-2012, 22:04
http://img851.imageshack.us/img851/89/lavigneroomvr901.jpg
By mmhanna (http://profile.imageshack.us/user/mmhanna) at 2012-03-05



http://img845.imageshack.us/img845/551/lavigneroomvr902.jpg
By mmhanna (http://profile.imageshack.us/user/mmhanna) at 2012-03-05

O link abaixo, mostra outras possibilidades de combinações com Dartzeel, como colocou o Fibra. Além de um relato maravilhoso da descoberta das possibilidades das VR9, caixa que está na minha lista de desejos audiófilos, há um bom tempo. Vale também, pela excelente descrição do ajuste de frequências e de sua importância no resultado final, uma excelente aula de audiofilia.


http://www.positive-feedback.com/Issue26/lavigne_vr9.htm

O outro link é sobre a construção da excelente sala do próprio Lavigne.

http://www.positive-feedback.com/Issue16/lavigneroom.htm

Ricardo Nonato
05-03-2012, 22:16
Fala aí Luiz Felipe,

enviei-lhe uma MP.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Fala Ricardo!
Já que está na busca de um integrado top, além do Dartzeel, vc chegou a ouvir o ASR Emitter e/ou o Gryphon?
Se ouviu, o que achou entre eles?
Um forte abraço!

Ryche
05-03-2012, 22:26
Dois povos diferentes:

Bom, como conheco alguns europeus e ja os visitei algumas vezes "em casa", assim como tambem convivo com Americanos no dia a dia.

A grande diferença entre EUA e Europa é que o custo de vida e a competição nao Europa é muito maior, o espaço é reduzido e caro.
Com isto, eles nao gostam muito de errar, europeu para gastar dinheiro com alguma coisa, estuda muito e escolhe o que realmente vale a pena. :tu:

Culturalmente eles tem mais riquesa de percepção nas nuances das "coisas" e a politizacao quanto ao ambito artistico tambem é mais valorizado, ser musico na europa significa ser um artista, fazer uma expressao de sentimentos e as pessoas prestam a atencao nestes detalhes.

Já nos EUA o mercado é mais consumista, estas nuances passam batido, tem que ser algo mais imediatista e descartável (de forma geral).
Nos EUA eu vejo uma maior ansiedade em "testar tudo", pois os aparelhos sao até mais baratos que na Europa, o crédito é infinito, e voce hipoteca sua casa "n" vezes.
Entao, é possivel um balconista da StarBucks ter um dCS Stack em casa com Raidhos C4 empurrados por Halcros cabeados com ODIN... :D
Mas defendendo-os eles realmente tem um mercado incrivel de usados e novos e tem acesso a um universo com muito mais facilidades, isso é inegavel.

Sem querer denegrir os EUA, acho que eles fizeram por merecer o conforto com muito trabalho tambem.

Mas sabe como é aquele Ditado: "Dinheiro na mão é vendaval" :legal:

Por isso, acredito que apesar dos EUA encontrarem o audio high-end por tentativa e erro, o Europeu visita mais salas de concerto... :)

Ryche
05-03-2012, 22:36
Falando de darTZeel,

uma experiência que foi muito importante para mim, como novato, foi meu primeiro contato com o integrado CTH-8550 e cabos de força Valhalla. Achei inicialmente que o integrado não era tudo aquilo que falavam dele. Porém bastou trocar o Valhalla por um Kubala Emotion que as coisas mudaram de figura; em seguida por um Elation, aí sim, o nirvana.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

O Valhalla nao faz milagres, se a eletronica é revelada e uma equalizacao é necessária... é ladeira a baixo. :tu:
Ai é melhor usar cabos que colorem e de alguma forma deixam mais agradáveis.

Eu costumo dizer que os Nordost de forma geral sao como as motos Yamaha Super Esportivas:
Não é para qualquer um que acha que pode pilotar, ELAS escolhem o dono. kkkkk :D

Se sua eletronica tem um "detalhe" ele fica bem transparente, se este "detalhe" é ruim, como diria o Dearing, "I'm so sorry" :D

sergiocurvelo
05-03-2012, 22:43
Ótimo e relevante post do Ryche sobre europeus e americanos.
Bem bacana a percepção! :tu:

elmano
05-03-2012, 22:45
Mas sabe como é aquele Ditado: "Dinheiro na mão é vendaval" :legal: :)

Parabéns, Ryche. Ponto de vista muito bem colocado e de argumentos bem alicerçados.

No entanto, o compositor dessa música que você citou parafraseando o seu raciocínio, quando a compôs quis dizer o seguinte:

"Dinheiro na mão é vendaval, na vida de um sonhador ...

Mas isso, apenas na mão de um sonhador.
Quem tem mesmo dinheiro e não é apenas um sonhador, sabe cuidar muito bem da sua "mufunfa" , sem ocasionar vendavais. kkkkkk

Concorda?

felipsom
05-03-2012, 22:46
OK Ricardo!
MP respondida.
Agradeço pela atenção.
Abs!



Fala aí Luiz Felipe,

enviei-lhe uma MP.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Ricardo Nonato
06-03-2012, 00:34
Ryche,

acho que é muito mais uma questão de sinergia. Será que os Elation iriam colorir tanto assim o sistema?

Mas enfim, acho que você tem razão, o problema devia estar na eletrônica.

Quanto a sua comparação, também acho que você tem razão. Primeiro vou aprender a pilotar para depois comprar uma Yamaha, de repente ela me escolhe!:tu:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



O Valhalla nao faz milagres, se a eletronica é revelada e uma equalizacao é necessária... é ladeira a baixo. :tu:
Ai é melhor usar cabos que colorem e de alguma forma deixam mais agradáveis.

Eu costumo dizer que os Nordost de forma geral sao como as motos Yamaha Super Esportivas:
Não é para qualquer um que acha que pode pilotar, ELAS escolhem o dono. kkkkk :D

Se sua eletronica tem um "detalhe" ele fica bem transparente, se este "detalhe" é ruim, como diria o Dearing, "I'm so sorry" :D

Ryche
06-03-2012, 00:43
Sinergia é mesmo uma coisa complicada, por isso eu evito misturar marcas, nao acredito que somando todos os melhores componentes do mundo, voce consiga o "melhor setup". :tu:

Acho muito melhor voce montar um sistema coerente, onde todos os aparelhos foram projetados já com uma sinergia e uma assinatura sonica "alinhada".

Pelo menos ai, os cabos sao meros coadjuvantes, seu papel é transparecer e nao aparecer.

Quando montamos um "frank" de diversas marcas, conjugar os cabos é um pesadelo, só para quem gosta mesmo, haja paciencia de acertar.

Mas isso é apenas IMHO, nada é impossível, um Frank pode calhar de tocar muito bem :)

Claro, pode acontecer de voce conjugar aparelhos muito transparentes e corretos, mas é muito dificil e extremamente caro, porque voce vai comprar/vender como um americano :D

Ryche
06-03-2012, 00:56
O Valhalla nao faz milagres, se a eletronica é revelada e uma equalizacao é necessária... é ladeira a baixo. :tu:
Ai é melhor usar cabos que colorem e de alguma forma deixam mais agradáveis.

Eu costumo dizer que os Nordost de forma geral sao como as motos Yamaha Super Esportivas:
Não é para qualquer um que acha que pode pilotar, ELAS escolhem o dono. kkkkk :D

Se sua eletronica tem um "detalhe" ele fica bem transparente, se este "detalhe" é ruim, como diria o Dearing, "I'm so sorry" :D

Fui infeliz neste comentário pois nao expliquei o "contexto".

O que eu quis dizer é que ficou um exemplo de que um cabo transparente, nem sempre é o mais indicado, as vezes a fonte é muito analítica e essa transparencia sai pela culatra. :tu:

e quando eu digo "Se sua eletrônica" nao estou me referindo a uma pessoa em específico, leia-se "Se uma eletrônica" em referencia.

Ricardo, nao foi direcionado a voce, o fato de citar realmente foi com o unico intuito de usar como "tema".

Fiz o comentario de forma descuidada e atingi nosso colega de forma muito injusta. :(

Voce sempre foi extremamente cortez e exemplar, realmente me desculpe. :tu:

Ricardo Nonato
06-03-2012, 01:28
Olá Ryche,

entendido perfeitamente.:legal:

Erros de interpretação acontecem... hehehehe!

Atitude exemplar a sua, pode ter certeza!:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

---------- Mensagem adicionada às 01:28 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 01:25 ----------

Ryche,

e agora que entendi, concordo completamente com você! O agradecimento foi meu.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Dearing
06-03-2012, 01:47
Caro Fibra,

Sistema nota 10. O VR9 foi projetado em grande parte pelo Kevin Malgrem, que foi antigamente o braço direito de Albert Von Schweikert, e que é agora o chefe de projetos técnicos de Evolution Acoustics.

O VR9 é one hell of a speaker.


Caro Renato,

O crossover “constant voltage” foi desenvolvido pelo Dick Small, sim. Mas não é simplesmente first-order (6 db. octave). Desculpes para voltar para inglês, mas tenho outras compromissos na vida – segue:

“For the most critical monitoring systems where accurate phase response is desired (and the quality of the drivers warrants it), there is a class of accurate phase crossovers which can be employed. These filters constitute what are known as "constant-voltage" crossovers and their use was first described in detail' by Dick Small, one of the pioneers of scientific loudspeaker design. One example of this class of filters is the filter pair shown in Figure 9. The high-pass filter is an 18 dB/octave Butterworth type. The low-pass signal here is "derived" from the high-pass signal in such a way as to force the sum of the outputs to equal the input signal. This is done by subtracting the highpass signal from the input signal to obtain the low-pass signal. (IF: LOW = IN - HIGH, then: HIGH + LOW = IN.) The resulting low-pass response is a bit unusual in that it has a 4 dB peak at the crossover frequency and a cutoff slope of only 6 dB/octave, but as Figure 10 shows, the summed response has not only a flat amplitude response but a flat phase response as well. Because of this it will do something no other class of filters will do: it will pass a square wave without distorting the shape of the waveform. The filter pair shown in Figure 9 is only representative of the constant-voltage filters since many different filter shapes are possible. In fact, whenever one of the filter outputs is derived from the other as we've described, the constant-voltage characteristic results.

...

In conclusion, we recommend 18 dB/octave Butterworth crossovers for general purpose use in high quality loudspeaker systems. These filters provide an accurate summed response whether the relative polarity of the outputs is inverted or not. However, the inverted polarity connection offers a better phase characteristic than the non-inverted connection. At this point in time the indications are that the phase shift resulting from these crossovers is not generally audible. For critical monitoring where it is felt that accurate phase response is required, constant-voltage crossovers should be employed. Because constant-voltage crossovers sum to provide both flat amplitude and flat phase response, they have a unique capability to pass square waves intact." [Emfase minha].

A fonte é seu primeiro link: http://www.trueaudio.com/st_mr2.htm

Desconcordo com duas coisas aqui. Primeiro, acho que se um designer não vai usar crossover constant voltage, ele/ela deveria ir direito para 4th order puro – não minha opinião, tudo que não é constant voltage falta de naturalidade, mas 4th order tem muitas vantagens vis-à-vis todos os outros (resposta “off-axis” limpa, pouca atividade “out-of-band”). Segundo, ficamos sabendo desde esse artigo, que data de 1980, que mesmo 5 graus de phase shift pode ser audível.

V. escreveu: “Curioso imaginar que seja apenas primeira ordem para uma configuração do tipo WMTMW em face os espaços centro-a-centro de cada uma das 3 vias... se for mesmo, é impossível por razões de ordem física que não tenha uma curva de resposta bem complicada e que ao mesmo tempo imagino que não deve ser o caso.”

Concordo que “é impossível por razões de ordem física que não tenha uma curva de resposta bem complicada” – é um problema desse tipo de crossover. Mas first-order é relativamente comum nos designs MTM (D’Appolito) – Dunlavy e Dynaudio, por exemplo.

Stereophile não fez um review das caixas Evolution (Evolution e Playback não anunciam no Stereophile ... ).

V. escreveu: “O que eu poderia entender a partir do que dizem "Super premium crossover parts and internal wiring.” Do sitio de Evolution Acoustics:

“Only the finest parts are used throughout including reference grade film and foil capacitors, Goertz high purity copper foil inductors, Mills ultra high current 1% tolerance wire wound resistors, and Teflon insulated solid core copper wiring. All of these parts are hand matched and soldered point to point in our constant voltage crossover circuits without the use of thin PCB traces, which restricts current flow.”

Fonte: http://www.evolutionacoustics.com/loudspeakers/philosophy/

Sei que eles usam como fios internos o mesmo condutor, e nos mesmos “gauges” (grossuras), que sao utilizado nos cabos deles.

Veja meus outros comentários abaixo em resposta para Carlos_Carmadella.


Caro Álvaro Coutinho,

Acho que não estou errado em dizer que, em regra geral, tem menos pessoas na Europa que são realmente ricas, e que eles tem menos espaço para montar sistemas extremos. Veja meus outros comentários abaixo.

Meu comentário sobre “ignorância total” no Brasil – não foi só uma pessoa, porque meus 3 amigos audiofilos brasileiros não sabiam disso, mesmo sabendo muitas outras coisas sobre hi-fi. Mas 3 pessoas não são “o Brasil” – V. tem razão e sou culpado.


Caro Carlos_Carmadella,

Não tenho certeza se é esse modelo de Accuton, mas sei que esse autofalante é, depois, modificado pela Evolution.

O tweeter não é o Aurum Cantus G3 – é um dos mais baratos. Numa caixa desse nível, é assustador que eles não tenham usado o melhor modelo de Aurum Cantus, mas eles escolheram um modelo mais modesto porque o “decay” fica idêntico ao “decay” do autofalante Accuton.

Não me lembro qual é o crossover point entre o tweeter e o mids, mas me lembro que fica relativamente baixo. Sei isso porque minha preocupação com essa caixa foi “lobing”, ou seja, a tendência de um autofalante médio grande de “direcionar” as frequências altas como uma lanterna – se V. não esta dentro da luz da lanterna, V. não escuta essas frequências. Perguntei sobre isso, e eles me explicaram que uma das razoes que o crossover point fica relativamente baixo foi por isso.

Minha outra preocupação com a caixa MMTwo / MMThree foi o fato que tem 2 autofalantes médios – neste caso, sempre vai ter “comb filtering”, ou seja, o som de cada um dos 2 autofalantes médios esta interferindo com o outro por causa do fato que eles estão reproduzindo as mesmas frequências. Isso sempre vai ser um problema com caixas que tem 2 médios, e por isso, não vale a pena ter um segundo autofalante médio na minha opinião – só vai ganhar mais 3 db. de volume.

Dito isso, gosto muito das minhas MMTwo. :)


Caro Ricardo Nonato,

Concordo plenamente que a sinergia é a coisa mais importante.


Caro Hanna,

Segue a sala e o sistema atual de “Lavigne” (Evolution Acoustics MMThree, power e pre darTZeel, power valvulado DHT, Playback Designs MPS-5, toca-discos NVS + braco Durand):

http://forum.audiogon.com/cgi-bin/fr.pl?vaslt&1036349020


Caro Ryche,

Vou copiar sua mensagem e fazer comentários dentro, em LETTRAS MAIUSCULAS:

Dois povos diferentes:

Bom, como conheço alguns europeus e já os visitei algumas vezes "em casa", assim como também convivo com Americanos no dia a dia.

A grande diferença entre EUA e Europa é que o custo de vida e a competição não Europa é muito maior, o espaço é reduzido e caro.

COMCORDO COM TUDO, MAS “a competição não Europa é muito maior”?? EM QUAIS SENTIDOS?

Com isto, eles não gostam muito de errar, europeu para gastar dinheiro com alguma coisa, estuda muito e escolhe o que realmente vale a pena.

ESTA CERTO.

Culturalmente eles tem mais riqueza de percepção nas nuances das "coisas" e a politização quanto ao âmbito artístico também é mais valorizado, ser musico na Europa significa ser um artista, fazer uma expressão de sentimentos e as pessoas prestam a atenção nestes detalhes.

DIFICIL GENERALISAR, MAS VEJO O QUE V. ESTA DIZENDO. MINHA EXPERIENCIA E QUE PESSOAS ALTAMENTE FORMADAS MORANDO EM LONDRES, NEW YORK, PARIS, BERLIM, ETC., SAO BEM PARICIDAS.

Já nos EUA o mercado é mais consumista, estas nuances passam batido, tem que ser algo mais imediatista e descartável (de forma geral).

V. ESTA FALANDO DO NORTE-AMERICANO TIPICO. NOSSA ELITE, QUE MORA EM NEW YORK, O BAY AREA, ETC., E MAIS COMPLICADA DO QUE ISSO.

Nos EUA eu vejo uma maior ansiedade em "testar tudo", pois os aparelhos são até mais baratos que na Europa, o crédito é infinito, e você hipoteca sua casa "n" vezes.

UMA HIPOTECA NA CASA NOS EUA E FEITA PARA RAZOES FISCAIS – PODEMOS DEDUZIR OS JUROS PAGOS NAS HIPOTECAS. ASSIM, VALE A PENA EMPRESTAR O MAXIMO POSSIVEL, ESPECIALMENTE PORQUE TEMOS POUCAS OUTRAS DEDUCOES. MAS ACHO QUE V. ESTA FALANDO DA CLASSE MEDIA, QUE FAZ SEGUNDAS E TERCEIRAS HIPOTECAS – FAZEM ISSO PORQUE OS SALARIOS ESTAGNARAM HA 20 ANOS, MAS OS CUSTOS NAO PAREM DE SUBIR. NAO E UMA JUSTIFICAO – E UMA EXPLICACAO.

Então, é possível um balconista da StarBucks ter um dCS Stack em casa com Raidhos C4 empurrados por Halcros cabeados com ODIN...

BALCONISTA, NAO, MAS O GERANTE, PODE SER.

Mas defendendo-os eles realmente tem um mercado incrível de usados e novos e tem acesso a um universo com muito mais facilidades, isso é inegável.

MUITO MAIS QUE NA EUROPA - :)

Sem querer denegrir os EUA, acho que eles fizeram por merecer o conforto com muito trabalho também.

Mas sabe como é aquele Ditado: "Dinheiro na mão é vendaval"

Por isso, acredito que apesar dos EUA encontrarem o áudio high-end por tentativa e erro, o Europeu visita mais salas de concerto...

EM REGRA GERAL, SIM, MAS A ELITE NOS EUA, ESPECILEMENTE AS QUE MORAM EM NEW YORK, PASSAM MUITO TEMPO NAS SALAS DE CONCERTO.

UM “OFF-POINT” – DO PONTO DE VISTO SOCIOLOGICO, E IMPORTANTE QUE VV. SAIBAM QUE NEW YORK (MANHATTAN) E BEM DIFERENTE DO QUE O RESTO DOS EUA.

NORDOST VALHALLA – MUITO BOM, MAS MUITO “OVERPRICED”.

georgemg1
06-03-2012, 07:28
Bem , tenho um antigo conhecido de emails pois tinhamos sistemas parecidos pois usamos merlin +audiopax, ele mora em SP e é americano tambem, e tem uma evolution accustics MMtwo tambem usando os audiopax 88 , provalvelmente neste fim de semana passado escutou os maggiore com as MMtwo, ou seja não é so uma MM3 que temos no Brasil, mas diferente do Dearing ele sempre usou audiopax como amplificador, e após escutar os maggiore ano passado me disse que ficou impresionado, interessante que ele me disse que pensou nas Tidal antes mas escolher as EA por motivo que casam bem com SET( eu fiz a escolha inversa, mas não comprei ainda),olhando por este prisma parece que há gostos e gostos, mas eventualmente as preferencias convergem, após escutar as MMminitwo na RMAF 2010 não tenho duvidas é uma fantastica caixa de som, para mim e outro que escutou comigo o melhor som daquela feira, então a questão de preferencia ainda é de maior relevancia se não a mais importante, este amigo prefere SET e não Dartzel para suas EA, mas isto não vai de encontro ao Dearing pois o mesmo falou que outros preferem valvulas.
Renato e C_Carmadella fiquei impresionado com o conhecimento técnico de voces.:legal:

Uma pergunta ao Dearing, há uns 8 anos atras era comum ver no audiogon cabos da Jena Labs a venda, me parece que diminuiu esta oferta , tem algum motivo para isto?

Renato
06-03-2012, 10:00
Dearing,


Desconcordo com duas coisas aqui. Primeiro, acho que se um designer não vai usar crossover constant voltage, ele/ela deveria ir direito para 4th order puro – não minha opinião, tudo que não é constant voltage falta de naturalidade, mas 4th order tem muitas vantagens vis-à-vis todos os outros (resposta “off-axis” limpa, pouca atividade “out-of-band”). Segundo, ficamos sabendo desde esse artigo, que data de 1980, que mesmo 5 graus de phase shift pode ser audível.


Definição de um crossover tem muitas variáveis para tentar forçar um dado tipo de slope/corte, na verdade, tirando alguns desejos e metas de quem os projetou, os filtros são muito mais consequencia do que razão. Um detalhe curioso é que não podemos confundir resposta acústica com elétrica, pois você pode ter uma resposta acustica de um solpe de quarta ordem usando um filtro elétrico de segunda ordem, vai depender apenas dos componentes utilizados, se você reparar com calma, muitas caixas vem com o texto "Filtro com resposta acústica de quarta ordem..."





Concordo que “é impossível por razões de ordem física que não tenha uma curva de resposta bem complicada” – é um problema desse tipo de crossover. Mas first-order é relativamente comum nos designs MTM (D’Appolito) – Dunlavy e Dynaudio, por exemplo.


Isso não é um problema desse tipo de crossover, isso PODE ser um problema em face da configuração adotada, como é o caso de nosso exemplo e na verdade, por isso que fiquei tão curioso em relação a topoligia adotada e ao mesmo tempo surpreso com o que não temos de informações.



“Only the finest parts are used throughout including reference grade film and foil capacitors, Goertz high purity copper foil inductors, Mills ultra high current 1% tolerance wire wound resistors, and Teflon insulated solid core copper wiring. All of these parts are hand matched and soldered point to point in our constant voltage crossover circuits without the use of thin PCB traces, which restricts current flow.”


Traduzindo para o português: Montagem Teia de Aranha :) :D





Não tenho certeza se é esse modelo de Accuton, mas sei que esse autofalante é, depois, modificado pela Evolution.


Fato ou Marketing ?





O tweeter não é o Aurum Cantus G3 – é um dos mais baratos. Numa caixa desse nível, é assustador que eles não tenham usado o melhor modelo de Aurum Cantus, mas eles escolheram um modelo mais modesto porque o “decay” fica idêntico ao “decay” do autofalante Accuton.


ok, tudo tem que ter uma resposta não?





Não me lembro qual é o crossover point entre o tweeter e o mids, mas me lembro que fica relativamente baixo. Sei isso porque minha preocupação com essa caixa foi “lobing”, ou seja, a tendência de um autofalante médio grande de “direcionar” as frequências altas como uma lanterna – se V. não esta dentro da luz da lanterna, V. não escuta essas frequências. Perguntei sobre isso, e eles me explicaram que uma das razoes que o crossover point fica relativamente baixo foi por isso.


Minha outra preocupação com a caixa MMTwo / MMThree foi o fato que tem 2 autofalantes médios – neste caso, sempre vai ter “comb filtering”, ou seja, o som de cada um dos 2 autofalantes médios esta interferindo com o outro por causa do fato que eles estão reproduzindo as mesmas frequências. Isso sempre vai ser um problema com caixas que tem 2 médios, e por isso, não vale a pena ter um segundo autofalante médio na minha opinião – só vai ganhar mais 3 db. de volume.




Não é simples assim, o "lobing" nada mais é que a consequência de uma lei básica onde é imposto que duas fontes não podem reproduzir a mesma frequência quando a distância entre eles é maior do que a propria onda sonora reproduzida. Esse motivo é que me gerou tanta curiosidade e que até agora não tive resposta, tente me acompanhar. Cortando baixo eles não podem, pois o tweeter não suportaria, ainda mais nem sendo o modelo top da AC e pior ainda se for com slope de primeira ordem. Cortando alto eles também não podem (poder podem tudo né? :) ) pois por isso fiz aquelas continhas do espaço entre os mids, haveria por razões básicas uma penca de "lobing" e por isso que em configurações desse tipo, ou se usam mids bem pequenos para reduzir os espaço center-to-center ou se usam 1/2 via a mais nos cortes, garantindo que apenas 1 dos mids suba e evitando os cancelamentos com pico e vales em consequencia dos "lobings"...








Dito isso, gosto muito das minhas MMTwo.


Gostaria de reforçar que em momento algum quero menosprezar seja a caixa ou seus ouvidos, pelo contrário, apenas fiquei curioso por saber qual solução adotaram para lidarem com situações básicas no arranjo dos alto-falantes, alguma de ordem de física básica. Por outro lado, acho muito "sem noção" (gíria carioca) uma caixa desse porte não ter as informçaões básicas as quais eu e muitos devem ter como dúvidas e que até agora, mesmo você sendo dono de uma não conseguiu sequer sair do ponto inicial...


E querendo ou não, me leva a um quetionamento de ordem pessoal, onde vejo com facilidade pelos seus posts um embasamento teórico e prático pesado (não importa se eu concorde ou não) sobre toda a cadeia do audio, onde nesse tópico você falou com convicção sobre cabos, elétrica, fontes e power, mas sobre a caixa, apenas que "tocam bem" e que verdade seja dita, é o que importa não?


Que o Brasil seja muito generoso enquanto estiver por aqui, em outras palavras, curta o Brasil que apesar de tudo é maravilhoso!


Abração,


Renato

Dearing
06-03-2012, 11:01
Caro George,

Eu ate disse que eu prefiro meu power valvulado DHT em vez de meu power darTZeel. Mas os monoblocks Audiopax de seu amigo "americano” (ele é inglês) em São Paulo, que tem caixas Evolution Acoustics MMTwo, são SET, quanto meu power valvulado DHT é push/pull.

Não sei porque tem menos Jena Labs para vender no Audiogon.


Caro Renato,

Vou tentar ligar hoje para Kevin Malgrem de Evolution para tentar receber respostas. As vezes, fabricantes nos EUA não divulguem coisas como, por exemplo, tipos de crossovers ou crossover points, para razoes comerciais. Acho que Wilson, por exemplo, não fala do tipo de crossovers que eles usam, mas divulguem outras informações, como crossover points. Acho que os fabricantes fazem (ou não fazem) isso para evitar a confusão que pode chegar nas revistas ou no Audiogon – os vários aspectos de um design podem ser o alvo de criticas nas revistas ou ataques vitriólicos no Audiogon, coisa que pode limitar as vendas. O comportamento dos foristas no Audiogon é bem mais agressiva do que aqui, e como a gente fala, “Você nunca deveria entrar em um debate com um tolo, porque os que assistam talvez não vão entender a diferencia”.

No que diz respeito “fato ou marketing”, vai ser fato. Conhece esses caras – nao tem pessoas mais serias.

Dennis
06-03-2012, 11:30
(...) Os autofalantes Audio Technology sao muito caros e sao da mais alta qualidade (...) Eu tentei meu power darT com as caixas Raidho que usam os mesmos autofalantes, e foi, de longe, o pior casamento que já vi com meu darT. O efeito de “cheio” foi excessivo.Cumpre-me esclarecer que já faz mais de 6 anos que cessou a colaboração entre a Audio Technology e a Raidho, que se limitou às caixas acústicas da antiga linha "Eben", há muito descontinuada. Todos os autofalantes da Raidho, desde a linha "X" e incluindo a linha "C" são feitos "em casa". :tu:

carlos_camardella
06-03-2012, 12:02
Não tenho certeza se é esse modelo de Accuton, mas sei que esse autofalante é, depois, modificado pela Evolution.

O tweeter não é o Aurum Cantus G3 – é um dos mais baratos. Numa caixa desse nível, é assustador que eles não tenham usado o melhor modelo de Aurum Cantus, mas eles escolheram um modelo mais modesto porque o “decay” fica idêntico ao “decay” do autofalante Accuton.

Não me lembro qual é o crossover point entre o tweeter e o mids, mas me lembro que fica relativamente baixo. Sei isso porque minha preocupação com essa caixa foi “lobing”, ou seja, a tendência de um autofalante médio grande de “direcionar” as frequências altas como uma lanterna – se V. não esta dentro da luz da lanterna, V. não escuta essas frequências. Perguntei sobre isso, e eles me explicaram que uma das razoes que o crossover point fica relativamente baixo foi por isso.

Minha outra preocupação com a caixa MMTwo / MMThree foi o fato que tem 2 autofalantes médios – neste caso, sempre vai ter “comb filtering”, ou seja, o som de cada um dos 2 autofalantes médios esta interferindo com o outro por causa do fato que eles estão reproduzindo as mesmas frequências. Isso sempre vai ser um problema com caixas que tem 2 médios, e por isso, não vale a pena ter um segundo autofalante médio na minha opinião – só vai ganhar mais 3 db. de volume.




Cortando baixo eles não podem, pois o tweeter não suportaria, ainda mais nem sendo o modelo top da AC e pior ainda se for com slope de primeira ordem. Cortando alto eles também não podem (poder podem tudo né?) pois por isso fiz aquelas continhas do espaço entre os mids, haveria por razões básicas uma penca de "lobing" e por isso que em configurações desse tipo, ou se usam mids bem pequenos para reduzir os espaço center-to-center ou se usam 1/2 via a mais nos cortes, garantindo que apenas 1 dos mids suba e evitando os cancelamentos com pico e vales em consequencia dos "lobings"...



Caros Dearing e Renato,

Em primeiro lugar, gostaria também de ressaltar que não estou questionando a qualidade das caixas Evolution, mas, assim como o Renatão, estou interessado nas soluções técnicas realmente adotadas face à falta de informações e, IMHO, um certo "hype" presente no "site" do fabricante.

Continuando, eu acho que uso de um Ribbon de um fabricante o qual nem o melhor modelo deles pode ser considerado "top" entre os melhores ribbons não é demérito, pois alguns modelos Von Schweikert também usam Aurum Cantus e são caixas extraordinárias, e eu sinceramente prefiro um G3 ou semelhante do que algum modelo Scan-Speak ring radiator (que estão entre os melhores e mais caros tweeters de bobina móvel do mundo)... Ribbon bem feito, é ribbon, "paragraph". São excelentes tweeters, mas perdem para os melhores ribbon, como os Raven e Raal, por exemplo.

Mas o fato é que, independente de ser um tweeter da linha G ou da linha APR mais baratinha e mais fraca, todos eles têm freq. de crossover mínima acima de 2kHz @ 12dB/oitava de "slope", mas sendo claramente recomendado pelos "application notes" o uso de 18dB/oitava. Com 24dB se poderia, com muito esforço, chegar em torno dos 1500Hz em qualquer modelo Aurum Cantus, porém menos do que isso seria pedir demais para um ribbon puro. Nessa frequência de corte, poderíamos usar uma distância inter-centros de aproximadamente 230mm de um dos médios para o ribbon.

Considerando-se o uso de apenas um mid, a coisa ficaria bem ruim. Um corte em 1500Hz com 24dB/oitava (Linkwitz) e distância inter-centros de 230mm vai lhe causar 0dB (!) de resposta off-axis na vertical com ângulos maiores que 30 graus de inclinação na freq. de corte. Isso mesmo, acima de 30 graus de desvio dos seus ouvidos, para cima ou para baixo em relação ao centro do tweeter, você não ouvira nada, por cancelamento, em frequências em torno dos 1500Hz (+/250Hz), isso significa um grande buraco na resposta entre 1250Hz e 1750Hz ! E as únicas soluções, sem mexer em espaçamento, seriam dividir por 2 a freq. de corte (750Hz num ribbon puro ???) ou multiplicá-la por 2 (3kHz), mas aí você já "cola" no roll-out dos midranges e começa o “lobbing” , e se apenas mudarmos o slope do filtro para 18dB/oitava ou 6dB/oitava (filtros de órdem ímpar) o lobbing também aparece, além do fato de quem trabalha com ribbons saber que um falante de bobina móvel tem que ter um grande "overlap" com um ribbon para não prejudicar a integração no quesito “velocidade”, “aceleração”, que pode ser vislumbrado facilmente nos “waterfalls”. O certo seria usar mids menores...

Porém, ao adotar a configuração MTM, e mantido o arranjo geométrico de 230mm de espaçamento entre os mids e o ribbon, porém com o corte em 18dB/oitava em 1500Hz, os cancelamentos em torno de 1500Hz e acima de 30 graus caem para níveis aceitáveis (algo em torno de -3dB) e o lobbing some (isso não ocorre com 24dB/oitava) mas aparecem fortes cancelamentos de mais de 6dB SPL em torno dos 375 Hz (= 1500 Hz/4), pela emissão simultânea dos dois mids, que pode ser encarado como o "comb filtering" que você falou. Com "slope" de 6dB ficaria em tese excelente e você poderia reproduzir uma onda quadrada de qualquer frequência nos médios e agudos, mas não dá para cortar tão baixo assim um ribbon sem sacrificar a potência real da caixa...

Seria interessante mesmo a opinião do projetista, se ele se dispuser aos esclarecimentos.

Um abraço,
C.A.

Ryche
06-03-2012, 14:01
pois é, no começo a Raidho usou até falantes da Dynaudio (é só ver no forum da Raidho, tem fotos deles) pelo que eu vi, eram aqueles cones pretos, aquelas caixas nao tem nem na aparencia o parentesco com as atuais...

Dearing
06-03-2012, 15:29
Caro Carlos_Carmadella,

Acabei de falar com o dono de Evolution Acoustics, Jonathan Tinn, sobre alguns pontos técnicos das MMTwo / MMThree.

Ele falou que o autofalante Accuton no seu post não é o que eles utilizam. O Accuton nos MMTwo / MMThree é feito sob medido pelo Accuton para Evolution e é bem diferente do qualquer outro Accuton off-the-shelf ou OEM.

Ele disse que o Aurum Cantus que eles usam é OEM e é disponível para outros fabricantes, mas provavelmente não vai ser disponível nos lugares DIY como Madisound.

A única outra coisa que ele queria falar foi que eles lidaram muito bem com os “break-up modes” dos autofalantes.

Como outros fabricantes que não divulgam certas informações técnicas (como, p.e., Wilson), eles não falam dos crossover points ou das detalhes do constant voltage crossover. Ele falou que se V. tem pergunta especificas, V. pode enviar um e-mail para eles e eles vão lhe responder no medido do possível (“sem lhe dar as chaves da loja”, como a gente fala).

asiufy
06-03-2012, 20:01
Ryche,

Não posso concordar com a sua afirmação. Não se trata de colocação, e sim subtração. E é isso que o Valhalla faz.


alexandre

Hanna
06-03-2012, 22:54
Ryche,

No meu entender, não existe cabo, eletrônica, fonte, elétrica, sala ou acústica que não dê um certo grau de cor ao som ou seja, possua uma assinatura sônica. Embora alguns, possuam maior ou menor grau de neutralidade. Acredito que a sinergia acontece, quando ocorre uma complementação entre as características positivas de determinados equipamentos e minimização dos aspectos negativos. Tentar corrigir problemas de um equipamento com outro equipamento, geralmente não dá boa coisa. O ideal seria então a complementação e não a correção na composição dos equipamentos.

Conheço bem os valhallas e estes também possuem algumas características que observei usando diferentes equipos. Dentre as inúmeras qualidades acho que destacam-se a velocidade, transparência, extensão, controle e articulação dos graves e micro/macrodinâmica excepcional. Como "defeito", acho que possuem a região média um pouco magra e uma certa dureza nos extremos agudos. Entretanto, olhando por uma outra perspectiva, tanto os "defeitos" quanto as "qualidades" podem ser desejáveis ou indesejáveis.

Vou citar o meu caso. Coloquei uma cadeia de valhallas (interconnects e cabos de caixa) no meu sistema, Indicados pelo Eduardo Lima (além do conselho do Hugo, que chamou a atenção, para a sinergia dos valhallas com valvulados), e o resultado foi espetacular. Melhorou muito o equilíbrio tonal, uma vez que os audiopax possuem a região média maravilhosa e os valhallas possuem extensão e "magreza" nos médios. Ganhei muito controle e articulação nos graves com os valhallas, que faltavam um pouco nos audiopax. O harsh nos extremos agudos dos valhallas foi perfeitamente domado, pela docilidade dos audiopax. A velocidade e transparência ficaram espantosas para um valvulado.

Posteriormente, peguei 2 PC valhalla do Dennis e experimentei tanto na fonte e pré, quanto nos powers. Resultado: passou do ponto. A transparência virou analítica, o harsh nos agudos começou a incomodar. Já não conseguia ouvir qualquer disco. Tinha que ser muito bem gravado e mesmo assim discos que considerava bem gravados, mostraram seus defeitos. Se tivesse colocado 4 PCs, talvez tivesse arrumado problemas mais graves. Entretanto, muitos outros aspectos melhoraram, principalmente a micro/macrodinâmica, o corpo dos instrumentos, velocidade de Yamaha super, super esportiva......

Mas sai de uma situação de equilíbrio para algo instável, no qual tanto os aspectos positivos quanto os negativos, estavam chamando a atenção para si. Perdi um pouco a Gestalt.

Notei que os Audio Research, possuíam algo dos valhalla: médios um pouco secos e alguma dureza nos agudos. Tinha um interconnect siltech SQ 48 antigo e cometi a heresia de colocá-los entre as fontes e o pré. Resultado tudo piorou, com exceção dos médios e dos agudos que ficaram ligeiramente mais "dóceis". Adquiri um par de Forbes Lake, coloquei na mesma posição. Mantive assim, todos os benefícios dos outros valhallas que continuavam no circuito e ganhei mais equilíbrio tonal, organicidade e naturalidade. Estou gostando muito do resultado.

Disse tudo isso, para mostrar que com pesquisa, experimentações, troca de informações entre colegas de hobby, intuição e muito jogo de cintura, dá para combinar equipamentos de marcas diferentes, com resultados, às vezes, mais satisfatórios que manter tudo da mesma linha; e sem gastar os tubos. Pelo menos, não todos os tubos. :lol:

Pelo menos foi a minha experiência. :)

---------- Mensagem adicionada às 22:54 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 22:46 ----------


Caro George,

Eu ate disse que eu prefiro meu power valvulado DHT em vez de meu power darTZeel. Mas os monoblocks Audiopax de seu amigo "americano” (ele é inglês) em São Paulo, que tem caixas Evolution Acoustics MMTwo, são SET, quanto meu power valvulado DHT é push/pull.

Na verdade os audiopax 88, são single end pentode, pois usam 2 KT 88 no estágio de saída. Tocam parecido com SET. O fabricante tinha uma sigla chamada PTS (perfect triode simulation) que agora chama de IDES.

Do manual:

IDS: Para entender o conceito do IDS® devemos recuar ao início do cinema
falado, quando foram criados os primeiros amplificadores utilizando
válvulas 300B. Devido à sua qualidade tímbrica única, foram “redescobertos”
pelo mundo do áudio por volta da última década do século XX. Os primeiros
projetos da AUDIOPAX utilizavam exatamente as 300B, logo substituídas
pelo LM3, circuito que emulava o mesmo encanto desses dispositivos com
válvulas diferentes. No entanto, junto com suas reconhecidas qualidades na
região média, as 300B tinham algumas desvantagens, principalmente nos
extremos da faixa. Surge então uma idéia desafiadora: se é possível emular
uma válvula específica, por que não emular uma válvula ideal para áudio?
Uma válvula que nunca existiu e que agregasse toda a magia das 300B, a
dinâmica das 845/211, a transparência das 2 A 3 e o timbre perfeito das
45? O desafio foi vencido com o IDS - “Ideal Device Simulator”, que faz do
Model 88 A3 o único amplificador valvulado single ended que utiliza uma
válvula dos sonhos jamais produzida - o Triodo Ideal para Áudio.


Abrçs

Ricardo Nonato
06-03-2012, 23:20
Boa noite pessoal,

algum amigo chegou a testar e verificar diferenças no pré darTZeel utilizando-o somente pela bateria e com a alimentação elétrica AC? Quais foram as maiores diferenças audíveis?


Grande abraço a todos,
Ricardo Nonato.

RockAndRoll
06-03-2012, 23:43
Ryche,

No meu entender, não existe cabo, eletrônica, fonte, elétrica, sala ou acústica que não dê um certo grau de cor ao som ou seja, possua uma assinatura sônica. Embora alguns, possuam maior ou menor grau de neutralidade. Acredito que a sinergia acontece, quando ocorre uma complementação entre as características positivas de determinados equipamentos e minimização dos aspectos negativos. Tentar corrigir problemas de um equipamento com outro equipamento, geralmente não dá boa coisa. O ideal seria então a complementação e não a correção na composição dos equipamentos.

Conheço bem os valhallas e estes também possuem algumas características que observei usando diferentes equipos. Dentre as inúmeras qualidades acho que destacam-se a velocidade, transparência, extensão, controle e articulação dos graves e micro/macrodinâmica excepcional. Como "defeito", acho que possuem a região média um pouco magra e uma certa dureza nos extremos agudos. Entretanto, olhando por uma outra perspectiva, tanto os "defeitos" quanto as "qualidades" podem ser desejáveis ou indesejáveis.

Vou citar o meu caso. Coloquei uma cadeia de valhallas (interconnects e cabos de caixa) no meu sistema, Indicados pelo Eduardo Lima (além do conselho do Hugo, que chamou a atenção, para a sinergia dos valhallas com valvulados), e o resultado foi espetacular. Melhorou muito o equilíbrio tonal, uma vez que os audiopax possuem a região média maravilhosa e os valhallas possuem extensão e "magreza" nos médios. Ganhei muito controle e articulação nos graves com os valhallas, que faltavam um pouco nos audiopax. O harsh nos extremos agudos dos valhallas foi perfeitamente domado, pela docilidade dos audiopax. A velocidade e transparência ficaram espantosas para um valvulado.

Posteriormente, peguei 2 PC valhalla do Dennis e experimentei tanto na fonte e pré, quanto nos powers. Resultado: passou do ponto. A transparência virou analítica, o harsh nos agudos começou a incomodar. Já não conseguia ouvir qualquer disco. Tinha que ser muito bem gravado e mesmo assim discos que considerava bem gravados, mostraram seus defeitos. Se tivesse coloca 4 PC, tivesse arrumado problemas mais graves. Entretanto, muitos outros aspectos melhoraram, principalmente a micro/macrodinâmica, o corpo dos instrumentos, velocidade de Yamaha super, super esportiva......

Mas sai de uma situação de equilíbrio para algo instável, no qual tanto os aspectos positivos quanto os negativos, estavam chamando a atenção para si. Perdi um pouco a Gestalt.

Notei que os Audio Research, possuíam algo dos valhalla: médios um pouco secos e alguma dureza nos agudos. Tinha um interconnect siltech SQ 48 antigo e cometi a heresia de colocá-los entre as fontes e o pré. Resultado tudo piorou, com exceção dos médios e dos agudos que ficaram ligeiramente mais "dóceis". Adquiri um par de Forbes Lake, coloquei na mesma posição. Mantive assim, todos os benefícios dos outros valhallas que continuavam no circuito e ganhei mais equilíbrio tonal, organicidade e naturalidade. Estou gostando muito do resultado.

Disse tudo isso, para mostrar que com pesquisa, experimentações, troca de informações de colegas, intuição e muito jogo de cintura, dá para combinar equipamentos de marcas diferentes, com resultados mais satisfatórios que manter tudo da mesma linha; e sem gastar os tubos.

Pelo menos foi a minha experiência. :
Abrçs

Muito bem feitas suas ponderações, Marcelo. Nesse nosso meio nada substitui as experiências, que, neste caso, batem com as minhas.

Lellis
07-03-2012, 02:47
Coloquei uma cadeia de valhallas (interconnects e cabos de caixa) no meu sistema, Indicados pelo Eduardo Lima (além do conselho do Hugo, que chamou a atenção, para a sinergia dos valhallas com valvulados), e o resultado foi espetacular. Melhorou muito o equilíbrio tonal, uma vez que os audiopax possuem a região média maravilhosa e os valhallas possuem extensão e "magreza" nos médios. Ganhei muito controle e articulação nos graves com os valhallas, que faltavam um pouco nos audiopax. O harsh nos extremos agudos dos valhallas foi perfeitamente domado, pela docilidade dos audiopax. A velocidade e transparência ficaram espantosas para um valvulado.

Posteriormente, peguei 2 PC valhalla do Dennis e experimentei tanto na fonte e pré, quanto nos powers. Resultado: passou do ponto. A transparência virou analítica, o harsh nos agudos começou a incomodar. Já não conseguia ouvir qualquer disco. Tinha que ser muito bem gravado e mesmo assim discos que considerava bem gravados, mostraram seus defeitos. Se tivesse colocado 4 PCs, talvez tivesse arrumado problemas mais graves. Entretanto, muitos outros aspectos melhoraram, principalmente a micro/macrodinâmica, o corpo dos instrumentos, velocidade de Yamaha super, super esportiva......

Mas sai de uma situação de equilíbrio para algo instável, no qual tanto os aspectos positivos quanto os negativos, estavam chamando a atenção para si. Perdi um pouco a Gestalt.

Caro Marcelo,

Muito interessante seu relato. Enviei uma MP.

Renato
07-03-2012, 10:11
Dearing,

Muito obrigado por todo esforço em tentar nos responder, falando inclusive com o fabricante! :tu:

Esse episódio de certa forma só aumenta a minha "crença" quanto a fragilidade (ou seria o inverso?) do mercado do áudio de altíssima performance, ninguém de fato quer fornecer a "Chave da sala" nem que fosse apenas para visitação, mas não hesitam em deixar todas as "Chaves dos caixas" penduradas no portão da rua acessível para qualquer um pegar... :) :D

Veja o seu sistema, que deve ser um espetáculo e te permite um conhecimento pleno e avançado de quase todos os elos, digo quase, pois chegando nas caixas, infelizmente não há como falar nada, literalmente, "apenas" que tem uma performance excelente.

Acredito que mercado algum tenha esse tipo de coisa, seja de carros, de fotografias, de aviação, lanchas e etc...

Mais uma vez, muito obrigado por toda a disponibilidade e atenção,

Forte abraço,

Renato

carlos_camardella
07-03-2012, 10:28
Prezado Dearing,

Junto-me ao Renato no agradecimento pelos seus esforços em tentar sanar nossas dúvidas !!!

Como o fabricante certamente não vai querer nos explicar justamente o que desejamos saber, que são os meios técnicos os quais eventualmente foram empregados para contornar os problemas que apontamos, acho que não adiantaria insistir no assunto diretamente com a fábrica.

Mais uma vez confirma-se que muitos no mundo high-end vivem ou sobrevivem por meio de segredos que seriam inaceitáveis em outros ambientes, confiando o sucesso ou fracasso de seus produtos simplesmente nas qualidade sensoriais dos compradores e formadores de opinião.

Isso tem um lado bom, que é quando se consegue atingir um nível de resolução suficientemente alto e uma sonoridade que agrade a muita gente quando conectado a determinados aparelhos famosos, mas o lado ruim vem no caso de se ter um produto excelente que você não consegue comprovar que é excelente, já que não tem informação técnica alguma, no caso de não ter "sinergia" com alguns aparelhos famosos, quando na verdade esses aparelhos famosos é que não são lá isso tudo...

Eu acho um risco grande, pois se seu produto estiver "na moda" você vai ao céu; porém, se sair de moda, o inferno é logo ali. Também por isso muitos fabricantes de excelentes produtos foram a pique ao adotar essa estratégia. Mas, enfim, esse mercado é assim, até porque não falta quem queira copiar um bom produto :tu:

Um grande abraço e obrigado !
C.A.

Matheus.M
07-03-2012, 13:18
Entendo que este é o tópico a respeito do Dartzeel mas achei interessante postar a avalição dada pelo Andrette sobre as Evolution MMThree na edição deste mês da AV:

http://i39.tinypic.com/14t4xue.jpg


:rever1:


Abraço,

Matheus

Dearing
07-03-2012, 14:12
Caro Ricardo Nonato,

O desempenho do pre darTZeel em modo bateria e modo A/C? Perguntei para meu melhor amigo de hi-fi que tem o pre darT ha 4 anos. Ele disse que o desempenho com baterias é “um pouquinho melhor – um pouquinho mais ‘relaxado’ e ‘fluido’, e neste sentido, um pouquinho mais natural”. Mas ele ressaltou que “o desempenho fica nota 10 nos 2 casos” e que o pre darT só sai do “modo bateria” depois de umas 12 horas de uso continuo. Segue o sistema dele:

http://forum.audiogon.com/cgi-bin/fr.pl?vaslt&1065030431

Caro todos,

O “review” das caixas Evolution Acoustics MMThree esta disponível na Internet – cheguei a fazer um “download” sem problemas. Segue ...

sergiocurvelo
07-03-2012, 16:36
Essa caixa deve ser um ponto muito, mas muito fora da curva. Não é coisa pra qualquer brasileiro. Sensacional.
Vou aguardar o lançamento e os reviews das MMMicro One e Two. Só tenho receio de como se comportarão seus graves.
Desculpe o off topic.

Sphinx
07-03-2012, 20:11
Dentre tantas qualidades desta caixa estupenda, uma coisa sensacional e muito conveniente é o sistema modular, onde vc pode comprar as caixas mais simples e depois ir acrescentando as restantes até se tornar uma MMThree, é isso mesmo, será que entendi direito?
Sergiocurvelo, com efeito, deve ser extremamente cara, só pelo peso e a logística do transporte, deve ser um pesadelo. No final a revista nem diz o preço, o que já é prática comum em se tratando de caixas superlativas como estas.

sergiocurvelo
07-03-2012, 21:10
Sphinx,
Vou dar uma chutada, mas sem fugir muito do valor certo..
Ela deve chegar aqui por uns 150 mil reais.

cesar miranda
07-03-2012, 23:17
Sphinx,
Vou dar uma chutada, mas sem fugir muito do valor certo..
Ela deve chegar aqui por uns 150 mil reais.


Sergiao se custar so isso eu compro duas kakakakaka.

Abs

sergiocurvelo
08-03-2012, 00:06
Sergiao se custar so isso eu compro duas kakakakaka.

Abs

Hahahahaha
Depois te mando o endereço pra mandar uma pra mim!!

Lellis
08-03-2012, 00:14
Por todos os comentários (da Cavi e dos sites de Audio pelo mundo) e depoimentos de colegas que puderam ouvi-las, as EA parecem ser mesmo um ponto fora da curva. No site Soundstage, colocam as EA e as Vivid Gya como O state of the art em matéria de caixas, no momento, acima de caixas como a WA Sophia 3, por exemplo. Resta saber, quanto custaria um par de EA MMOne ou MMTwo aqui nestas plagas? A MMtwo parece custar pouco mais de 20000 dólares nos EUA.

sergiocurvelo
08-03-2012, 00:32
Em julho de 2011 troquei um e-mail com o Vlamir sobre essas caixas. Ele disse que a MM2 custava lá fora 40 mil dólares e a MM3 50 mil dólares. A intenção era vende-las aqui por 1,6 x esse valor.

Dearing
08-03-2012, 00:47
Caro Lellis,

A MMTwo custa US$ 40.000,00 nos EUA (sou dono de um par).

Uma comparação entre qualquer caixa de Wilson, incluída a Alexandra, e a Evolution MMTwo / MMThree não esta certa – a qualidade de fabricação de Wilson é muito boa, mas o design e a qualidade de som são primitivos em comparação com uma caixa como Evolution ou Rockport. Wilson é como Rolex. Evolution é o A. Lange & Söhne de caixas.

joaovieiraneto
08-03-2012, 00:55
Já escutei essas mm3. São impressionantes.
Me contentaria com as mmmini2.

Hanna
08-03-2012, 01:05
Por todos os comentários (da Cavi e dos sites de Audio pelo mundo) e depoimentos de colegas que puderam ouvi-las, as EA parecem ser mesmo um ponto fora da curva. No site Soundstage, colocam as EA e as Vivid Gya como O state of the art em matéria de caixas, no momento, acima de caixas como a WA Sophia 3, por exemplo. Resta saber, quanto custaria um par de EA MMOne ou MMTwo aqui nestas plagas? A MMtwo parece custar pouco mais de 20000 dólares nos EUA.

Lellis,

Já ouvi essas vivid GIYA numa feira, não me lembro qual das 3, achei fraquinha, fraquinha.........
Lembrando, numa feira.........

georgemg1
08-03-2012, 07:58
Lellis
Conversamos como designer das vivid que antes trabalhava para a B&W alias desenvolveu a caixa caracol, mas eu não gostei nem do som nem da estetica, não sei por que uma revista ai do exterior as coloca como o state da art, ai mora 'segredos".

Ricardo Pontes
08-03-2012, 09:35
É verdade,71571 taí o ''papo'' com o cara que[desenhou] fez a Caracol .

Lellis
08-03-2012, 11:08
Caro Dearing,

Na verdade, me confundi. quis comentar sobre as EA Mini TWO e Mini ONE.

---------- Mensagem adicionada às 11:08 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:59 ----------


não sei por que uma revista ai do exterior as coloca como o state da art, ai mora 'segredos".

É vero, caro George, esses comentários tem que ser lidos com um pé atrás, mas às vezes eles podem indicar um caminho, como no caso das Tidal, que pretendo ouvir na próxima vez que viajar.

Dearing
08-03-2012, 16:17
Caro Lellis,

Também não dá para comparar uma Wilson para a MMMiniTwo, porque a MMMiniTwo tem a mesma qualidade do que as caixas MMTwo / MMThree, ou seja, utiliza exatamente o mesmo tipo de crossover, gabinete, autofalantes, e outros componentes do que os modelos MMTwo / MMThree – a MMMiniTwo custa US$ 35.000,00 (preço nos EUA), que é só US$ 5.000,00 menos do que o preço da MMTwo.

Não quero criticar Wilson porque Wilson fabrica caixas muito boas que fazem certas coisas muito bem, por exemplo, a qualidade do gabinete é muito boa, o que permite a caixa de tocar muito alta com pouca distorção. Mas é uma caixa típica, ou seja, utiliza crossover de alta ordem. A grande maioria dos fabricantes de caixas (inclusive os fabricantes de caixas supostamente “top”) utilizam crossovers de alta ordem porque assim, é muito fácil projetar uma caixa que toca relativamente bem, e facilita muito o design e a fabricação. Porem, uma caixa com crossover de alta ordem reproduze mal um square wave (uma onda quadrada) por causa do deslocamento de fase. Para os que não entendem o que que é uma onda quadrada, neste caso, se trata um sinal elétrica de teste que mostra a capacidade de um componente tal de reproduzir com fidelidade o sinal entrando no componente (a pergunta é, “o sinal saindo da caixa é igual o sinal entrando na caixa?” – caso não, a caixa tenha alterado o sinal). Uma caixa com crossover de alta ordem pode tocar muito bem, e tem vantagens como, por exemplo, 1) a capacidade de tocar muito alto (porque cada autofalante na caixa esta só recebendo o sinal ideal para aquele autofalante, ou seja, os médios estão só recebendo frequências medias e o tweeter só esta recebendo frequências altas) e 2) um desempenho fora do eixo bem controlado (facilita o “power response”). Mas em comparação com uma caixa que tem crossover first-order ou constant voltage bem implementado, caixas que utilizam esses crossovers faltam de naturalidade (ate que temos um termo pejorativo para Wilson nos EUA - "caixa de disco"). Vemos muito poucas caixas com crossover constant voltage porque 1) complica MUITO o design – para projetar uma caixa com crossover constant voltage, o projetista tem que fazer muito mais trabalho e realmente saber o que ele esta fazendo –, e 2) o mercado para uma caixa assim é bem pequeno (o audiofilo típico não vai pedir um desempenho assim). Alias, o “review” da Evolution MMThree falou errado quando falou que somente Evolution consegue reproduzir bem uma onda quadrada (o review teve outros problemas também), porque caixas como, p.e., Dunlavy, podem reproduzir uma onda quadrada, mas essa marca não foi nem perto do nível de qualidade de Evolution.

Voltando para seu comentário, a pergunta certa é se os modelos mais modestos de Evolution, ou seja, a MMMicroOne e a MMMicroTwo, podem concorrer com a Sophia 3 e a Sasha. Como eu escrevi num post anterior, a “fofoca” e que a MMMicroTwo, que só vai custar US$ 6.000,00 nos EUA, é melhor do que a Sasha. E difícil acreditar, mas o design é mais avançado, a caixa esta feita na China, e todas as caixas de Evolution estão vendidos direito pelo fabricante Evolution (“factory-direct”) sem passar atraves um distribuidor e loja, ou seja, pelo menos nos EUA, o preço não tem margens dos revendedores.

Acho que alguém perguntou se a MMMicroTwo vai ter um desempenho bom nas notas graves. E comum ter uma caixa com muitos woofers pequenos – Pipedreams, Dali Megaline, Scaena, Eben – e essas caixas podem ter um desempenho nas graves nota 10. Nesse caso, é importante que o autofalante pequeno escolhido como woofer ter excursões grandes – caso sim, pode ter um desempenho impressionante. A MMMicroTwo vai ter 6 woofers por caixa, ou seja, 12 woofers no par, e o autofalante utilizado nessa caixa como woofer tem uma fabricação igual um subwoofer – não tenho ouvido ainda essa caixa, mas meus amigos que tem, sim, disseram que “it does monster bass”.

Esse tópico realmente tem pouco a ver com o tópico darTZeel – I’m very sorry. :)

Lellis
08-03-2012, 16:38
a MMMiniTwo custa US$ 35.000,00 (preço nos EUA), que é só US$ 5.000,00 menos do que o preço da MMTwo.

Está certo, me enganei sobre o preço da MM2; pensei ter lido no site Stereomojo o mvalor que mencionei, mas fui conferir e informam 32K.



Esse tópico realmente tem pouco a ver com o tópico darTZeel – I’m very sorry. :)

Concordo, em breve criam um tópico para as EA na seção de caixas; voltemos aos Dartzeel.

Hanna
08-03-2012, 17:20
Esse tópico realmente tem pouco a ver com o tópico darTZeel – I’m very sorry. :)

Dearing, Lellis.

Sugiro que postem sobre o assunto no tópico clube dos audiófilos, no qual já estamos discutindo sobre as EA.

É um tópico destinado, como o próprio nome diz, a qualquer assunto relacionado à audiofilia. O espaço é democrático e o clima é de cordialidade e cooperação.

Discutir equipamentos em tópicos específicos é legal. Entretanto, geralmente existe uma unânimidade e uma discussão muito crítica pode gerar problemas.

Acho importante ouvir opniões diversas, inclusive com críticas a determinados equipamentos. Ajuda na nossa "formação"!

Abrçs

gilson godoy
08-03-2012, 18:56
Caros amigos,
Estou muito feliz com esse tópico, pois, ele pegou um ritmo alucinante, como foi falado anteriormente, nunca um tópico deu tanta resenha. O melhor de tudo, é que ele está fluindo com muitas informações técnicas, e com muitas novidades. Começamos com os Dartzeels, dono real do tópico, passamos para o PS audio, regenerador ideal, falamos de ligar os aparelhos 24/7para melhor rendimento, dos cabos Jeena, estamos no momento nas Evolutions e sabe Deus onde vamos parar. Entre todos estes assuntos, o que mais está me tirando o sono de verdade é o 24/7, eu não estou psicologicamente preparado para tal ato, entendo que tecnicamente tem lógica, existe alguns consensos, mas eu gostaria de ouvir agora a opinião dos representantes comerciais, gostaria que eles entrassem nesta discussão e postassem as suas recomendações, no caso dos fabricantes, para que possamos voltar a dormir em paz, com eles ligados ou desligados, mas sem essa dúvida cruel.
Creio que essa questão deve está remoendo o juízo de muitos, por isso quero pedir ao Dennis, Vlamir, Storelli, Eduardo Lima, Salvatori, Knirsch entre outros, para não ficar citando todos, mas todos esses que representam produtos e nos vendem e nos assessoram nas compras.
Qual a recomendação dos FABRICANTES?
ABS
GG

joaovieiraneto
08-03-2012, 19:09
Nao vejo problemas de esses assuntos todos estarem sendo postados aqui. Se formos nas primeiras páginas do tópico veremos que o espírito da criação do mesmo foi exatamente duvidar da qualidade dos Dartzeel, por estarrem bem avaliados numa revista nacional.

Mas se o assunto migrar para o Clube dos Audiófilos ficará melhor situado.

Rodrigo.RJ
08-03-2012, 21:56
Coisa linda essa MMMicro Two, hem? :que: :amor: :D :legal:

Se sair pelo preço da Helicon 400MKII... :idea: Só vvai faltar caber na minha sala. :D

Abraços! :legal:

sergiocurvelo
08-03-2012, 22:41
Algo me diz que essa caixa, que tem previsão de custar US$ 6k lá fora, vai aportar aqui custando uma fábula.
Vão vendo...

fibra
08-03-2012, 22:46
Sergio, concordo contigo, não tenho dúvida qto a isso. Em que país moramos mesmo ?


Abraços

sergiocurvelo
08-03-2012, 22:57
Pois é Fibra.
Mas a coisa vai além de tributos, taxas e tal.
Tem a ver com a estratégia do distribuidor, sua política de preços e a expectativa e avidez que o mercado começa a ter com esse produto.
O Camardella, brilhante como sempre, dissertou sobre esse tema em algum canto do fórum hoje.

Leo1311
08-03-2012, 23:15
Algo me diz que essa caixa, que tem previsão de custar US$ 6k lá fora, vai aportar aqui custando uma fábula.
Vão vendo...

Estou de olho nesta caixa também, e, devido ao tamanho diminuto da minha sala (13m2), com mais entusiasmo para a book deles.

Conhecendo a política de venda praticada, tenho a impressão de que valerá muito mais marcar umas férias para os EUA e trazê-las na bagagem, recolhendo todos os impostos. Ou, na pior das hipóteses, compra-se com 40k milhas da TAM passagem de ida e volta, curte o final de semana e volta com elas "debaixo dos braços", kkk.

Abraço a todos, excelente tópico. Fico sentado aqui no fundão atento.

Léo.


Sent from my iPad using Tapatalk HD

sergiocurvelo
08-03-2012, 23:23
Não tenho conflito de interesse com nenhum importador, representante ou coisa que o valha.
Mas vou dar um exemplo prático:
A Gallo Reference 3.5 custa lá fora os mesmos US$ 6 mil.
Quando a EA MMMicro Two chegar aqui vale a pena conferir se os preços das duas estarão comparáveis.
Posso me enganar, mas duvido muito que estejam.

Dearing
09-03-2012, 01:31
Caro Gilson Godoy,

Ref : 24/7 – Não tem debate sobre essa pratica com componentes solid-state, e tudo que eu escrevi a respeito esta certo. A pergunta é se faz sentido fazer isso no Brasil, onde a rede esta frequentemente instável – talvez sim, talvez não.

Meu conselho seria de evitar componentes de transistor se V. não tem jeito de deixar seus equipamentos ligados 24/7 – em regra geral, componentes valvuladas chegam numa estabilidade térmica bem mais rápido do que componentes de transistor, e em regra geral, powers valvulados são bem menos perturbados pela instabilidade da rede.


Caro Leo1311,

“Abaixo do braço” não vai dar certo com Evolution. Eles não vendem para estrangeiros vindo dos países como o Brasil onde eles tem distribuidores.

gilson godoy
09-03-2012, 01:49
Dearing, eu quero apenas uma posição dos distribuidores e representantes, pois essa postura sendo correta acho que eles devem participar aos seus clientes ou futuros clientes, para que voce saiba o que é certo ou errado, embora as suas considerações sejam bem embasadas e convincentes, se a energia está instavel, que se use condicionadores ou regeneradores, mas que mantenham ligados ou não, eu não posso entender que eu tenho que mudar um amplificador de solid state para valvulado por omissão dos colegas dealers.
Desde que iniciou-se ese debate sobre o assunto, ninguem do outro lado da mesa falou alguma coisa. Acho que seria interessante saírem do muro e falarem as suas orientações junto aos fabricantes.
Abs
GG

Storelli
09-03-2012, 08:34
Bom dia à todos.

Prezado Gilson, a posição oficial da ASR é que os Emitter devem ser ligados algumas horas antes da audição p/ atingir a temperatura de equlíbrio, que permanecerá a mesma não importa quanto tempo depois ele fique ligado....
Se o amplificador não for utilizado, deixa-se em stand-by.

Grande abraço
Storelli

Renato
09-03-2012, 08:38
Gilson,

Tem um post do Thomé com a recomendação oficial do Vlamir, procure nos posts... tem outro muito legal da Exaudi também.

São bem diferente da citadas pelo Dearing.

Abração,

Renato

asiufy
09-03-2012, 09:35
E eu coloquei trechos do manual do próprio darTZeel, aonde é dito, claramente, que não é necessário deixar o equipamento ligado 24/7. Pelo menos não há nenhuma recomendação neste sentido, muito pelo contrário. O projetista ainda faz piada com este assunto, dizendo que você só deve deixá-lo ligado direto se gostar de pagar contas de eletricidade maiores...

Aproveito para deixar o link para baixar os manuais da darTZeel. São leituras obrigatórias para todo tipo, curiosos, técnicos, etc.

http://www.dartzeel.com/index.php?option=com_content&task=view&id=42&Itemid=65


alexandre

carlos_camardella
09-03-2012, 09:41
Olha, numa boa, não concordo com deixar tudo ligado 24/7 para o som ficar melhor. No caso dos solid states, deixá-los ligados eternamente não vai mudar em nada o som em relação a um aparelho que seja ligado umas 2 horas antes - qualquer transistorizado que demore mais de 2 horas para atingir estabilidade térmica plena tem problemas de projeto - isso é ponto pacífico entre projetistas, mesmo os de high-end, mas muitos audiófilos não confiam tanto em quem projetou seus aparelhos... Por outro lado, é também fato notório que o liga-desliga é algo ruim em equipamentos eletrônicos, quaisquer que sejam, sob o ponto de vista de reduzir sua vida útil, na verdade, o MTBF. Com isso eu concordo. Quando eu projetava aparelhos high-end militares (não de áudio doméstico), eles não eram mais desligados após instalados, mesmo com o navio parado no dique seco, a não ser para eventual manutenção. Só que muitos audiófilos trocam de aparelhos de 6 em 6 meses, ou de ano em ano, logo nesse caso eu não me preocuparia com preservar o aparelho para um eventual 3o ou 4o dono...

Porém, acho que todos sabem que vávulas têm vida útil mesmo, não ? Logicamente, e principalmente, uma válvula de potência em classe A ligada 24/7 sem qualquer sombra de dúvida vai durar bem menos que nos aparelhos que são desligados. Se for uma válvula baratinha e moleza de achar, OK, mas se for uma válvula cara pacas e difícil de encontar ? Vale o risco ou a encheção de saco ?

Abraços,
C.A.

Leo1311
09-03-2012, 09:47
Caro Leo1311,

“Abaixo do braço” não vai dar certo com Evolution. Eles não vendem para estrangeiros vindo dos países como o Brasil onde eles tem distribuidores.

Caro Dearing,

Muito obrigado pelo alerta. Sorte que tenho alguns familiares próximos residindo nos EUA há muitos anos, alguns já adquiriram cidadania americana. Azar é que nenhum dos dois emails que enviei a EA foram respondidos.

Amigo Gilson,

Até hoje só vi um fabricante de SS, Odyssey, reconhecer que seus equipamentos necessitam permanecer ligados 24/7 a fim de render o melhor potencial para o qual foram projetados. Sei que o sr. Moyses, comerciante do ramo, sediado em Brasília, é o representante da marca no Brasil. Em visita à sala comercial dele, constatei que os equipamentos estavam ligados quando chegamos e assim permaneceram ao sairmos. Os valvulados, Croft (lindos de se ouvir), foram ligados e desligados.

Lá no tópico dedicado aos Exaudi, há um interessante depoimento a respeito. Apesar de o projetor e fabricante reconhecer a desnecessidade de o amplificador permanecer ligado 24/7, o proprietário disse e repetiu que obteve o melhor som quando passou a não mais desligar o aparelho.

Davide, divide os detalhes conosco.

GG e demais das redondezas, na próxima semana, após a instalação dos absorvedores laterais, vamos combinar algo lá em casa.

Abraço a todos,

Leo.



Sent from my iPhone using Tapatalk

Sphinx
09-03-2012, 11:35
Senhores, pelo que eu entendi, o que foi colocado não é deixar ligado 24/7 unicamente para melhorar o som, mas sim para reduzir os ciclos térmicos, o ligar e desligar muitas vezes, que estressa qualquer componente eletrônico e diminui a vida útil como o Carmadelha falou. A idade de um avião, por exemplo, não é medida pelas horas de vôo, mas pelo números de vezes em que a aeronave foi pressurizada e despressurizada, é isso que estressa a fuselagem. Outra vantagem óbvia de deixar tudo ligado sempre é que vc não precisa aguardar a estabilidade térmica, vc chega em casa, coloca o disco e já pode ouvi-lo, o que é muito conveniente, principalmente em lojas que recebem clientes para ouvir determinada marca e não vão esperar 2 horas até atingir o equipamento atingir o auge. O resto é bom senso, se vc vai se ausentar de casa por vários dias, o melhor é desligar tudo, até mesmo tirando da tomada. Quanto à conta de luz, sei lá o que pensar, se existem pessoas dispostas a pagar R$150.000,00 ou mais num par de caixas, ficar preocupado com a conta no final do mês...

yurijoyce
09-03-2012, 12:42
Boa tarde, Srs!! Gostei dessa: Pagar 150 mil e se preocupar com a conta de luz!!! Sei..la!!! Yuri Joyce

sergiocurvelo
09-03-2012, 14:23
Gilson,
Conversei com o Antônio Bellia, gabaritado e referenciado projetista de amplificação solid state, que me revelou que para os seus projetos vale o seguinte:
- Manter ligado 24/7 é opcional. Não há degradação do aparelho e nem ganhos adicionais.
- Após 1h ligado o amplificador já é capaz de entregar o máximo do seu desempenho. Naturalmente se já passou pelo processo de queima e amaciamento, que no caso pode levar cerca de 1000 horas.
- As repetidas operações de liga-desliga podem levar a danos e desgaste do aparelho. Mas nada a ponto de justificar a obrigação do padrão 24/7.

O que eu faço:

INFELIZMENTE só disponho de 2 a 3h do meu dia pra ouvir música. Eventualmente um pouco mais de tempo. Por isso prefiro deixar o power ligado 24/7 porque sei que ele sempre estará pronto para uma audição com máxima performance. :tu:

Hanna
09-03-2012, 14:51
Já vi um manual indicando 24/7, no caso um SS, testei e valeu a pena. Só deixo desligado no período de chuvas, por questão de segurança.

Já vi depoimentos e audiofilos experientes que alegam que um SS (fontes e amplificação), podem demorar até 72 horas para aingir sua estabilização máxima.

Acho que nessa questão vale bom senso. O proprietário faz o teste com seu equipamento, se julgar que vale o risco aqui no Brasil e se notar melhora que o convença, que adote 24/7. :tu:

Acho que usar o manual como base é complicado, pois nenhum fabricante vai querer assumir o risco da medida. Além disso, ficaria complicado para o mesmo, assumir que seu equipamento deve ficar ligado o tempo todo para ter o seu melhor desempenho, enquanto os outros fabricantes não o fazem.

Além do mais, nunca vi nenhum fabricante falar que devemos adotar sistemas anti-vibracionais mais decentes que aqueles pezinhos de borracha, ou trocar a porcari@ do cabo de força que vem da fábrica. :(

Dearing
09-03-2012, 17:35
Caro Carlos_Carmadella,

V. escreveu: “isso é ponto pacífico entre projetistas, mesmo os de high-end, mas muitos audiófilos não confiam tanto em quem projetou seus aparelhos”.

Eu poderia citar muitos projetistas que diria que um aparelho precisa de muito mais do que 2 horas para chegar numa estabilidade térmica. O mais famoso são os powers Naim, que precisam de uma semana. Concordo com você que não deveria ser assim, mas é incorreto dizer que que todos os projetistas falam “basta 2 horas”. Os capacitores podem demorar muito para se carregar totalmente.

O assunto é também mais complicado do que V. falou e vou resumir o que eu já escrevi nos posts anteriores:

I. Componentes de transistores:



Em regra geral, deixa ligado 24/7 para manter a qualidade de som e para manter a vida.
Não pode deixar ligado powers Class A porque 1) gastam muito energia a todo momento, 2) o “bias” dos transistores vai derivar mais rápido se esta deixado ligado 24/7, o que vai necessitar uma visita na fabrica, e 3) power Class A e um forno que vai esquentar de mais uma sala típica se fosse ligado 24/7.
Não faz diferencia com power digital Class D, que sempre fica relativamente frio e que, portanto, não sofre de ciclos.


II. Componentes de válvula:



Tem que desligar powers valvulados porque válvulas de saída (as válvulas grandes) passam muito corrente e vão portanto degradar relativamente rápido se elas estão deixado ligado 24/7.
Para um componente que usa válvulas pequenas (em inglês, “small-signal tubes”) como a 12AX7, ou seja, pré-amplificadores e CD players valvulados, melhor deixar ligado 24/7 em regra geral. Quando uma válvula fica ligada, sempre tem o que a gente chama “cathode stripping” que é coisa para evitar, mas nas válvulas pequenas, a maioria dos circuitos usam essas válvulas conservadoramente, ou seja, bem longe da voltagem máxima que a válvula pode tolerar, o que significa que cathode stripping ocorre bem devagar. Todavia, sabemos que a chegada abrupta da voltagem no momento que o componente esta ligado é bem mais perigosa para as válvulas, e ciclos térmicos, que faz expandir e contrair as pecas dentro do componente, é também ruim e causa falhas, por exemplo, “metal fatigue” (se v. dobra um fio de cobre 3 ou 4 vezes, vai quebrar – se trata do mesmo fenômeno com ciclos térmicos porque o metal esta mexendo quando se esquenta e se esfria). Exceções para componentes que utilizam pequenas válvulas são os componentes que tem válvulas na fonte – dependendo do circuito, essas válvulas podem passar muito corrente, e então, tem que saber a voltagem.


Que o componente seja de transistor ou de válvula, o lado ruim de 24/7 e que os capacitores vão morrer mais rápido, mas são relativamente fáceis a baratos para substituir – a morte de um transistor de saída é coisa bem mais seria.

Claro, no Brasil, a pergunta é mais complicada por causa dos problemas da rede – talvez seja melhor ligar e desligar para não sofrer os efeitos de picos violentos. Para os que tem componentes de alta qualidade, meu conselho forte é de usar um regenerador de PS Audio para os equipamentos “front-end” (ou seja, CD player, toca-discos, pré-amplificador) poque assim, pode deixar ligado 24/7 sem perigo. Para o power, o ideal seria um transformadora de isolação (é isso que usamos nos EUA nos sistemas mais sérios), e neste sentido, agora tem um transformador fabricado pela empresa canadense Plitron que não somente protege contra picos, mas regula a voltagem – se chama “Torus”:

http://www.toruspower.com/about/the-torus-advantage/avr-series/

Esse produto esta sendo utilizado pelo Bryston. Plitron também fornece transformadores torodiais OEM para os powers de Bryston, BAT, McIntosh e Krell.

A única “debate” é se um componente que usa válvulas pequenas deveria ser ligado 24/7. Os fabricantes mais honestos e competentes nos EUA falam “sim” (é importante saber que um fabricante de componentes valvulados ganhe muitos $$$ vendendo novas válvulas ...).

Para mais informações sobre uso 24/7, sugiro meus posts #70 e #88.

Desotti
09-03-2012, 19:40
Grifo meu:


... Claro, no Brasil, a pergunta é mais complicada por causa dos problemas da rede – talvez seja melhor ligar e desligar para não sofrer os efeitos de picos violentos. Para os que tem componentes de alta qualidade, meu conselho forte é de usar um regenerador de PS Audio para os equipamentos “front-end” (ou seja, CD player, toca-discos, pré-amplificador) poque assim, pode deixar ligado 24/7 sem perigo...

Dearing, em se tratando da rede de distribuição de energia que temos aqui no patropi, eu tenho minhas dúvidas se um pico causado por um raio que atinja a rede de energia próxima de nossas casas (algo extremamente comum durante os meses de verão) possa ser "detido" com 100% de eficiência por quaisquer equipamentos de proteção.

Claro que quando estamos em casa podemos desligar tudo rapidamente em caso de tempestade com raios, mas o clima aqui no Brasil costuma mudar com velocidade espantosa em dias de verão e, quando estamos ausentes, se não houver alguém em casa que possa "puxar a tomada" na hora das famigeradas "tempestades de verão", o risco de danos estará sempre presente... ao menos esta é minha experiência, pois já cansei de ter equipamentos danificados pela rede de energia elétrica de minha cidade em passado não muito distante.

Também tem havido ultimamente muitas interrupções em minha rede durante o dia, o que tem me feito refletir sobre a postura de manter os equipamentos ligados sempre que estou em casa, até porquê sinceramente não consigo perceber diferenças significativas na sonoridade entre poucas horas ou dias de funcionamento, ao contrário do que ocorre entre o equipamento estar "frio" e com uma ou duas horas de funcionamento, corroborando as observações do amigo Camardella.

Claro que meu sistema não é "de referência", mas está num nível alto e equilibrado o suficiente para revelar quaisquer alterações dessa natureza.

[[]]'s

tubeenthusiast
09-03-2012, 20:28
Coisa linda essa MMMicro Two, hem? :que: :amor: :D :legal:

Se sair pelo preço da Helicon 400MKII... :idea: Só vvai faltar caber na minha sala. :D

Abraços! :legal:

Caraca, Rodrigo.... Se for por ai vou querer uma audição bem cuidadosa.... Quem sabe não cabe no lugar da minha Helicon800..........:D


Abs
Rodrigo

jl audio f113
09-03-2012, 21:15
Eu tive uma surpresa deixando o meu AR VSi60 ligado para ouvir no outro dia(fiz isso inumeras vezes),mas num desses dias as + ou - 1:30 da madrugada acordei e vi uma das válvulas acesa igual uma lâmpada,e quando fui verificar lá se foi o resistor,e costumava sair e deixá-lo ligado para ouvir quando voltasse,resumindo:se não estou por perto prefiro desligar e evitar surpresas desagradáveis,é como disse o Dearing AMP valvulado ligado em ambiente sem refrigeração vira um forno,tudo nele fica muito quente,o transformador de entrada então nem se fala.

Batman-X
09-03-2012, 21:21
Aqui o meu valvulado é um verdadeiro aquecedor. :hilario:

Hernani Braga de Ara
09-03-2012, 22:00
Dearing

Havia pesquisado o Toruspower como uma solução definitiva as oscilações de nossa rede elétrica. Já tive vários dispositivos ( entre eles o PS Audio ), mas sempre senti alterações sonoras ( não necessariamente melhoras ) e, principalmente, perda de dinâmica...você já testou o TorusPower em amplificadores de potência ? Qual sua impressão ?

Abs e obrigado

Hernani

Ricardo Nonato
09-03-2012, 22:06
Amigos,

também estou muito curioso para ouvir as EA, principalmente o modelo mencionado e a MMMicro One, se forem tudo isso que estão comentando, também possa ser que vire proprietário de uma destas.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Caraca, Rodrigo.... Se for por ai vou querer uma audição bem cuidadosa.... Quem sabe não cabe no lugar da minha Helicon800..........:D


Abs
Rodrigo

---------- Mensagem adicionada às 22:06 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 22:04 ----------

Hernani,

este é um assunto que também muito me interessa, acompanharei.:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.


Dearing

Havia pesquisado o Toruspower como uma solução definitiva as oscilações de nossa rede elétrica. Já tive vários dispositivos ( entre eles o PS Audio ), mas sempre senti alterações sonoras ( não necessariamente melhoras ) e, principalmente, perda de dinâmica...você já testou o TorusPower em amplificadores de potência ? Qual sua impressão ?

Abs e obrigado

Hernani

Dearing
10-03-2012, 00:41
Caro Dessoti,

Os PS Audio Power Plants usam MOV’s para proteger o aparelho, mas V. tem razão que o único jeito de proteger completamente é de tirar os cabos de forca das tomadas. Tenho um “PS Audio Ultimate Outlet” em frente de meu P-300 para acrescentar a proteção. Quando morei em SP (no Itaim) entre 2002-2005, nunca tive problema – deixei todos meus equipamentos front-end ligados 24/7 durante os 3 anos, e deixei ligado meus monos valvulados ligados de sexta a noite ate domingo a noite, todos os fim de semana. Agora que sei mais coisas sobre a rede no Brasil, acho que tive sorte.

No que diz respeito a qualidade de som, se V. não percebe uma diferença, e se V. só teve problemas com a rede, eu diria “lige e deslige”.


Caro Hernani Braga de Ara,

Em regra geral, os regeneradores de PS só podem ser utilizados com componentes “front-end”, ou seja, componentes que usam pouca eletricidade como preamplificadores, tuners, CD players, e motores de toca-discos – ressalto que nunca, nunca pode usar os PS típicos com powers (honestamente, fiquei chocado de ficar sabendo que amigos audiofilos meus no Brasil tinham tentado fazer isso). Dito isso, o modelo maior da nova geração de regeneradores de PS, o P-10, e suficientemente poderoso para ser utilizado com power pequeno e médio. Mas esse modelo seja o UNICO – todos os outros limitam corrente.

Não tenho experiência pessoal com o Torus, mas a tecnologia e a genealogia do fabricante não deixam duvida que vai funcionar bem. Bryston utiliza com os power deles e falei com 2 outras pessoas que só disseram coisas boas. Alias, qualquer transformador pese uma tonelada – o transporte não vai ser barato.

Ricardo Nonato
10-03-2012, 01:16
E o que acham dos Shunyata e dos Audience?

---------- Mensagem adicionada às 01:16 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 01:12 ----------

Dearing,

em relação a cabos de caixa, chegou a fazer algum comparativo entre os Jena e os EA?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Hernani Braga de Ara
10-03-2012, 01:16
Obrigado Dearing...só um ponto: tive um PS 300 e no próprio manual mencionava a não utilização do regenerador em Toca Discos...hoje utilizo um condicionador Sigmas Isotek que me pareceu ate agora a mehor solução de limpeza da rede x qualidade sonora. Mas minha idéia é de fato ter um regenerador...sem os problemas normalmente associados a estes.

Abs

Hernani

Dearing
10-03-2012, 01:27
Caro Ricardo Nonato,

Todo mundo fala que, com darTZeel, EA é melhor.

Caro Hernani Braga de Ara,

Faz 9 anos que estou usando um P-300 com meu toca-discos - ate aqui, tudo bem!

carlos_camardella
10-03-2012, 01:32
Prezado Dearing,

Desculpe insistir nesse assunto, mas de projeto eletrônico modestamente eu entendo. Não que eu tenha projetado amplificadores high-end, mas a correta polarização de transistores e sua estabilização não é ciência extraterrestre, além de ser muito importante nos projetos militares, portanto já passei por tudo o que você possa imaginar de dificuldades com estabilização térmica e manutenção de ponto quiescente onde ele foi projetado. Eu sinceramente duvido que um dos grandes projetistas brasileiros (Eduardo - Audiopax, Bellia, Fábio Timi, Salvatore - Exaudi) venham a público dizer que seus produtos precisam de 10 horas para completa estabilização, por exemplo.

Numa sala com temperatura abaixo dos 20 graus Celsius eu até concordo que um aparelho mais delicado possa demorar mais de 2 horas para estabilizar, que sejam 4, 6 horas, o que já é algo muito alto para um bom projeto. Um equipamento que demora séculos para estabilizar certamente não é um bom projeto, ainda que toque bem aos seus ouvidos. Vai te dar problemas em algum momento, pode ter certeza.

Uma semana para estabilizar, então, é ridículo mesmo. Apenas pessoas sem conhecimento algum de circuitos poderiam acreditar num hype desses. Um aparelho que demora uma semana para estabilizar é um aparelho que não estabilizará nunca, jamais. Nem 24 horas é admissível.


Caro Carlos_Carmadella,

V. escreveu: “isso é ponto pacífico entre projetistas, mesmo os de high-end, mas muitos audiófilos não confiam tanto em quem projetou seus aparelhos”.

Eu poderia citar muitos projetistas que diria que um aparelho precisa de muito mais do que 2 horas para chegar numa estabilidade térmica. O mais famoso são os powers Naim, que precisam de uma semana. Concordo com você que não deveria ser assim, mas é incorreto dizer que que todos os projetistas falam “basta 2 horas”. Os capacitores podem demorar muito para se carregar totalmente.




Sobre o tempo de carga dos capacitores, muita gente boa pensa que é alto ou pode ser alto porque diversos amplificadores continuam tocando por um bom tempo após desligados, por não terem relés nas saídas das caixas e usarem grandes bancos de capacitores. Acontece que a descarga "rápida" desses capacitores é feita por um resistor próprio para isso (bleeder resistor), que absolutamente nada tem a ver com a carga desses caps ao se ligar o aparelho. Ao ligarmos, o tempo de carga é influenciado apenas pela resistência vista pela fonte (a do resto do circuito do aparelho) e pela resistência interna do capacitor (ESR).

Ligamos o aparelho e, após uma constante de tempo “RC”, o capacitor se carrega com 63,2% da tensão máxima que chega dos diodos retificadores. Após 5 vezes esse tempo, o capacitor já está com 99,29% da tensão de pico fornecida pelos diodos. Com pouco mais de 10 vezes o tempo RC, a carga já está total e só não vai a quase 100% em 10 * R.C se houver fuga no cap.

Tomemos como base os dados de um amplificador high-end:

Krell 400e

Output Voltage
160 V peak-to-peak
57 V RMS

Output current
37 A peak

Power Supply
2 x 2,200 VA transformers and 188,000 µF of capacitance.

Bem, para faciltar a visualização do problema, sempre é bom exagerar, extrapolar. Mediante os dados do Krell acima, podemos projetar um amplificador meio ridículo, que apenas forneça 10A de corrente de pico mas com 180V peak-to-peak (90 V por rail) e 100.000uF de capacitância por rail (200.000uF no total). Uma filtragem pra lá de absurda para a potência entregue...

Nesse caso, temos uma impedância vista pela fonte de: R= U/ I = 90 V / 10 A = 9 ohm.

Considerando-se que o capacitor não seja do tipo “low-ESR”, pois a resistência interna dos Low-ESR fica normalmente abaixo de 100mohm para 100.000 uF / 100V (por exemplo, os Evox-Rifa série PEH-169 usados nos powers Gamut), consideremos um alto ESR de 2 ohms.

Um total de 11 ohm (=9 + 2) de resistência em série com o capacitor “reservour”, portanto.

Teremos, então, um tempo de carga de:

t=R.C = (11 ohm) * (100 * 10^3 * 10^-6 Farad) =1100*10^-3 s = 1,1 segundos

Após 5*R.C, o capacitor está praticamente carregado com a tensão da fonte (99,3%), o que significa 5,5 segundos.

Agora, vamos considerar que o aparelho em questão seja um pré-amplificador bem simples, cujo consumo seja de apenas 0,5A, mas use a mesma fonte super-hiper-ultra-dimensionada no quesito capacitância e que trabalhe com transistores de potência na saída, que aproveitem uma tensão tão alta na fonte, à semelhança dos prés da Audiopax.

Nesse caso, temos uma impedância vista pela fonte de: R= U/ I = 90 V / 0,5 A = 180 ohm.

Um total de 182 ohm (=180 + 2) de resistência em série com o capacitor “reservour”.

Teremos, então, um tempo de carga de:

t=R.C = (182 ohm) * (100 * 10^3 * 10^-6 Farad) =18200 * 10^-3 s = 18,2 segundos

Após 5*R.C, o capacitor está praticamente carregado com a tensão da fonte (99,3%), o que significa 91 segundos (1m31s).

E é só isso, fonte não tem nenhum segredo trancável a 7 chaves.



Caso tenham interesse posso ir bem fundo nesse assunto, mas acho que foge totalmente ao escopo do tópico e ficaria bem enjoado.

Acho que devo parar por aqui nessa questão. Assim como alguns acreditam, eu me nego terminantemente a acreditar em tempos de estabilização de dias. Ou estabiliza em horas, ou nunca estabiliza. Deixar ligado 24 x 7 por outros motivos, como durabilidade ou não ter tempo para esperar algumas horas até estabilização, é outra coisa e eu concordo.

Abraços,
C.A.

joaovieiraneto
10-03-2012, 02:01
Carlos, mas aí não estaria uma justificativa para se deixar ligado 24/7? Se pode levar umas duas horas para chegar a um desempenho máximo, um amplificador, pre ou integrado deveria estar sempre ligado, pois as vezes não dispomos de tempo para ligar e esperar até atingir esse limite. Se gosto de as vezes simplesmente resolver escutar música, o sistema deveria estar já preparado para desempenhar 100%.
no manual do meu ex-audio aero prestige, indicava deixar sempre ligado, o stand-by apenas apagava o display, pois o aparelho só atingia o máximo de desempenho após 72 horas. Por ser uma fonte não sei se tem relação com o que está sendo discutido para powers, mas foi o exemplo que me veio à cabeça.

gilson godoy
10-03-2012, 03:36
Essa turma é porreta. Quase todo mundo se viu preocupado em colocar uma resposta. Meus agradecimentos ao storelli pela vinda ao tópico e aos colegas que assumiram uma respostaa, mesmo não sendo de suas alçadas. Todos solidários aos colegas distribuidores amigos.
Como falei, estava desconfortável em deixar 247/7 e até o nosso amigo Dearing , relevou a atitude se tratando do Brasil, nosso Brasil cheio de particularidades. Vamos chegar a um consenso. 2 horas antes da audição.
Abs a todos.
GG

Miro Teixeira
10-03-2012, 08:01
João, o falecido Zé Carlos(Dedé), aí de Fortaleza, nunca desligava os MacIntosh dele:D Ele dizia que queria o sistema sempre pronto:D

Abraços

joaovieiraneto
10-03-2012, 11:05
Pois é. Já liguei o pre desde ontem, e hoje pela manhã os valvulados. Hoje tem dac Ayre Qb9 x AR Dac8.
Jogo duro, Arraes vai trazer um amigo com o Dac8.

edmararj
10-03-2012, 11:24
Segundo o Dearing:
"...Todavia, sabemos que a chegada abrupta da voltagem no momento que o componente esta ligado é bem mais perigosa para as válvulas..."

Pergunto:
E os amplificadores valvulados com soft start? O soft start atua somente no estágio de saída ou também nas válvulas dos estágios iniciais?

Edmar

---------- Mensagem adicionada às 11:24 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 11:18 ----------


...só um ponto: tive um PS 300 e no próprio manual mencionava a não utilização do regenerador em Toca Discos...
Abs

Hernani

Hernani,

Talvez a recomendação no manual do PS 300 de não utilizá-lo com toca-discos seja função de que os módulos de regeneração da tensão AC do aparelho poderiam gerar frequências superiores a 60Hz, deste modo alterariam a velocidade de rotação dos motores síncronos dos toca-discos que o utilizam.

Edmar

Leo1311
10-03-2012, 11:28
Pois é. Já liguei o pre desde ontem, e hoje pela manhã os valvulados. Hoje tem dac Ayre Qb9 x AR Dac8.
Jogo duro, Arraes vai trazer um amigo com o Dac8.

Muito legal, João. Lembro que, em diversas revisões, afirmou-se que a entrada USB do DAC8 não permite conhecer o potencial do conversor. Uma Wavelink, Audiophilleo, Off Ramp, Diverter, U3, INT, Halide etc serão determinantes.

Abraço,

Léo.


Sent from my iPad using Tapatalk HD

Dearing
10-03-2012, 12:26
Caro Edmararj,

Pode ser que eu escrevi mal – para ser 100% claro, não pode deixar ligado 24/7 um power valvulado porque as válvulas grandes (as “válvulas de saída”) passam corrente de mais – as válvulas de saída vão morrer prematuramente assim. Então, tem que ligar e desligar qualquer power valvulado.

Eu escrevi que um equipamento que utiliza somente válvulas pequenas, por exemplo, um pre valvulado ou um CD player valvulado que utiliza pequenas válvulas do tipo 12AX7, 6H30, 6SN7, etc., deveria, em regra geral, ser deixado ligado 24/7 (para as razoes, veja meus posts anteriores).

... Mas coisa importante: para os que querem seguir esse caminho, antes de começar essa pratica, V. deveria substituir todas as válvulas porque as válvulas atuais já estão fraquinhas por causa dos ciclos térmicas que eles subiram por consequência do “on/off” repetitivo. E uma vez que V. comeca a vida 24/7, o que vai acontecer? Em regra geral, uma válvula nova dentro de um componente que fica ligado 24/7 vai, ou 1) morrer nas primeiras 250 horas (a “mortalidade infantil”), ou 2) vai durar para quase sempre (anos e anos e anos). A maioria do tempo, é o segundo. Mas, tem que começar essa pratica nova com válvulas novas – entendeu?

“Soft-start” – Tem muitos pres e powers com “soft-start”, que entrega a voltagem gradualmente para não “bater” as válvulas com muita voltagem no momento que o componente esta ligado. Soft-start é muito útil, mas de qualquer jeito, a válvula esta sempre sofrendo ciclos térmicas que V. vai evitar se o componente fica ligado 24/7.

PS Audio P-300 e toca-discos: claro, entendi agora – não pode usar os “multiwaves” com toca-discos que tem motor A/C. A partir do momento que o P-300 esta utilizado sempre as 60 Hz., não tem problema – muito pelo contrario, vai melhorar o desempenho do motor. Mas melhor ainda usar um “motor controller” (por exemplo, Walker ou VPI) que faz a mesma coisa (regula a voltagem), mas baixa a voltagem para baixar o nível de barulho que o motor faz.

joaovieiraneto
10-03-2012, 12:27
Exatamente esse será o limitante do teste. O dac8 está sendo usado com hiface. Tanto ela como a ligação direta via USB mão permitirão o máximo desempenho do dac8.

Flávio Furtado
10-03-2012, 17:02
Nossa Senhora, só tem fera escrevendo aqui...

Bom, eu deixo meu integrado SS ligado 24x2 (sábado e domingo) e, quando não estou ouvindo música, abaixo totalmente o volume. Gosto mais assim. Durante a semana, quando tenho tempo, aqueço por meia hora a uma, e boa.

Em tempo: acho que ouço mais música do escrevo aqui no fórum....:D

Boas audições a todos!!!!

Hernani Braga de Ara
10-03-2012, 18:16
Dearing...isto mesmo...não pode-se usar o multiwave no TD..60hz ok. Agora me recordei...Como mencionei, notei uma melhora clara no som ( em todas as fontes ) quando passei do PS Audio para o Isotek Sigmas...está foi minha experiência...e não esperava por isso..tanto que deixei um bom tempo as fontes no PS Audio até ter certeza . Mas o meu ideal seria de fato um regenerador com as qualidades sonoras do Sigmas ( ou melhores )

Abs

Hernani

ANTUNES CARLOS
10-03-2012, 18:26
Eu sou um "quase leigo" em eletrônica e gosto demais desses tópicos onde os grandes conhecedores de eletrônica postam as suas opiniões:aplauso:.
O André também á a favor de deixar os aparelhos ligados antes de escutar música, e como o André é um gênio, a opinião dele é praticamente a mesma de outros gênios aqui do Fórum que postaram nesse ótimo tópico:aplauso:.

Ricardo Nonato
10-03-2012, 20:36
Olá Hernani,

já pensou nos Audience? O problema seria testar antes de tomar uma decisão.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Dearing...isto mesmo...não pode-se usar o multiwave no TD..60hz ok. Agora me recordei...Como mencionei, notei uma melhora clara no som ( em todas as fontes ) quando passei do PS Audio para o Isotek Sigmas...está foi minha experiência...e não esperava por isso..tanto que deixei um bom tempo as fontes no PS Audio até ter certeza . Mas o meu ideal seria de fato um regenerador com as qualidades sonoras do Sigmas ( ou melhores )

Abs

Hernani

Hernani Braga de Ara
10-03-2012, 21:17
Este é o grande problema...não testar

Dearing
11-03-2012, 01:24
Caro Carlos_Camardella,

Desculpes o atraso para lhe responder sobre a questão do tempo para os componentes de esquentar (e caps e o tempo para recarrega-los, etc.).

O caso de Naim é excepcional – não sei a qual ponto essa marca é conhecida no Brasil, mas o foco da casa é as fontes (power supplies). Com os CD players Naim, por exemplo, pode escolher 3 fontes diferentes para cada player (e o preço da fonte top é caríssimo). Não vou desconcordar que parece ridículo e sem fundação cientifica para um power a demorar uma semana para chegar num desempenho estável – procurei no site de Naim para white papers, mas não fala nada sobre os powers. Mas achei diversos trechos relevantes nos reviews.

Review na revista inglês Hi-Fi+ do CD player HDX:

“Naim says the player should be powered up permanently (except during thunderstorms, of course), and suggests a good five-day warm-up to bring the player to its best. In fairness, I spent my first five days with the Naim HDX stuffing it full of CDs to see just how crash-proof and how good the player was at finding obscure records on databases, but the sound did seem to improve over those days – as is commonplace with Naim products.”

Fonte: http://www.avguide.com/review/hi-fi-plus-naim-hdx-hard-disk-player

Review na revista Positive Feedback do integrado Nait 5:

“One last point. Be prepared to leave this amp on all the time. Naim recommends several days warmup before use. Believe them. I can think of no other nits to pick with this amp. It is one of the best integrated amps I have ever used.”

Fonte: http://www.positive-feedback.com/Issue3/nait5.htm

E importante dizer que o som dos componentes de Naim é meio sui generis (a casa é muito – mas muito – respeitada nos EUA).

Gabriello
13-03-2012, 12:27
Com relação ao assunto de se deixar ou não, aqui no Brasil, os aparelhos de áudio ligados ininterruptamente (24/7) para se evitarem desgastes e diminuição da vida útil devido a ciclos térmicos, além da consideração de que no Brasil a qualidade da rede elétrica deixa a desejar, não devemos esquecer (toco de novo nesse assunto) do clima tropical e quente daqui.

Imaginem um Classe A ligado 24/7 (você deixaria o ar-condicionado da sua sala também ligado 24/7 para compensar ?) nesse clima danado de quente do Brasil ?

Pessoalmente, como acho que resolvo esse problema? Ponho ventoinhas (coolers) em cima dos meus aparelhos (basicamente todos marca Krell, que esquentam pra KCT). Ou faço isso ou então eu teria de desligá-los da tomada da parede após cada audição, pois alguns deles não possuem chave on/off e os que a possuem (como o pré KCT) esquentam demais, mesmo em modo stand by.


Marcus

Hernani Braga de Ara
15-03-2012, 15:44
Vídeo interessante do power dartzeel tocando as evolution mmthree...

gAxZHz1bvrM (http://www.youtube.com/watch?v=gAxZHz1bvrM)

Abraços

Hernani

Dearing
15-03-2012, 15:58
Caro Hernani Braga de Ara,

E o sistema de Mike Lavigne. Tem sido "melhorado" depois (sempre foi nota 10, mas agora esta nota 10++). Segue:

http://forum.audiogon.com/cgi-bin/fr.pl?vaslt&1036349020

sergiocurvelo
15-03-2012, 16:28
Caro Hernani Braga de Ara,

E o sistema de Mike Lavigne. Tem sido "melhorado" depois (sempre foi nota 10, mas agora esta nota 10++). Segue:

http://forum.audiogon.com/cgi-bin/fr.pl?vaslt&1036349020

O verdadeiro paraíso audiófilo.
Me contentaria só de poder ouvi-lo.
Sensacional!

Hernani Braga de Ara
15-03-2012, 16:41
Pois é Dearing..ele sempre diz que está "quase lá"....onde será o lá ? hehehehe

Ricardo Nonato
15-03-2012, 16:48
Sistema soberbo, fico imaginando o quanto deve tocar este sistema.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

marcoantonio
15-03-2012, 17:09
Só aquela Studer já é um desbunde.:legal:

sergiocurvelo
15-03-2012, 17:12
Aproveitando esse link do Dearing...
Tenho me divertido muito acessando a parte do Audiogon destinada a set ups de foristas. A infinidade soluções é riquíssima. Desde coisas minimalistas até sistemas como esse do Mike Lavigne.

rockjorge
15-03-2012, 19:10
Bom, o sistema eu não gostei não...:ataque::ataque::ataque:....brincadeirinha hein Dearing.:D:D:legal::legal:

Mas o blues tá d++.

Alguem saberia dizer que música que está tocando??

Abraço

Rodrigo

Gabriello
22-03-2012, 10:44
A respeito de se deixar ou não um aparelho de áudio ligado 24/7, para ilustrar com outro ponto-de-vista transcrevo uma citação tirada do manual do pré de phono Rega Reference IOS:


"IOS is activated by depressing the ON/OFF switch situated to the left of thefront panel. Power on is indicated by the REGA LOGO in the centre illuminatingred. It is recommended to activate the IOS before the power amplifiersand deactivate after they have been switched off. After switching off, theindicator will extinguish. Due to the nature of the circuit topology, there is ashort period immediately after switching on when the quiescent current hasnot stabilised. This condition results in reduced output from the pre-amp. ThisRega amplifier circuit has been carefully designed to work with a minimal“warm up” period. Some manufacturers and retailers may recommend leavingamplifiers permanently switched on, Rega cannot condone such practise inthese environmentally sensitive times. We would recommend that your Regaamplifier is always switched off after use. Full sound quality is attained afterless than ten minutes (a process speeded up by playing music)!"


Marcus

Hernani Braga de Ara
22-03-2012, 18:14
Interessante informação Gabriello...meus equipamentos são Rega ( exceção do pré de fono ) e, mesmo assim, noto uma melhora no som quando os deixo ligados...mas que me deixa com uma pulga atrás da orelha....deixa...

robadia
22-03-2012, 22:34
Será que alguém aqui do RJ teria um CTH-8550? Queria muito fazer um A/B com o Gryphon Diablo, que chegou aqui para teste na minha humble residence :riso:. Entre os SS imagino que os integrados top 4 seriam esse 2 mais o Boulder e o Vitus.

cesar miranda
23-03-2012, 02:42
Será que alguém aqui do RJ teria um CTH-8550? Queria muito fazer um A/B com o Gryphon Diablo, que chegou aqui para teste na minha humble residence :riso:. Entre os SS imagino que os integrados top 4 seriam esse 2 mais o Boulder e o Vitus.


Dentre todos os integrados citados eu nao ouvi o Boulder.

Nesta lista eu adicionaria para uma audição cuidadosa o também fantástico Emitter 2.

Se trata de integrados de ponta com assinaturas sônica diferentes,ao meu ver deve-se levar em consideração principalmente o gosto musical do audiofilo.

Abs

Rodrigo.RJ
23-03-2012, 10:10
Será que alguém aqui do RJ teria um CTH-8550?

Raphael,

Já falou com o Vlamir, na Logical? Pode ser que ele te arrume um para teste. :legal:

Abraço! :legal:

Hernani Braga de Ara
23-03-2012, 18:09
Eu sei que pode ser difícil para alguns acreditarem...
Ouvi basicamente todos os integrados top ( tinha um Gryphon ) e o Rega Osiris está no mínimo no mesmo nível de todos estes....na minha humilde opinião....

Ryche
23-03-2012, 18:16
Eu gostei muito do Osiris, e tenho muita curiosidade de ouvir o dar tzeel com SF.
:tu:

Ricardo Nonato
23-03-2012, 19:12
Olá Ryche,

estava hoje falando a respeito dessa mesma curiosidade sua. Também gostaria muito de ouvir esta combinação, acredito que deva ficar muito bom.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Eu gostei muito do Osiris, e tenho muita curiosidade de ouvir o dar tzeel com SF.
:tu:

asiufy
23-03-2012, 19:28
O que eu posso dizer é que ruim não fica :D
O único complicômetro é a tendência das SF de descer até 3 ohms, por uma faixa extensa de frequência...

Mas ainda gostaria de ouvir o power com a Stradivari, a melhor das SF, NMO.


alexandre

Ricardo Nonato
23-03-2012, 19:32
Olá Alexandre,

e na sua opinião, qual modelo se adequaria melhor ao integrado?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

asiufy
23-03-2012, 19:39
Acredito que o integrado tocaria qualquer das SF muito bem. Mesmo não tenho ouvido com a Stradivari, se puder, vá nela.


alexandre

Ricardo Nonato
23-03-2012, 19:49
Eu, sinceramente, ainda não tinha pensado nesta combinação darTZeel e SF, porém estou ficando com uma pulga atrás da orelha, vamos ver no que vai dar.:D


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

jimmyk70
23-03-2012, 20:32
Ricardo
Em minha opiniao a Stradivari , a caixa que possuo e conheço bem, precisa de mais potencia que esse integrado para se revelar. Aprendi isso a duras penas aqui! A Amati Futura tambem pede mais punch!
Acho que um integrado assim iria bem com a Cremona M ou a Elipsa.
Abcao

joaovieiraneto
24-03-2012, 11:12
Jimmy, se esse DodgeDART toca bem as SF, imagina o show com as EA!:bD

jimmyk70
24-03-2012, 14:36
Joao
Nao conheço pessoalmente as EA, os unicos relatos que ouvi de usuarios continuos, nao de audiçoes em feiras( honestamente nao consigo tirar nada em feiras...lum pouco em dealers) sao do Dearing e do Andretti, que todos nos sabemos adorar os produtos do Vlamir.
Por estranho que pareça estive na Stereo Exchange e o Cosmos, um vendedor bem bacana nunca ouviu falar de Evolution.
Ouvi esse integrado com uma Cremona M e uma Verity amadis por dois dias, na cassa de um cealer amigo no exterior. Tanto eu como ele nao morremos de amor pelo resultado, quando colocado com uma stradivari ele se apagou...concluimos que funciona melhor para palcos intimistas.
O que ouvi de muito bacana mesmo e gostaria depois de relatar num espaço mais apropriado , e que iria ciar como uma luva aqueles que gostam de marcas diferentes, tambem para nao ser mainstream foi uma combinaçao de Power ROGERS 100 com uma caixa mediana( na linha da marca) JOSEPH AUDIO. Parecia que estava ouvindo o Ongaku da Audionote....mas isso claro em minha opiniao e para ambientes menores , mais intimistas.
Eu acho que possuo o vicio de musico de preferir reproduçoes em ambiente e com temanho de imagem mais reais.
Para isso honestamente nunca ouvi nada que chegasse nem perto da Aida.
Abcao

joaovieiraneto
24-03-2012, 14:49
Perco o amigo mas não perco a piada! Postei só de sacanagem.

Escutei as EA mm3 em Lisboa. Me impressionaram muito.

As Joseph Audio o George e o Arraes falaram maravilhas delas quando foram a Denver em 2010. Dizem ser espetaculares, principalmente falaram de uma booking imensa.

Caixas boas é o que não falta. Esse negocio de melhor do mundo, que os americanos só querem isso agora é exagero.
Lá mesmo não faltam caixas maravilhosas.

robadia
24-03-2012, 15:46
Ricardo
Acho que um integrado assim iria bem com a Cremona M ou a Elipsa.
Abcao



Ouvi esse integrado com uma Cremona M e uma Verity amadis por dois dias, na cassa de um cealer amigo no exterior. Tanto eu como ele nao morremos de amor pelo resultado, quando colocado com uma stradivari ele se apagou...concluimos que funciona melhor para palcos intimistas.

Jimmy, me desculpe, mas para mim não ficou claro. Vc acha que o integrado com Cremona M ficaria bom, mas vc não gostou do resultado?

Me parece que a Cremona M não está no mesmo patamar de Dartzeel.

fibra
24-03-2012, 16:53
Dartzeel NHB 18NS

http://cgim.audiogon.com/i/vs/i/f/1249745554.jpg


Dartzeel NHB 108B

http://cgim.audiogon.com/i/vs/i/f/1286894693.jpg

:)

Abraços aos amigos.

asiufy
24-03-2012, 19:21
Sidão,

Discordo de você. Já possui ambos, e posso dizer com toda certeza, de que a Cremona M está vários níveis abaixo do integrado.

Em que situação você ouviu o integrado Dartzeel com Cremona M, ou qualquer outra caixa, para fazer afirmação tão categórica?


alexandre

---------- Mensagem adicionada às 19:20 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 19:10 ----------

João,

Você está certíssimo. Não acredito nesse negócio de "melhor do mundo", de qualquer coisa que seja. Na verdade, há coisas boas demais, em excesso, no áudio hi-end, e pouco tempo para ouvi-las e desfrutá-las...

O que para um pode ser perfeito, para outro pode ser algo cheio de defeitos. Ainda mais em algo extremamente subjetivo, como é o áudio hi-end.

O que eu realmente acredito é que as pessoas deveriam aprimorar suas referências, para que, quando possível, possam oferecer opiniões embasadas em experiênciais reais. Lógico que quanto mais longas e aprofundadas forem estas experiências, mais relevantes elas serão.

Infelizmente hoje no fórum há muito chute, muita maledicência inclusive. A célebre frase do Ivor Tiefenbrun, da Linn, está cada vez mais relevante:

"If you haven't heard it you don't have an opinion"


abraços,
alexandre

jimmyk70
24-03-2012, 20:22
Jimmy, me desculpe, mas para mim não ficou claro. Vc acha que o integrado com Cremona M ficaria bom, mas vc não gostou do resultado?

Me parece que a Cremona M não está no mesmo patamar de Dartzeel.

Ola Raphael
Perdoe a falta de clareza.
Eu quis dizer que, Em minha opiniao, o Integrado nao tem punch para entregar tudo que uma Amati ou uma Stradivari exigem. Se saiu melhor com a Cremona M. Obteve mais sinergia, o que me levou a crer que o integrado se sai melhor para audiçoes e estilos mais intimistas.
Mas no geral e repetindo, em minha opiniao e a do dealer, nao teve um resultado que agradou.
Joao , Quem sabe com as EA? Afinal sao da mesma parceria , mesmos distribuidores mundo afora....talvez foram feitos um pro outro!
Abcs

Joao
Eu tambem nao acredito em melhor do mundo. Existem N coisas boas! O que eu nao gosto , outro vai gostar ...se ninguem gostar vai quebrar.

Alexandre

Concordo 100%!
vejo por aqui marcas se tornando mitos....e como relatei acima dois ou tres escutaram em condiçoes relevantes, que podem ser contadas como relevantes!
Feiras e audiçoes rapidas em dealers contam pouquissimo, apesar de serem otimas para estreitar amizadaes e observaçoes visuais.
Claramente pessoas opinam tendo como base sua imaginaçao. Em alguns casos nem reviews em revistas consagradas existem, que apesar de nao serem 100% confiaveis tem mais base e parametro.
Aqui as vezes leio pessoas comprando , ou dizendo que compraram algo que nunca escutaram....acho preocupante,,.

Abcs

jimmyk70
24-03-2012, 20:40
Perco o amigo mas não perco a piada! Postei só de sacanagem.

Escutei as EA mm3 em Lisboa. Me impressionaram muito.

As Joseph Audio o George e o Arraes falaram maravilhas delas quando foram a Denver em 2010. Dizem ser espetaculares, principalmente falaram de uma booking imensa.

Caixas boas é o que não falta. Esse negocio de melhor do mundo, que os americanos só querem isso agora é exagero.
Lá mesmo não faltam caixas maravilhosas.


Joao
Nao me incomoda piadas ! Alias tinha cara de piada mesmo!!! Rsrsr
De fato essas Joseph Audio chamaram demais minha atençao. Escutei as top num sistema com Pass Labs....mas as que me cativaram foram as da linha media com eletronica Rogers. Vale a pena ficar de olho, pois nao sao tao caras e lembram demais timbristicamente a Verity sem ser tao caras e um pouco as Opera.
Abcs

joaovieiraneto
24-03-2012, 20:58
As Joseph que impressionaram em Denver foram umas booking chamadas Pulsar. OArraes ficou procurando o sub. Graves espetaculares.Gostei da resposta: só podia ser piada!!!

||TECO||
25-03-2012, 08:33
Infelizmente hoje no fórum há muito chute, muita maledicência inclusive. A célebre frase do Ivor Tiefenbrun, da Linn, está cada vez mais relevante:

"If you haven't heard it you don't have an opinion"


Alexandre, se me permitir, eu discordo dessa frase; pelo simples motivo que uma pessoa não ouve um componente, ouve sempre o sistema inteiro e a sinergia entre os seus componentes.

Pegue um exemplo em que um ouvinte vai à sala do Andretti, uma das melhores do Brasil em que praticamente qualquer caixa toca divinamente com os ajustes de KnowHow dele, e sai dizendo que tal caixa é a melhor do mundo e essa afirmação é verdadeira simplesmente porque ele ouviu. Imagine ainda a situação desse mesmo ouvinte comprando essa mesma caixa e descobrindo que sua caixa anterior tocava melhor, e ai sai trocando toda a eletrônica e cabos, pois quando ouviu e comprou esqueceu-se que sinergia entre equipamentos é o que dá o resultado e não somente um equipamento.

Sobre Integrado: eu tenho um MBL e gosto muito, mas aprendi a perceber as limitações de se ter um integrado. Não imagino integrado algum alimentando as Aida ou mesmo as Stradi e tocando música flamenca (p.ex) em alto tom sem passar homérica vergonha.

asiufy
25-03-2012, 09:09
Teco,

Estamos falando de coisas diferentes, uma vez que eu concordo com você também! Ouve-se o sistema, não um componente. Aí eu volto à outra questão que eu coloquei, que é a falta de referência das pessoas. Uma vez que se saiba como toca todo o restante do sistema, por experiência própria (ou seja, referência acumulada), pode-se sim determinar a influência de um determinado componente quando inserido no sistema. Se não fosse assim, não teríamos como determinar a influência de upgrades no nosso próprio sistema, concorda?
Usando o seu exemplo, tenho a felicidade de conhecer bastante os componentes do sistema do Andrette, e de já ter visitado sua sala algumas vezes. Sei da influência que a EA MMThree teve, até porque as caixas que ele ouvia antes são as que eu ouço hoje. É falso afirmar que "...praticamente qualquer caixa toca divinamente...", uma vez que já passaram várias e várias caixas por lá, que não tiveram seus testes publicados, justamente por NÃO terem tocado bem.
Outro exemplo: tive a oportunidade de ouvir a MMThree com Dartzeel, e não só com o Goldmund. Qual o sentido nisso? Formar referências. Agora posso afirmar que, para meu gosto, produto X foi melhor que Y, e não simplesmente repetir o que a literatura (técnica ou não) diz a respeito de cada produto.
Novamente, não se trata de ser "melhor do mundo", isto é uma bobagem, incentivada pela indústria e pela mídia (revistas, etc). O que existe são bons produtos e maus produtos, para cada maneira de ouvir.
Teco, sua colocação sobre integrados passarem vergonha demonstra a tal falta de referência. Sem testar, ouvir, e ver como fica o resultado, fica difícil afirmar que "produto X não toca com Y". Óbvio que, pelas especificações, já dá pra ter uma boa idéia do resultado. Porém, lembre-se de que tem gente ouvindo aquelas Wilson Audio monstruosas com amplificadores valvulados single-ended de < 30W. Pra você, o resultado desta combinação pode ser uma "homérica vergonha", mas talvez para o proprietário seja o céu na terra!
Do meu ponto de vista, posso afirmar, pois já testei e ouvi, que o integrado da Dartzeel toca mais que muito power "musculoso", do tipo MBL 9008, ML stereo, Krell 402 e Halcro. E eu gosto de música flamenca :D


abraço,
alexandre

Ryche
25-03-2012, 11:11
Sem trocadilhos maldosos, falando sério: Essa do DartZeel tocar a AIDA eu so acredito vendo. :tu: :)
É especulação dizer que um integrado qualquer que seja, consiga empurrar qualquer caixa da estirpe aquele monstro, nao concorda?

Vai tocar? vai, meu ipod "toca" meu HD800, fica bom? "..." (tres pontinhos) :-/

eu acho que um integrado vai muito muito bem com caixas de alta sensibilidade, ai sim acho que é ate melhor que um separado.

Mas acima de tudo, integrado é um integrado, e um integrado significa um compromisso no design, nao tem como, por melhor que seja o integrado.

Apesar de que estamos falando de algo extremo, porque o Osiris por exemplo, tem força pra quase arrancar os falantes de uma Dynaudio Special 25, nao é Hernani? :D (my ears... my ears... 107db... afff)
E a combinação do Osiris com a Special ficou perfeita em todos os sentidos, de dinamica ao timbre.

Nao tenho duvida que o Dart seja extremamente refinado, mas ainda acredito que ele cerceie a escolha das caixas, precisando de uma faixa de trabalho dentro de seus limites fisicos de potencia.
Pode ser até que com a caixa certa, toque mais que um power de força medonha, mas ai entra a pergunta: o que é "tocar mais"?
se é tocar corretamente, é impossivel um power de 100W fazer todos os transientes de uma caixa enorme do agudo ao grave com todo o SNR, DR e sem qualquer distorcao, ou pior, menos distorcao do que um power de 1200W igualmente hi-end.

Estou para ver um integrado que pegue uma caixa torre bem parruda e toque com autoridade e energia.

Ricardo Nonato
25-03-2012, 11:14
Bom dia pessoal,

infelizmente ou felizmente, terei que montar meu sistema em torno do integrado darTZeel, pois gostei do som dele e o escolhi. Pude ouvir toda a linha da marca, que para meu gosto pessoal, me agrada bastante. Agora, se casará bem com SF, só um teste para avaliar.

Quanto a tal marca ou produto ser superior ou inferior a outro, infelizmente não posso opinar.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

firebladerio
25-03-2012, 11:52
Eu acho totalmente sem sentido ficar discutindo se um integrado de U$ 20.000 vai empurrar uma caixa de U$ 120.000, até porque quem se propõe a gastar esse verba na caixa, esta querendo o melhor do melhor, independente do fabricante. Portanto vai investir uma soma até maior na eletrônica.

O 8550 é um integrado maravilhoso como temos outros integrados tops também maravilhosos, mas integrado é para quem quer um sistema mais minimalista, com poucos elos na cadeia.

Ricardo se você encontrar uma caixa que lhe agrade num preço condizente com o seu 8550 e que tenha sinergia com ele, tenho certeza que você vai ser muito feliz e vai passar horas maravilhosas escutando música.

Abraço
Marcelo

Ryche
25-03-2012, 12:00
Se bem que, fazendo ressalvas, a Raidho C4 tem 91db, é estável em 6Ohm e tem amplificacao recomendada como minima 50W, olhando sob este prisma... pode ser que um integrado empurre "bem" sim.

Acho que só testando mesmo, porque ler specs é uma coisa, real world é outra... :tu:

Ricardo Nonato
25-03-2012, 12:17
Caros Marcelo e Ryche,

concordo com os dois, a única ressalva, que inclusive acabei de postar lá no tópico Electrocompaniet, é de que estou optando pelo integrado por não ter como comprar nesse primeiro momento pré e power darTZeel, se tivesse com certeza o faria. Como havia dito antes, o som dos dart me agrada bastante.

Independente de qualquer coisa, pode ter certeza que a ajuda de todos é muito importante. O bom é que ouvi os dart por muito tempo, então somando estas audições mais a ajuda e opiniões de amigos aqui do forum dá para tomar algumas decisões.

A questão de caixas, vai ter que ser testando mesmo, não tem jeito.

Marcelo, espero sim passar horas maravilhosas escutando música. Quando o sistema estiver pronto, espero poder recebê-lo aqui. Fica o convite.

OBS.: Marcelo, o agradecimento foi meu.

Grande abraço,
Ricardo Nonato.

asiufy
25-03-2012, 12:26
Ryche,

Sim, é especulação, por um simples motivo: nenhum de nós ouviu a tal combinação. Então é especulação :D

Alguns erros que identifico no que você postou... O primeiro é achar que todo integrado é igual... Falácia... Depois, você entra em contradição, ao dizer que o Rega Osiris consegue tocar uma caixa notoriamente difícil.

Sem entrar no mérito da qualidade, uma vez que eu não ouvi, portanto, não tenho opinião, mas o Osiris tem 162W em 8 ohms, 250W em 4 ohms. O integrado Dartzeel em questão, que deve ser o produto mais atacado, e menos ouvido, deste fórum, possui 220W em 8 ohms, e 350W em 4 ohms. Porque ele não tocaria igualmente bem, tal caixa difícil? Esta combinação, inclusive, esteve tocando no Ulisses por um tempão, como sistema de referência deles. Acredito que o Christian possa dizer se faltou alguma coisa por lá...

Ryche, sistemas são montados baseados no seu entorno. Sendo assim, TODO produto "cerceia" a escolha dos outros, incluindo caixas. Indo pelo caminho oposto, se você tem um power de 1kW, não vai comprar uma caixa "horn" de 106dB de sensibilidade, vai?

Quanto ao "o que é tocar mais", veja, coloquei que, na minha opinião, tocou melhor, e não foi em um quesito, foi no cômputo geral. É óbvio que havia mais grave com o Krell 402 do que com o integrado (ou mesmo o power) Dartzeel. Mas, no geral, os Dartzeel tocaram melhor. Inclusive, transientes não estão inteiramente relacionados à potência total do aparelho, e sim à velocidade e reserva de corrente. Então, é possível sim um amp. de 100W fazer os tais transientes melhor que um de 1kW. Novamente, só digo isso porque já ouvi aqui em casa, com caixas de 88dB de eficiência.

Apenas para que você tenha uma noção, eu não estava ouvindo jazz vassourinha não. Ouço rock, e relativamente alto. Black Sabbath no Dartzeel é uma revelação, enquanto que nos outros, é um monte de grave embolado :D

A sua última frase diz tudo o que eu preciso saber: você precisa ouvir mais coisas, equipos diferentes :D Estes seus paradigmas ("isto não toca aquilo", "isto deve tocar mais que aquilo") não estão lhe ajudando em nada...


abraço,
alexandre


Sem trocadilhos maldosos, falando sério: Essa do DartZeel tocar a AIDA eu so acredito vendo. :tu: :)
É especulação dizer que um integrado qualquer que seja, consiga empurrar qualquer caixa da estirpe aquele monstro, nao concorda?

Vai tocar? vai, meu ipod "toca" meu HD800, fica bom? "..." (tres pontinhos) :-/

eu acho que um integrado vai muito muito bem com caixas de alta sensibilidade, ai sim acho que é ate melhor que um separado.

Mas acima de tudo, integrado é um integrado, e um integrado significa um compromisso no design, nao tem como, por melhor que seja o integrado.

Apesar de que estamos falando de algo extremo, porque o Osiris por exemplo, tem força pra quase arrancar os falantes de uma Dynaudio Special 25, nao é Hernani? :D (my ears... my ears... 107db... afff)
E a combinação do Osiris com a Special ficou perfeita em todos os sentidos, de dinamica ao timbre.

Nao tenho duvida que o Dart seja extremamente refinado, mas ainda acredito que ele cerceie a escolha das caixas, precisando de uma faixa de trabalho dentro de seus limites fisicos de potencia.
Pode ser até que com a caixa certa, toque mais que um power de força medonha, mas ai entra a pergunta: o que é "tocar mais"?
se é tocar corretamente, é impossivel um power de 100W fazer todos os transientes de uma caixa enorme do agudo ao grave com todo o SNR, DR e sem qualquer distorcao, ou pior, menos distorcao do que um power de 1200W igualmente hi-end.

Estou para ver um integrado que pegue uma caixa torre bem parruda e toque com autoridade e energia.

firebladerio
25-03-2012, 12:33
Marcelo, espero sim passar horas maravilhosas escutando música. Quando o sistema estiver pronto, espero poder recebê-lo aqui. Fica o convite.

Grande abraço,
Ricardo Nonato.[/B]

Com certeza me convidando terei o maior prazer em escutar o se sistema. Você é aqui do rio né???

Hernani Braga de Ara
25-03-2012, 12:37
Pois é amigo...o Osiris não só empurra com folga a 25 como a maioria das caixas....do que ouvi por aí ( minha referência ) este integrado tem mais força , por assim dizer, que muito amplificador famoso por aí. Apenas como nota ( o que lí e não ouvi, ok? ) um consumidor inglês disse que a combinação Osiris +Isis ficou muito próxima, muito próxima, a série 500 da Naim...
Uma nota, a MMthree não tem os woofers amplificados ? Se sim, pq seria tão difícil de ser domada por um integrado top ?

Abraços

Hernani







Sem trocadilhos maldosos, falando sério: Essa do DartZeel tocar a AIDA eu so acredito vendo. :tu: :)
É especulação dizer que um integrado qualquer que seja, consiga empurrar qualquer caixa da estirpe aquele monstro, nao concorda?

Vai tocar? vai, meu ipod "toca" meu HD800, fica bom? "..." (tres pontinhos) :-/

eu acho que um integrado vai muito muito bem com caixas de alta sensibilidade, ai sim acho que é ate melhor que um separado.

Mas acima de tudo, integrado é um integrado, e um integrado significa um compromisso no design, nao tem como, por melhor que seja o integrado.

Apesar de que estamos falando de algo extremo, porque o Osiris por exemplo, tem força pra quase arrancar os falantes de uma Dynaudio Special 25, nao é Hernani? :D (my ears... my ears... 107db... afff)
E a combinação do Osiris com a Special ficou perfeita em todos os sentidos, de dinamica ao timbre.

Nao tenho duvida que o Dart seja extremamente refinado, mas ainda acredito que ele cerceie a escolha das caixas, precisando de uma faixa de trabalho dentro de seus limites fisicos de potencia.
Pode ser até que com a caixa certa, toque mais que um power de força medonha, mas ai entra a pergunta: o que é "tocar mais"?
se é tocar corretamente, é impossivel um power de 100W fazer todos os transientes de uma caixa enorme do agudo ao grave com todo o SNR, DR e sem qualquer distorcao, ou pior, menos distorcao do que um power de 1200W igualmente hi-end.

Estou para ver um integrado que pegue uma caixa torre bem parruda e toque com autoridade e energia.

Ryche
25-03-2012, 12:37
Minha frase é verdadeira, voce mesmo disse que os Krell tocaram com mais grave, e o integrado nao, e eu disse que estou para ver um integrado que toque uma caixa destas com autoridade e energia.
E isto significa toda a amplitude do grave ao agudo, capou o grave, ja nao entra no meu gosto.

Como ele pode nao ter energia para soltar os graves mas ao mesmo tempo nao distorcer os agudos?
Ou toca tudo ou nao toca, como pode ser correto em uma "parte do som" mas nao na outra e ser considerado "referencia"?

Comprar um power de 1000W para tocar com uma Horn de 106db é um erro semelhante ao comprar um power de 100W para uma caixa gigante.
Mas entendi o que voce quis dizer :tu:

O Dart no seu setup deve estar perfeito, voce pretende trocar de caixas?

asiufy
25-03-2012, 12:38
Ricardo,

Fica tranquilo que você está no caminho certo. Só por ter ido ouvir o equipamento, você já fez mais do que a maioria que posta por aqui :D

Agora, com relação à caixas, não acredito que você terá problemas. Lembrei agora de um amigo que toca o integrado com uma caixa dificílima, que fica entre 2 e 3 ohms por quase toda a faixa de frequência. E, segundo ele, toca maravilhosamente bem, melhor que conjunto pré e power que já passou por lá.

Sugiro que você faça com as caixas o mesmo que fez com a eletrônica. Ouça, e vá em frente com aquilo que você gostar!


abraço,
alexandre

NMA
25-03-2012, 12:40
Com certeza me convidando terei o maior prazer em escutar o se sistema. Você é aqui do rio né???

Parabéns pelo belo setup Firebladerio:legal:

Ricardo Nonato
25-03-2012, 12:41
Grande Alexandre,

obrigado pelas palavras meu amigo, tentei lhe enviar uma MP, porém sua caixa está cheia.

Tenho certeza de que serei muito feliz com o integrado, e ainda mais feliz quando puder utilizar dart pré e power.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

NMA
25-03-2012, 12:48
Nonato parabéns também pela bela escolha:tu:

Ricardo Nonato
25-03-2012, 12:53
Olá Marcelo,

sou daqui do RJ também, assim que estiver tudo pronto por aqui eu entro em contato com você. O sistema que está montado aqui em casa hoje e estou ouvindo, está quebrando um baita galho, porém é um setup que iria montar em outro ambiente e desisti da ideia. Acabei me desfazendo de todo o meu setup principal e estou montando este novo setup.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.


Com certeza me convidando terei o maior prazer em escutar o se sistema. Você é aqui do rio né???

---------- Mensagem adicionada às 12:53 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 12:49 ----------

Nelsom,

muito obrigado, tenho certeza de que estou no caminho certo. Porém acho que a escolha da caixa será mais difícil ainda, porém não impossível.:bD


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

asiufy
25-03-2012, 12:59
Ryche,

Veja, eu não disse que "capou grave". Disse que o Krell tinha mais grave. É muito diferente :D Um micro-system Aiwa também teria mais grave, especialmente quando se aperta aqueles botões "Mega Bass" :D Você está, novamente, presumindo coisas, sem ouvi-las, aplicando seus paradigmas.

O que eu disse, e você pode ler lá acima, é que, no cômputo geral, o Dartzeel foi o mais correto, o que apresentou menos distorções e desvios em faixas específicas de frequência. Algums amps eram exagerados no grave, outros eram extremamente secos, outros eram até bem equilibrados, mas eram menos transparentes. Vou repetir pra ficar bem claro: isto não é achismo, é uma opinião, formada após ouvir alguns excelentes amps. Para ficar bem claro, eu ficaria feliz com 90% dos amps que passaram por aqui, por que são, efetivamente, excelentes equipamentos. Todos exibiam algum tipo de desvio, ou assinatura sônica determinada, que passavam a ficar mais evidentes quando eram substituídos por outros. Mas, sem compará-los, apenas ouvindo, todos eram maravilhosos, e alguns inclusive, extramemente eufônicos. Por isso eu entendo o deslumbre das pessoas quando, faltando essa referência da comparação direta, acham que estão com o equipamento perfeito!

Nunca vou dizer que algo é perfeito. São produtos feitos por homens, e homens não são perfeitos. Mas, de tudo que passou por aqui, pré+power da Dartzeel foi, de longe, a melhor combinação. Combina com qualquer coisa? Não, lógico que não. É perfeito? Claro que não. Vai agradar todo mundo? Duvido muito, por vários motivos... Primeiro, esta pré-disposição das pessoas de achar que, por que a revista gostou e utiliza, é ruim, é imposição, é "fake". Segundo, justamente por ser neutro. Não ter as tais eufonias e desvios que eu pude ouvir aqui em casa, quando comparei-os diretamente à outros equipamentos.

Quanto à caixa, bem... Estou extremamente satisfeito com a que tenho hoje. É, de longe, a melhor caixa que já ouvi na minha sala. Mas não posso dizer que não fiquei balançado pelas MMThree, desde a primeira vez que ouvi-las, ano passado, com os monoblocos Dartzeel :D

Novamente, se você realmente é interessado em áudio hi-end, sugiro que procure ouvir coisas diferentes, mesmo estando 100% satisfeito com o que você tem.

abraço,
alexandre




abraço,
alexandre

---------- Mensagem adicionada às 12:59 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 12:55 ----------

Ricardo,

Ih, nem tinha reparado na caixa de mensagens... Mas já limpei lá!


abraço,
alexandre

NMA
25-03-2012, 13:38
Olá Marcelo,

sou daqui do RJ também, assim que estiver tudo pronto por aqui eu entro em contato com você. O sistema que está montado aqui em casa hoje e estou ouvindo, está quebrando um baita galho, porém é um setup que iria montar em outro ambiente e desisti da ideia. Acabei me desfazendo de todo o meu setup principal e estou montando este novo setup.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



---------- Mensagem adicionada às 12:53 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 12:49 ----------

Nelsom,

muito obrigado, tenho certeza de que estou no caminho certo. Porém acho que a escolha da caixa será mais difícil ainda, porém não impossível.:bD


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Aceita uma sugestão ..., mas ouça primeiro - lógico!!!

Ricardo Nonato
25-03-2012, 13:43
Olá Nelsom,

claro que aceito!:legal:

robadia
25-03-2012, 13:55
Ricardo, onde vc conseguiu ouvir os Dart por muito tempo? Na Logical? Eu gostaria de tentar com as KEFs. Ninguem nunca mencionou esse casamento.

jimmyk70
25-03-2012, 13:56
[QUOTE=Ryche;4061077]Minha frase é verdadeira, voce mesmo disse que os Krell tocaram com mais grave, e o integrado nao, e eu disse que estou para ver um integrado que toque uma caixa destas com autoridade e energia.
E isto significa toda a amplitude do grave ao agudo, capou o grave, ja nao entra no meu gosto.

Como ele pode nao ter energia para soltar os graves mas ao mesmo tempo nao distorcer os agudos?
Ou toca tudo ou nao toca, como pode ser correto em uma "parte do som" mas nao na outra e ser considerado "referencia"?

Comprar um power de 1000W para tocar com uma Horn de 106db é um erro semelhante ao comprar um power de 100W para uma caixa gigante.

Ryche
É isso mesmo que quis dizer ao citar que dentro das Sonus Faber ele casaria melhor com uma Cremona M. Independente de ser a minha preferencia como resultado ou nao. Muito bem colocado.
Ricardo
Parabens pelo caminho trilhado, de pesquisar , ouvir e escolher o que mais gosta!
E Paranens pela excelente aquisiçao , agora é só seguir buscando sinergia com calma! Quando tiver pronto estarei na fila para conhecer seu sistema!
Abcao

Ricardo Nonato
25-03-2012, 14:03
Olá Raphael,

pude ouvir na Logical, em lojas fora do país, e na casa de alguns amigos. Em todas as ocasiões fiquei extremamente satisfeito com as audições, além do fato de fazer novos amigos, que é muito importante.

Eu não teria como lhe falar a respeito das KEFs com os darTZeel, pois nunca tive muito contato com as caixas, ouvi poucas vezes em feiras.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.


Ricardo, onde vc conseguiu ouvir os Dart por muito tempo? Na Logical? Eu gostaria de tentar com as KEFs. Ninguem nunca mencionou esse casamento.

Ricardo Nonato
25-03-2012, 14:41
Jimmy,

obrigado, você sabe bem o quanto andei pesquisando e ouvindo até tomar esta decisão. E acredito que neste caso o gosto pessoal contou muito. Depois de definir as caixas, aí sim será a melhor parte, os ajustes finais.:legal:

Pode ter certeza, que assim que estiver tudo pronto, não só você como o Brandão, o Douglas, o Marcossy e toda a turma aí será muito benvinda aqui em casa.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.




Ricardo
Parabens pelo caminho trilhado, de pesquisar , ouvir e escolher o que mais gosta!
E Paranens pela excelente aquisiçao , agora é só seguir buscando sinergia com calma! Quando tiver pronto estarei na fila para conhecer seu sistema!
Abcao

jl audio f113
25-03-2012, 16:17
Sei que aqui é clube do Dartzeel,mas deixo meu relato:Aqui em casa o AR VSi60 toca maravilhosamente as 804N,apenas 50 Watts,e olha que essas caixas são 89db,agora se a caixa não está compátivel com o integrado isso eu não sei,o fato é que fico de queixo caido como os 50 Watts dele parecem uns 200 tocando.

fibra
25-03-2012, 16:40
Ricardo, parabéns pela aquisição. Certamente, vc acertou no alvo certeiro ! :)

Abração

Ricardo Nonato
25-03-2012, 23:50
Olá Fibra,

desculpe a demora em responder, havia saído mais cedo e cheguei quase agora em casa. Muito obrigado pelas palavras, acredito também que tenha acertado, tenho pesquisado e ouvindo bastante coisa, então acho que consegui criar um parâmetro dentro do meu gosto pessoal, que de repente pode não agradar algumas pessoas, porém isso é subjetivo. É lógico que esta é apenas minhas opinião, e estou passível de erros, assim como todos.

Daqui a pouco estarei postando minhas impressões a respeito do sistema, aí é onde começa a ficar bom!:tu:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

fibra
26-03-2012, 00:19
Ricardo, ficarei na escuta de suas impressões, mas já sabendo dos excelentes predicados desta obra de arte. :tu:

Abraços

Miro Teixeira
26-03-2012, 07:23
tenho pesquisado e ouvindo bastante coisa, então acho que consegui criar um parâmetro dentro do meu gosto pessoal,

Este é o caminho:concordo:

Ricardo, parabéns pelo UP:aplauso:

Esperamos ansiosos pelas suas impressões:D

Abraços

Ricardo Nonato
26-03-2012, 09:16
Miro,

obrigado pela força. Você também é daqui do RJ, aí fica mais fácil conferir e pessoalmente o sistema.:legal:

Não vejo a hora de tudo ficar pronto, e poder receber os amigos.


Fibra,

pode deixar, assim que tiver condições começo a postar.:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

NMA
26-03-2012, 09:32
Olá Nelsom,

claro que aceito!:legal:

Segue MP:tu:

Ricardo Nonato
26-03-2012, 10:03
Nelsom,

MP respondida:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Miro Teixeira
26-03-2012, 21:17
Miro,

obrigado pela força. Você também é daqui do RJ, aí fica mais fácil conferir e pessoalmente o sistema.:legal:



Com certeza será um prazer:D

Abraços

Ricardo Nonato
27-03-2012, 09:48
Bom dia Sidney,

criamos o Clube darTZeel, pode ficar a vontade para postar lá. Inclusive seus posts são totalmente enquadrados ao tema do tópico.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

jimmyk70
27-03-2012, 11:04
Caro Ricardo
Nao fique chateado, como voce muitas pessoas gostam do Dartzeel e isso é o mais importante! As suas impressoes!
Acho que o Sidao postou nesse topico! Com pertinencia, porque ele questiona em seu tema se Dartzeel é a novo maravilha do audio. Ele achou uma opiniao contraria . Acho que ele nao postaria no topico Dartzeel alguma referencia negativa. Ele tem ética de sobra em minha opiniao.
Como disse no começo , sempre melhor confiarmos em nos mesmos!
Claro que os reviews principalmente de criticos especializados servem de referencia, mas apenas isso. Claro que ha interesses comerciais...aqui como la fora! La tambem ocorre o que acontece claramente aqui com mais veemencia. Por exemplo, aqui a publicaçao mais conhecida parece de tempos em tempos " adotar" um representante de marcas e ir com ele até o " fim" . La fora, raras vezes vi um anunciante ter algum produto seu criticado vorazmente.
Repetindo , claro que os reviews valem , mas muito menos que nossas proprias percepçoes! Curta sua nova aquisiçao! voce pesquisou e merece!
Abcs

Fabio Venan
27-03-2012, 11:13
Ricardo,

Parabéns pela aquisição!

Ouviu, gostou, comprou.

Fez tudo certo...

Abração,
Fabio.

robadia
27-03-2012, 11:41
Jimmy, me desculpe novamente, mas o Sidney parece que tem algum problema em especial com os Dartzeel. A afirmativa que ele próprio fez, sem pé nem cabeça, sem nem ter mencionado que de fato ouviu o equipamento, denota.


. Realmente, vc esta plenamente correto, porque, afinal, a Cremona M êh muito melhor.

Quando eu disse que as Cremona não pareciam estar no patamar dos Dartzeel, foi unicamente pela faixa de mercado que os dois representam.

Além do mais, o Vlamir representa várias grandes marcas, consagradas. Não se pode negar que as EA, Dartzeel e Playback são equipamentos bem falados não só por reviews, mas como usuários de fóruns gringos.
Se vc for reparar, pode-se desconfiar de uma "adoção", como vc mesmo diz, de outro vendedor de grandes marcas, Geremias, pelo próprio Sidney e outros por aqui.

Veja, não conheço a pessoa e esse não é um ataque. Também não sou amigo do Vlamir, tampouco do Geremias, e tenho minhas questões pessoais com a política comercial da Logical.

jimmyk70
27-03-2012, 12:05
Raphael
Sem advogar para ninguem . Este é um topico que pergunta se Dartzeel é a nova maravilha do audio ou nao. Como colocaram pontos positivos, ele colocou pontos negativos colocados por uma publicaçao seria.
Penso que ele quis dizer ao se referir a Cremona M , é que independentemente de preço, ele prefere ter uma cRemona M a um Dartzeel . Alias nem pode-se fazer comparaçoes diretas , afibnal sao banana e tomate. Uma posiçao pessoal.
Muitas marcas do Vlamir sao mais consagradaas aqui do quela fora, o que nao as desmerecem em nada , tendo em vista que penso aqui termos muita gente com bons ouvidos e percepçao addquada, dentre eles o Andretti, seja la sus politica comercial que for.
O Sidao , que tenho o prazer de compartilhar da amizade e convivencia, gosta de algumas marcas do Geremias. Mas obviamente , nao possue nenhum interesse comercial nisso. Muito pelo contrario , como em qualquer relaçao clente! Fornecedor ja teve seus entreveros normais.
Sao minhas opiniaoe . Nada alem!
Abcao

Ricardo Nonato
27-03-2012, 13:28
Olá Jimmy,

primeiramente quero deixar bem claro que não tenho nada contra ninguém. E de maneira alguma fico chateado, até porque comprei o aparelho que mais me agradou. Aliás quem ficaria triste ou chateado por ter comprado algo que de certa forma, pode ser um sonho alcançado, não é verdade? Tenho certeza de que está muito satisfeito, por exemplo, tendo a oportunidade de ouvir as Aida todo dia.

O que na verdade me deixa um pouco chateado, é que após um dia de criação do Clube darTZeel, o que achei bastante pertinente para reunir informações a respeito, tal situação ocorrer. Principalmente pelo fato do equipamento criticado em questão, ter sido a minha opção de compra e eu ter compartilhado esta informação aqui no fórum; ERRO MEU!

Mas deixa pra lá, agora entendo o porque muita gente não fala a respeito de upgrades, e de componentes do próprio sistema. Taí um conselho que eu não havia seguido, e olha o resultado?

De uma coisa pode ter certeza, um dos meus últimos intuitos aqui é competir com alguém. Você me conheceu pessoalmente, e posso lhe garantir que sou aquilo que pôde ver em pouco tempo.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Caro Ricardo
Nao fique chateado, como voce muitas pessoas gostam do Dartzeel e isso é o mais importante! As suas impressoes!
Acho que o Sidao postou nesse topico! Com pertinencia, porque ele questiona em seu tema se Dartzeel é a novo maravilha do audio. Ele achou uma opiniao contraria . Acho que ele nao postaria no topico Dartzeel alguma referencia negativa. Ele tem ética de sobra em minha opiniao.
Como disse no começo , sempre melhor confiarmos em nos mesmos!
Claro que os reviews principalmente de criticos especializados servem de referencia, mas apenas isso. Claro que ha interesses comerciais...aqui como la fora! La tambem ocorre o que acontece claramente aqui com mais veemencia. Por exemplo, aqui a publicaçao mais conhecida parece de tempos em tempos " adotar" um representante de marcas e ir com ele até o " fim" . La fora, raras vezes vi um anunciante ter algum produto seu criticado vorazmente.
Repetindo , claro que os reviews valem , mas muito menos que nossas proprias percepçoes! Curta sua nova aquisiçao! voce pesquisou e merece!
Abcs

Davide
27-03-2012, 14:13
Ricardo, parabéns pela compra :legal: na verdade nenhum aparelho, qualquer que seja em qualquer faixa de preço, é unanimidade entre audiófilos ou articulistas, importante é ter ouvido, gostado e pago :p portanto parabéns mais uma vez e curta muto o brinquedo.

Achava apenas que, não seria necessário abertura de Clube específico a ele, bastaria mudar o nome deste tópico e unificar todo o escrito a respeito dele num único local, muitos tópicos começaram como Impressões, ou Avaliações Iniciais e depois viraram Clube :legal: era só pedir para a Moderação mudar, mas enfim, foi só um pitaco.

Abraços

Ricardo Nonato
27-03-2012, 14:21
Olá Davide,

eu cheguei a pensar nisso, porém se dermos uma olhada mais detalhada nas entrelinhas do tema do tópico, nota-se um certo sarcasmo, isso é lógico em minha opinião. Mas se for o caso, poderíamos estar tentando fazer isso sem problema algum, opiniões e críticas construtivas serão sempre bem aceitas.

E agradeço também pelas palavras a respeito do equipamento, compartilho da mesma opinião que a sua.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.


Ricardo, parabéns pela compra :legal: na verdade nenhum aparelho, qualquer que seja em qualquer faixa de preço, é unanimidade entre audiófilos ou articulistas, importante é ter ouvido, gostado e pago :p portanto parabéns mais uma vez e curta muto o brinquedo.

Achava apenas que, não seria necessário abertura de Clube específico a ele, bastaria mudar o nome deste tópico e unificar todo o escrito a respeito dele num único local, muitos tópicos começaram como Impressões, ou Avaliações Iniciais e depois viraram Clube :legal: era só pedir para a Moderação mudar, mas enfim, foi só um pitaco.

Abraços

asiufy
27-03-2012, 14:29
Como já mencionei em outro tópico (acho que foi em outro, nem sei mais!), o Dartzeel continua sendo o equipamento mais atacado, e menos ouvido do Brasil :D
Já tinha lido o tal "review", assim com aspas mesmo, da What Hi Fi. Inclusive assinava a tal revista. Maior desperdício de dinheiro, pois a revista é um lixo.
Os reviews são o que se vê ali, mega superficiais. E vamos combinar, se você vai reclamar que faltou dinâmica e graves, pelo menos mencione com qual (ou quais) caixas o equipamento foi testado, certo?
Bem, deixa pra lá. O que sei é que todos que se dão ao trabalho de ouvir, com a mente aberta, acabam gostando. Quem sabe se o Geremias não pegar a representação, também não passam a gostar? :D


abraço,
alexandre

Ricardo Nonato
27-03-2012, 14:30
Olá Fabio,

muito obrigado, pode ter certeza de qua ainda irei curtir bastante o brinquedo novo.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Ricardo,

Parabéns pela aquisição!

Ouviu, gostou, comprou.

Fez tudo certo...

Abração,
Fabio.

Davide
27-03-2012, 14:44
Alexandre, concordo :legal:

Como já mencionei em outro tópico (acho que foi em outro, nem sei mais!), o Dartzeel continua sendo o equipamento mais atacado, e menos ouvido do Brasil


por isso que sou leitor deste tópico e não escritor, tem muito palpite e achismo, mas isso é uma "lógica" em muitos tópicos em qualquer fórum, haja vista os tópicos de carros, no lançamento de algum novo modelo já aparecem dezenas e dezenas de opiniões contrárias de pessoas que nem sequer realizaram um simples test-drive,

abraços

Neube
27-03-2012, 15:06
Bom, caros colegas deste tópico, vou dar minha resenha sobre o que ouvi, e não o que li ou ouvi de terceiros sobre o Dartzeel.


Estive na casa de um amigo ouvindo a seguinte configuração: Integrado Dartzeel com par de caixas Wilson Áudio Maxx 2, pré Áudio Research Reference 5, CD Áudio Research Reference 8 e alguns cabinhos da MIT tanto de força como de conexão.


Para começo de conversa, não estava acreditando que aquele integrado daquele tamanho estava tocando aquelas caixas Maxx 2 com os pés nas costas, que clareza de som, foi a primeira vez que ouvi todo o conjunto com os músicos nas suas posições de gravação e cada qual tocando sentado ou em pé, e qualquer disco que colocava-mos tocava uma barbaridade, colocamos gravações das piores e as ditas Audiofilas e as diferenças entre eles ficaram menores. O som fluía, simplesmente fluía sem o menor esforço por parte de nós para ouvirmos qualquer nota musical.


Se tivesse condições comprava um, mas o problema é que teria que trocar todo meu equipamento, porque o Dartzeel não é compatível com qualquer caixa, não ouvi tocando com B&W, mas um amigo que tenho como uma pessoa séria e não impressionável com coisas menos importantes não gostou do resultado com a B&W.


Parabéns para quem comprou ou vai comprar um Dartzeel, é um equipamento excelente, sério, para pessoas que gostam de aparelhos e para aqueles que gostam de ouvir musica, fico imaginando como seria o som de um Pré e Power Dartzeel com aquelas Maxx 2.


Abraço a Todos.

Neube.

fibra
27-03-2012, 16:44
http://cgim.audiogon.com/i/vs/s/f/1204735892.jpg

Olha lá o bixinho DarTzeel no meio do salão.

:)


Abraços aos amigos.

asiufy
27-03-2012, 16:54
Oi Sidão,

Como você não endereçou seu post, não sei se ele foi destinado à mim.
De qualquer maneira, se eu fui o alvo, peço desculpas, pois acredito ter sido infeliz no que escrevi, até porque não me recordo de insinuação alguma ter sido colocada neste tópico, ao menos não por mim.
A brincadeira que fiz, com a questão do Geremias, foi baseada em um fato. O fato é que todos os seus equipamentos, até onde sei, são de marcas representadas pelo Geremias. Sendo assim, usando apenas a probabilidade, há mais chances de alguma marca que passou pelo crivo deste importador agradar-lhe do que outra que ele não tenha interesse em representar!
Escrevi ainda outro dia que nada é perfeito, muito menos algo feito por homens, cheios de imperfeições. Duvido até que o projetista do Dartzeel ache que suas criações são perfeitas :D Sendo assim, não vejo unanimidade, tão pouco uma "verdade absoluta".
O que eu enxergo, entendo, e respeito, são gostos pessoais, maneiras diferentes de escutar música. Eu encontrei a minha maneira, depois de ouvir muita coisa diferente, e fico feliz por todos que conseguem fazer o mesmo, seja com Dartzeel, McIntosh, Krell, Vitus, Gryphon, o que seja, pois estes são apenas as ferramentas.

abraço,
alexandre

---------- Mensagem adicionada às 16:54 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 16:50 ----------

Neube,

Parabéns pela oportunidade de ouvir um sistema tão bacana! Parabéns também ao dono deste setup, afinal, o que seria do mundo sem estas pessoas que realmente pensam "outside the box", deixando de lado os paradigmas que "X não toca Y", "Y não aguenta X", etc.
O integrado estava tocando com ou sem o pré da AR???
Ah, parece que aí em BH tem o primeiro e único par de monoblocos Dartzeel do Brasil! Um dia eu chego lá :D


abraço,
alexandre

jimmyk70
27-03-2012, 16:59
è isso aí mesmo Ricardo!
O importante é ser feliz com as conquistas
. Apenas coloquei porque vi que vc havia ficado chateado com a colocação do Sidao .
O conhecendo tenho absoluta certeza que ele nao fez para te criticar ou qualquer escolha sua!
abacao

Ricardo Nonato
27-03-2012, 17:28
Olá Jimmy,

sem problema algum, pode ter certeza que estarei aproveitando cada minuto curtindo o novo sistema. A caminhada ainda será grande, até terminar todo o sistema.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Neube
27-03-2012, 17:34
Alexandre,

Citei o pré Áudio Research Reference 5 na empolgação, foi um descuido, ele não estava ligado nesta configuração, o integrado Dartzeel que estava tocando era emprestado, o dono da sala ficou tão entusiasmado com ele que já comprou os monoblocos, não sei se é o mesmo que você falou no seu post acima, não tive a oportunidade de ouvi-los com o pré Reference 5 ainda, uma audição que promete no mínimo surpresas boas.

Abraço.

Neube.

Ryche
27-03-2012, 17:53
...Aliás quem ficaria triste ou chateado por ter comprado algo que de certa forma, pode ser um sonho alcançado, não é verdade?


Sonho realizado "nao tem preço" :tu:

tambem acabei de realizar o meu, posso falar com propriedade de causa :) :legal:

Ricardo Nonato
27-03-2012, 17:58
Ryche,

concordo em gênero, número e grau.:tu:

Já te parabenizei pela conquista, acho que isso faz engrandecer o nosso hobby. Embora sejam equipamentos diferentes, conseguiram nos deixar igualmente felizes!:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Ryche
27-03-2012, 18:10
Ricardo, voce vai de Digital ou Vinil?

Ricardo Nonato
27-03-2012, 18:11
Ryche, por enquanto vou de digital!

MaxxHK
27-03-2012, 20:44
Se tivesse condições comprava um, mas o problema é que teria que trocar todo meu equipamento, porque o Dartzeel não é compatível com qualquer caixa, não ouvi tocando com B&W, mas um amigo que tenho como uma pessoa séria e não impressionável com coisas menos importantes não gostou do resultado com a B&W.



Ouvi o CTH8550 com as pequeninas, mas excelentes B&W 805D, bom, foi muito rápido, mas acredito também que não é o melhor casamento e essa também era a impressão do amigo que estava comigo e tinha mais horas de audição da dupla. B&W´s são caixas enjoadas de se acertar com qualquer amplificador ou cabo e o DartZel também deve ser "marrento":D. Nem vou entrar em mais detalhes, porquê realmente 30 minutos de audição, é muito pouco. Gostaria de ouvir com outras caixas, e com mais tempo para uma impressão mais concreta.

Tem que se fazer o que o Ricardo fez antes da decisão final, ouvir e ter a sua própria opinião. Isso é o que importa:legal:

Parabéns Ricardo pela escolha, mesmo tendo ouvido pouco o equipamento, tenho a certeza de que o equipamento tem "pedigree" e com tempo, dedicação e feeling pessoal, vai lhe dar muitas felicidades:legal:

Forte abraço

Sphinx
27-03-2012, 21:12
Cavalheiros, não custa lembrar que o nome deste tópico é "DARTZEEL- a nova maravilha da Audio Vídeo Magazine?", portanto, podem falar bem ou mal, o importante é não deixar de escrever para ampliar o debate e ajudar que está indeciso.

Álvaro Coutinho
27-03-2012, 23:33
Olá,


Tem que se fazer o que o Ricardo fez antes da decisão final, ouvir e ter a sua própria opinião. Isso é o que importa:legal:

Acho que é exatamente isso, como muitos aqui já disseram, e mais, como todos aqui sabem que é assim. Os ouvidos dos outros são, apenas, referências. Os nossos é que mandam. Pelo menos, deveria ser assim, todos concordamos. :concordo:

Aqueles que se deixam levar pelos ouvidos dos outros (e não nos enganemos, eles existem), podem, não é certeza, sofrer decepções mais adiante... ;)

No entanto, há esse outro aspecto:


Faça-me o favor quem ainda leva a sério algum rewiew de qualquer revista ou articulista de qualquer parte do planeta.

Isso foi feito não tem muito tempo, na forma de um link, ou seja, "melhor" ainda do que se copiar/colar. Só que no caso a matéria era enaltecedora de caixas acústicas. Mas no que se refere à atitude, foi considerado normal, sem nada de errado. Então, acho apenas que se deve ter, sempre, a mesma medida para os dois lados da questão. Mesmo "tratamento" para quem quer elogiar e para quem quer questionar ou criticar.

Por todas as minhas conversas com o Ricardo ao longo de sua busca, tenho certeza de que ele fez a compra embasado no que tinha de melhor para escolher. Claro está que não ouviu tudo e sim o que as circunstâncias lhe permitiram ouvir (durante o processo bem o vi variar de tendências, coisa absolutamente inserida no processo de busca e seleção :tu:). No Brasil, quantos de nós conseguem isso? Dá pra contar sem se perder.

Ricardo Nonato
27-03-2012, 23:44
Olá Max,

agradeço pelas palavras, realmente a melhor coisa que fiz foi ouvir antes de tomar uma decisão. Com isto, estou convicto do caminho que estou trilhando, pode ter certeza.:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Tem que se fazer o que o Ricardo fez antes da decisão final, ouvir e ter a sua própria opinião. Isso é o que importa:legal:

Parabéns Ricardo pela escolha, mesmo tendo ouvido pouco o equipamento, tenho a certeza de que o equipamento tem "pedigree" e com tempo, dedicação e feeling pessoal, vai lhe dar muitas felicidades:legal:

Forte abraço

---------- Mensagem adicionada às 23:44 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 23:37 ----------

Olá Álvaro,

expressou muito bem o que aconteceu, e realmente indecisões são quase uma constante quando se tem um leque gigantesco de escolhas.:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Por todas as minhas conversas com o Ricardo ao longo de sua busca, tenho certeza de que ele fez a compra embasado no que tinha de melhor para escolher. Claro está que não ouviu tudo e sim o que as circunstâncias lhe permitiram ouvir (durante o processo bem o vi variar de tendências, coisa absolutamente inserida no processo de busca e seleção :tu:). No Brasil, quantos de nós conseguem isso? Dá pra contar sem se perder.

Ryche
28-03-2012, 00:28
escolher o equipamento é a parte fácil vai...

dificil é a hora de assinar o cheque, bate um remorso. :D :legal:

Álvaro Coutinho
28-03-2012, 00:35
Olá,

:lol:


dificil é a hora de assinar o cheque, bate um remorso. :D :legal:

Mas é tão breve, passa tão rápido, e tantas e tantas horas e dias de pura alegria e emoção depois... :feliz: :riso:

Ricardo Nonato
28-03-2012, 00:36
hahahahahaha... podia pular esta parte né!!! :bD

Ryche, havia me perguntado a respeito de digital ou vinil, teria alguma sugestão ou ponderação?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Ryche
28-03-2012, 00:47
Ricardo,

É dificil opinar, eu sou do dominio digital, mas tenho uma enorme vontade de ter um TD, so nao o fiz ate hoje por causa do trabalho que dá e das midias dificeis de encontrar.

Estou esperando o novo DAC da Electrocompaniet que parece vem com uma arquitetura completamente nova, parece que vai humilhar alguns grandes DACs por ai se uma noticia se confirmar de alguns componentes internos... :legal:

o Vinil para tocar bem custa mais que um setup digital top e tem muitos voodoos para conhecer e aprender, quem sabe um dia eu me aventuro. :tu:

Álvaro Coutinho
28-03-2012, 00:51
Olá,

Ryche,

Por tudo, acho exatamente que o analógico do vinil seja o seu contraponto perfeito. Tá faltando só "aceitar" isso... ;) :legal:

Ricardo Nonato
28-03-2012, 00:54
Ryche,

é melhor eu ter mais alguns anos de experiência para me aventurar numa empreitada destas. Porém em relação ao digital, montei um computador com as configurações idênticas ao que foi proposto pelo EdisonCh, e está aqui sem uso no momento. Tenho também macbook.

Poderia me dar um auxílio por MP?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Davide
28-03-2012, 07:46
Ricardo, teu Dart já veio com a placa de pré de phono nele?

Dizem que é um excelente estágio phono, sendo assim, já é se não meio passo, um belo início para um vinil :legal: este integrado merece isso :concordo:

abraço

Neube
28-03-2012, 08:33
Max,


O interessante neste tópico é que quando uma pessoa como eu coloca uma resenha do que ouviu do Dartzeel, audição de mais de cinco horas, seja falando bem ou mal, ninguém comenta absolutamente nada, exceção do colega Alexandre e você.

É fato que a perfeição absoluta não existe para nenhum equipamento, porque os gostos são infinitos, as configurações são infinitas, as salas são de concepções infinitas (a sala corresponde em 50% na qualidade do que se houve do equipamento), então sempre vão ter pessoas que não apreciaram o Dartzeel ou qualquer outro equipamento de som.

Concordo com você no que diz a respeito de rewiew, seria interessante que além da pessoa copiar um rewiew e colar aqui, ela também fizesse a tradução para o português, que seria a coisa mais sensata a se fazer, este e um Fórum na língua Portuguesa, e tradução sem o apoio do Google tradutor que é uma porcaria de tradução, além é claro de sua própria experiência com o tal aparelho do rewiew, porque o mais importante é sua própria opinião, que relate aqui o que ouviu, os contras do equipamento, será muito útil às experiências de audição dos colegas copiadores de rewiew, vejo claramente aqui neste Fórum muitas pessoas apoiando rewiew e enchendo colegas de agradecimentos sem sequer conhecer o equipamento pessoalmente, são pessoas sem opinião própria, vão pela onda dos famosos.

Abraço.

Neube.

NMA
28-03-2012, 10:10
Ryche, por enquanto vou de digital!

Agora caro você me desapontou:lol::lol::lol:

MaxxHK
28-03-2012, 10:12
Max,


O interessante neste tópico é que quando uma pessoa como eu coloca uma resenha do que ouviu do Dartzeel, audição de mais de cinco horas, seja falando bem ou mal, ninguém comenta absolutamente nada, exceção do colega Alexandre e você.



Neube,

em breve, assim que espaçar mais um tempo, devo fazer uma audição do Dart com KEF Reference, uma amigo gringo possui essa configuração, com cabos siltech, player esoteric e um PC preparado para audio. Eu que sou adepto de uma marca só no sistema(exceto caixas), acho isso salada danada, mas depois digo como estava:legal:

Abraços

marcoantonio
28-03-2012, 10:22
Nonato,

Comece a pensar no analógico com carinho. A mídia existe há um século e até hoje, apesar da tecnologia, o som é imbatível.

E não dá tanto trabalho assim depois de ajustado. E, mesmo com todo o trabalho, se for o caso, a resposta em qualidade compensa muito.:legal:

Ryche
28-03-2012, 10:22
Agora caro você me desapontou:lol::lol::lol:

Ah, essa é uma discussão sem fim, eu nem tenho onde colocar as midias mais, a sala está tomada pela eletronica, quando eu me mudar para a casa e tiver um rack da AVID, penso seriamente em colocar um Vinil, mas dai começar a comprar toda minha coleção de Prog nessa altura do campeonato, é duro heim. :(

Ricardo Nonato
28-03-2012, 10:35
Olá Davide,

ele virá com pré de phono sim. Quem sabe o Nelsom não esteja afim de fazer alguns testes com o integrado e vinil? :lol:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Ricardo, teu Dart já veio com a placa de pré de phono nele?

Dizem que é um excelente estágio phono, sendo assim, já é se não meio passo, um belo início para um vinil :legal: este integrado merece isso :concordo:

abraço

---------- Mensagem adicionada às 10:30 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:24 ----------

Olá Neube,

quanto a sua audição do dart com Wilson Audio, eu havia comentado lá no Clube darTZeel, ok!:tu:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Max,


O interessante neste tópico é que quando uma pessoa como eu coloca uma resenha do que ouviu do Dartzeel, audição de mais de cinco horas, seja falando bem ou mal, ninguém comenta absolutamente nada, exceção do colega Alexandre e você.

É fato que a perfeição absoluta não existe para nenhum equipamento, porque os gostos são infinitos, as configurações são infinitas, as salas são de concepções infinitas (a sala corresponde em 50% na qualidade do que se houve do equipamento), então sempre vão ter pessoas que não apreciaram o Dartzeel ou qualquer outro equipamento de som.

Concordo com você no que diz a respeito de rewiew, seria interessante que além da pessoa copiar um rewiew e colar aqui, ela também fizesse a tradução para o português, que seria a coisa mais sensata a se fazer, este e um Fórum na língua Portuguesa, e tradução sem o apoio do Google tradutor que é uma porcaria de tradução, além é claro de sua própria experiência com o tal aparelho do rewiew, porque o mais importante é sua própria opinião, que relate aqui o que ouviu, os contras do equipamento, será muito útil às experiências de audição dos colegas copiadores de rewiew, vejo claramente aqui neste Fórum muitas pessoas apoiando rewiew e enchendo colegas de agradecimentos sem sequer conhecer o equipamento pessoalmente, são pessoas sem opinião própria, vão pela onda dos famosos.

Abraço.

Neube.

---------- Mensagem adicionada às 10:32 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:30 ----------

Grande Nelsom,

somente "POR ENQUANTO", ainda tem muito desenrolar.:D


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Agora caro você me desapontou:lol::lol::lol:

---------- Mensagem adicionada às 10:35 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:32 ----------

Max,

depois dessa audição poderia postar lá no Clube darTZeel, fiquei curioso com a utilização dos Siltech, tenho aqui um Classic 25th Anniversary 770L G7.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Neube,

em breve, assim que espaçar mais um tempo, devo fazer uma audição do Dart com KEF Reference, uma amigo gringo possui essa configuração, com cabos siltech, player esoteric e um PC preparado para audio. Eu que sou adepto de uma marca só no sistema(exceto caixas), acho isso salada danada, mas depois digo como estava:legal:

Abraços

NMA
28-03-2012, 10:48
Cavalheiros, não custa lembrar que o nome deste tópico é"DARTZEEL- a nova maravilha da Audio Vídeo Magazine?", portanto, podem falar bem ou mal, o importante é não deixar de escrever para ampliar o debate e ajudar que está indeciso.

Sphinx, bom dia

Opiniões são muitas - o relevante é "ouvir" se possível mais de uma vez e em condições ideais:tu:
Existe um príncipio na audiófilia, chamado: "preferências" por um som "warm", ou dito "quente" que não é o caso dos Darts!

O som dos Darts primam por apresentar um som "analítico", isto é, "transparência" absolutamente transparente.

É possível associar as "características predominantes dos equipamentos - fabricantes diferentes" para que de certa forma possamos "equilibrar" ao nosso gosto pessoal, isto é, sem que prevaleça uma assinatura sonica no set up, resposta: sim, mas de que maneira? Experimentando diversas associações e fazendo a "dança dos cabos"! Não se esqueçendo das compatiilidades com casamentos de impedância entre os equipamentos, fazendo de forma correta, e, tantos outros "features" que se exige da eletrônica:riso::riso::riso:

Audiofilia é para loucos ... acabei me entregando:hilario:

---------- Mensagem adicionada às 10:43 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:37 ----------


escolher o equipamento é a parte fácil vai...

dificil é a hora de assinar o cheque, bate um remorso. :D :legal:

Por favor - não posta isto não:hilario::hilario::hilario::hilario:

---------- Mensagem adicionada às 10:44 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:43 ----------


hahahahahaha... podia pular esta parte né!!! :bD

Ryche, havia me perguntado a respeito de digital ou vinil, teria alguma sugestão ou ponderação?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Sempre vinil:tu:

---------- Mensagem adicionada às 10:48 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:44 ----------




o Vinil para tocar bem custa mais que um setup digital top e tem muitos voodoos para conhecer e aprender, quem sabe um dia eu me aventuro. :tu:

Ponderação sensata e madura. Parabéns pela sua explanação sucinta porém profunda!!!

Ricardo Nonato
28-03-2012, 10:50
Olá Marco Antonio,

já estou pensando, o negócio é amadurecer a ideia. Tenho pouco contato com TD, mas é uma excelente ideia.:tu:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.



Nonato,

Comece a pensar no analógico com carinho. A mídia existe há um século e até hoje, apesar da tecnologia, o som é imbatível.

E não dá tanto trabalho assim depois de ajustado. E, mesmo com todo o trabalho, se for o caso, a resposta em qualidade compensa muito.:legal:

NMA
28-03-2012, 11:02
Olá Marco Antonio,

já estou pensando, o negócio é amadurecer a ideia. Tenho pouco contato com TD, mas é uma excelente ideia.:tu:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Quando quizer ingressar ou mesmo fazer uma imersão é so solicitar - quando será?

---------- Mensagem adicionada às 11:02 ---------- Mensagem anterior foi enviada às 10:59 ----------


Neube,

em breve, assim que espaçar mais um tempo, devo fazer uma audição do Dart com KEF Reference, uma amigo gringo possui essa configuração, com cabos siltech, player esoteric e um PC preparado para audio. Eu que sou adepto de uma marca só no sistema(exceto caixas), acho isso salada danada, mas depois digo como estava:legal:



Abraços


MaxxHK,

Não deixe de postar suas impressões - experiência muito interessante.

Ricardo Nonato
28-03-2012, 11:13
Nelsom,

logo estaremos fazendo estes testes.:bD

Pessoal, o que acham de utilizarmos o Clube do darTZeel? Pois o tema deste tópico, a meu ver, tem outro sentido. E já tem muitas informações que poderiam estar abrilhantando o clube.:legal:


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

robadia
28-03-2012, 11:25
Neube,

em breve, assim que espaçar mais um tempo, devo fazer uma audição do Dart com KEF Reference, uma amigo gringo possui essa configuração, com cabos siltech, player esoteric e um PC preparado para audio. Eu que sou adepto de uma marca só no sistema(exceto caixas), acho isso salada danada, mas depois digo como estava:legal:

Abraços

Max, isso muito me interessa. Por favor não deixe de comentar, dizendo inclusive qual é o DAC e o player que são usados.

Abs.

MaxxHK
28-03-2012, 12:23
Max, isso muito me interessa. Por favor não deixe de comentar, dizendo inclusive qual é o DAC e o player que são usados.

Abs.

Assim que possível:legal: Pode deixar:D

Abraços

Neube
28-03-2012, 16:52
Maxx,

Gostei do termo usado, também faço do meu sistema uma verdadeira salada mista, tá um tempero muito bom, doce e azedo ao mesmo tempo, um dia qualquer quero trocar meu pré e ficar igual à marca do Power, espero que mude para melhor, lógico que testando muito para ver se vale a pena a substituição.


Não tive a oportunidade de ouvir ainda as caixas KEF, só vejo elogios feitos a elas, estou esperando o resultado desta salada de aparelhos que você vai ter o prazer de ouvir.

Abraço.

fibra
29-03-2012, 01:03
http://cgim.audiogon.com/i/vs/i/f/1332255259.jpg

:)

Abraços aos amigos.

MaxxHK
29-03-2012, 01:44
Neube, Ricardo e Raphael,

quando eu fizer a audição do DartZel com as KEF, passarei por MP as impressões:legal:

Abraços

Ricardo Nonato
29-03-2012, 11:21
Fibra,

como faço para colocar postar foto em tamanho real?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Ricardo Nonato
29-03-2012, 11:33
Ok Max, pode enviar!:legal:

fibra
29-03-2012, 15:44
Fibra,

como faço para colocar postar foto em tamanho real?


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

Ricardo, coloque assim:

<endereço_da_foto>

Se a foto for originalmente pequena, aparecerá pequena aqui. Se a foto for originalmente muito grande, será apresentada aqui reduzida ao padrão do forum. Neste último caso, há a opção em que qq usuário ao clicar na parte superior da foto [faixa amarela em destaque] poderá vê-la no tamanho original [grande].

Abraços

firebladerio
29-03-2012, 15:52
Fibra tentei aqui e não consegui, pelo flirk funciona??

http://flic.kr/p/btmBzE

Grato

Marcelo

Ricardo Nonato
29-03-2012, 15:53
Fibra,

valeu pela dica.


Grande abraço,
Ricardo Nonato.

fibra
29-03-2012, 16:29
http://farm8.staticflickr.com/7105/6873135004_41debe24e3_b.jpg

Marcelo,
entre no meu post [clicando em Citar] e veja que o arquivo de foto é um "XXXXXXX.jpg". Neste caso, mesmo sendo uma foto em tamanho grande, ela não ultrapassou o tamanho padrão do forum, por isso não apareceu a faixa amarela na parte de cima da foto. Vcs a estão vendo no tamanho origial. :tu:


Abraços

firebladerio
29-03-2012, 16:51
Valeu Fibra você é o cara, finalmente consegui me entender com esse lance das fotos. Dá um pouco de trabalho(não muito), mas fica bem melhor do que só colocar o link.

Obrigado

Marcelo

fibra
29-03-2012, 17:16
http://www.fshifi.cn/fckeditor/Upload/Image/20100605144753.jpg


:D


Abraços aos amigos

Dearing
22-04-2012, 21:33
Caro Ryche,

Foi um mês com muita corrida – acabei de ver seu poste do 28 de marco (Poste #470), que falou:

“Ricardo,

É difícil opinar, eu sou do domínio digital, mas tenho uma enorme vontade de ter um TD, só não o fiz ate hoje por causa do trabalho que dá e das mídias difíceis de encontrar.

Estou esperando o novo DAC da Electrocompaniet que parece vem com uma arquitetura completamente nova, parece que vai humilhar alguns grandes DACs por ai se uma noticia se confirmar de alguns componentes internos...

o Vinil para tocar bem custa mais que um setup digital top e tem muitos voodoos para conhecer e aprender, quem sabe um dia eu me aventuro.” [Emfase minha].

I. "Trabalho que da".

Tem 2 coisas, a instalação inicial e o dia-dia depois.

1) Instalação inicial.

A instalação é a parte difícil.

Num toca-discos bom, o braço deveria ser fácil porque o “arm board” vai ser feito sob medida para o braço e toca-discos – só tem que aparafusar o “board” ao toca discos.

Porem, montando a capsula pode ser trabalho, especialmente se o diamante é um “line-contact” (um line contact é uma especa de “super Shibata”). Com um line-contact, o diamante tem que caber nas 3 dimensões do jeito exato – por exemplo, meu Ortofon A-90 tem que ter um “stylus rake angle” de 92 graus. Muito frequentemente, o angulo do “cutter head” esta errado de qualquer jeito – ate 20 graus de erro! – e por isso, acho um gasto de tempo de ajustar o VTA para cada disco – set it and forget it! E bem mais fácil de montar uma capsula com diamante elíptica porque os ângulos requeridos para set up não são tão exigentes, mas o nível de barulho do sulco (“groove noise”) vai ser bem maior com a maioria dos discos, especialmente discos usados.

O toca discos tem que ser montado num lugar bem estável e perfeitamente equilibrado. A escolha da base onde o toca discos vai ser montado depende do design do toca discos – tem toca discos que utilizam a massa para controlar vibrações (VPI, Walker), outros que tem suspenções (Linn), e outros que são hybrids (SME 30 e 20). Se dar para montar com um produto como Silent Running Audio ou Minus K, melhor ainda – esses produtos são feitos sob medida para cada toca discos (quanto a mim, tenho um “stand” feito sob medido que faz parte da parede e que foi construído de “butcher block maple” (arvore de bordo?) – o toca discos fica encima de uma estante de carbono-fibra “Black Diamond Racing”, que fica encima de um grau de Sorbathane especial para o peso da estante carbono-fibra e toca-discos, e tudo isso fica encima do stand de butcher block maple).

Enfim, a parte difícil de vinil é tudo esse set-up que acabei de descrever, especialmente o set-up da capsula. Se o toca discos utiliza uma suspensão (a suspended table), o dono vai ter que fazer ajustes de vez em quando – é por isso que eu nunca teria um suspended table.

2) Dia-dia.

E aqui que tem uma certa falta de conhecimento (eu ia dizer “ignorância”, mas a ultima vez que usei essa palavra aqui no fórum, a coisa ficou complicado ...) sobre vinil. Cada álbum usado tem que ser lavado antes de toca-lo pela primeira vez com um “vacuum record cleaner” como o VPI 16.5 (que não custa muito e, com bom liquido de limpeza, pode limpar muito bem). Mas também cada novo disco tem que ser limpado antes de toca-lo para a primeira vez porque tem antiaderente no disco (“mold release agente”) para tira-lo da estampe quando esta fabricado. Qual é um bom liquido de limpeza? Audio Intelligent No. 6. Ou mesmo uma simples mistura de álcool isopropilico e agua destilada. Como limpar com maquina VPI 16.5? Umas 12 revoluções por lado, uma vez que o liquido esteja espalhado sobre a superfície inteira (demora uma 3-4 revoluções para se espalhar). Quantos revoluções para tirar o liquido? 3. Quanto tempo para fazer esse processo por disco? 4-5 minutos em total. Precisa de outra coisa? Sim – novos folhas de ceda (“polyurethane sleeves”), porque as que vem com discos usados são sujos e as que vem com discos novos são de papel, que se degrada ao tempo. Como limpar muitos discos? Contratar um adolescente responsável (“adolescente responsável” é oximoro? Talvez) para fazer o trabalho. Com qual frequência um disco deveria ser lavado assim? Uma vez cada 50 – 100 tocas, ou seja, quase nunca.

Uma vez que o disco esta limpo, qual e o dia-dia? Antes de tocar um lado, tem que tirar a poeira do platter se o platter não tem cobertura (a maioria dos toca discos de alta padrão não tem cobertura) e se faz tempo depois que V. tem tocado um disco (ou seja, tem poeira acumulada). Uso uma escova com penas (de passarinhos). Depois de colocar o disco, tem que passar uma escove de carbono-fibra. A escove não “limpa” o disco – só tira pedaços grandes de poeira (senão, o diamante tira, mas moía a poeira também, como uma salsicha). Com escova HDA-Hunt, tem que segurar a escova num angulo de 45 graus, não mexe durante 2 revoluções para deixar a poeira se acumular na escova, e depois mexe devagar a escova na direção da periferia do disco. Pronto – pode tocar. Depois de tocar um lado, tem que passar a escova carbono-fibra novamente. Quanto tempo em total demora para trocar um CD? Uns 30 segundas. Quanto tempo demora para trocar um disco de vinil se V. tem que passar uma escova de carbono-fibra assim? Aproximadamente 90 segundas. Visto que tem que trocar o lado para ouvir um álbum inteiro, V. vai passar 3 minutos cuidando de um álbum de vinil, contra uma meia-minuta para um CD.

Enfim, a instalação inicial do toca discos, braço, e capsula pode ser difícil. Quando V. adquira um disco, tem que limpar com vacuum cleaner antes de tocar para a primeira vez. Mas depois disso, a convivência não é tão diferente do que com um CD. Menos quando a faxineira ou seus amigos bebidos quebrem o diamante, mas neste caso, a culpa seria sua.

II. "As mídias difíceis de encontrar."

Not really. Discos usados ou discos novos? Eu não falaria isso no Audiogon ou no Audio Asylum porque não quero que os outros saibam (!!) ... disco usado, e mais especificamente, discos antes de 1980, são normalmente melhores, porque com discos fabricados depois de 1980, tem uma chance crescente que a gravação passou através um ProTools, ou seja, é vinil, mas a gravação foi digitalizada. Discos novos são também absurdamente caros porque o audiofilo norte-americano é bem burro – um fabricante compra um cataloga de 50 performances dos anos 50-60, que tem caídos todos no domínio público, para que o fabricante paga pouco (“Eu te pago para levar daqui essas p-tas de fitas velhas e pesadas”), e depois cobra $50-$50 por disco. Discos velhos, amigos, especialmente no Brasil onde ainda tem toneladas de discos usados nos porões “que não têm valor nenhum”.

III. “Vinil para tocar bem custa mais que um setup digital top.”

New York mode - WRONG. A partir do momento que o disco esteja limpa e o toca discos foi montado corretamente, um Rega Planar 3 com capsula decente toca melhor do que o melhor CD player PCM. Isso é fato. Mas CD player de alta resolução, ou seja, DSD ou PCM hi-rez? Pode concorrer em certos aspetos com os melhores toca discos.

IV. "Tem muitos voodoos para conhecer e aprender."

Espero de ter desvoodooizado o assunto. Mais uma vez, a parte difícil é o set-up inicial. Depois, é só controlar a faxineira e a bebida.

Como sempre, desculpe para o português mais ou menos.

Abraços

andregqleao
12-08-2012, 04:46
Neste post tem um briga insana do audiofilo americano Robert Haley com Eliot Goldman a respeito das Rockport
Haley tem a 2 anos uma wilson Max 2 instalada pelo próprio David Wilson, cabos Mit e amps spectral.
http://www.avguide.com/forums/wilson-x-2-installation-rhs-house
depois de escutar a rockport com Gryphon olha o que ele diz e acompanhem essa briga.
http://www.avguide.com/blog/the-best-stereo-system-ive-ever-heard

Renato
29-10-2012, 14:42
Dearing e Amigos,

A caixa finalmente esteve em um grande evento aqui no Brasil e agora, acho que muita gente pode ter tirado suas conclusões... legal isso!!!!

Vamos ver o que a turma fala...

Abração,

Renato

jimmyk70
29-10-2012, 17:21
Eu achei que ia ver o Dearing em alguma das salas de expositores com crachá.......

Sem brinacadeira agora....a unica coisa que chamou a atençao no sistema do Andretti foi o proprio, que parecia um dj fatigado após um set em que ninguem dençava na pista!
concepçao sonora sem emoçao e vida! Nunca havia visto um Scarlatti ficar tao apagado....sem graves mesmo com woofers ativos...e agudos longinquos.
Sem querer ser critico em relação a pessoas, mas me parece uma concepçao de audio um pouco obsoleta , onde se buscava detlhamento e refinamento em detrimento a massa real musical. A alma tanto do artista( era essa sua postura) quanto da sonoridade pareciam estar em outro lugar!
Usar a simplicidadade , tanto para moldar a atitude e o proprio sistema( fazendo-se uso de marcas mais básicas , porem solidas, para mesclar com elementos acima da curva )poderia fazer bem!
o som me pareceu preso e voltado a avaliaçoes tecnicas!
O power nao era obviamente sinergico com a demanda da caixa e da sala, coisa nao muito positiva para quem vive de ajustar setups. A acustica estava ruim para todos....provavelmente melhor que em muitas salas particulares que presentam cada vez mais resultados estupendos!

Ryche
29-10-2012, 18:24
eu queria ter visto, as EMM estavam com os Subwoofers desligados, mas nao haviam dito que ela nao sobrava e nao faltava?
só espero que voces nao tenham ficado ouvindo musica dos "pescadores japoneses de okinawa"
(plaft... ... ...ploft... ... ...bling...)
:D

asiufy
29-10-2012, 18:32
Renato,

Que tal criar um tópico para o assunto, afinal, de darTZeel naquele setup só tinha o pré...
Daí vocês podem descer a lenha à vontade!



alexandre

asiufy
31-10-2012, 18:58
Quem mudou de idéia?

O Michael Fremer, que já ouviu de tudo um pouco, achou os monos da darTZeel os melhores que ele já ouviu, olha só

http://www.stereophile.com/content/dartzeel-nhb-458-monoblock-amplifier

Isto que ele passou a maior parte do tempo SEM usar a conexão Zeel entre os monos e o pré darTZeel (que já era referência dele). Vale ler o review :D

alexandre

asiufy
31-10-2012, 22:30
Sempre achei uma tremenda besteira esta coisa de "melhor do mundo". É marketing puro.
O que existe pra mim é "melhor que já ouvi". E os amps deste tópico são exatamente isto, tanto o estéreo quanto os monos :D
Espero ouvir em breve estes monos da Soulution, em condições mais favoráveis. A primeira impressão não foi muito boa...


alexandre