PDA

Ver Versão Completa : Doméstica presa há 4 meses por roubar um pote de manteiga! Esse país tem jeito?



Vinícius RS
21-03-2006, 14:31
Gente, esse país tá perdido mesmo...
Uma empregada doméstica está presa há 4 meses por tentar roubar um pote de manteiga de um supermercado, no valor de R$3,10...
Será que vão esperar acontecer como com a outra mulher, que foi presa por roubar um shampoo, e ficou 6 meses na cadeia, sendo agredida e vindo a perder um olho?!!
Enquanto isso se discute que sabor é a pizza do mensalão...
A notícia:
http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI921052-EI5030,00.html

Esse país tem ou não tem jeito?
O que leva uma promotoria a pedir reiteradamente a prisão de uma pessoa assim?
O que leva um juíz a manter uma pessoa assim presa?
Se ela tivesse pego uma arma, dado um tiro na cara do caixa do supermercado, de repente já ia estar na rua (tendo um bom advogado...)
Esse mundo tá virado ou eu que estou?

NEILSON
21-03-2006, 14:51
essa moda poderia pegar para o lado do peixes grandões, os engravatados que tem conta no exterior.

supahcool
21-03-2006, 14:54
vão me desculpar mas roubo é roubo , o que está errado é ela não ter alguém pra defende-la , caso ela não tenha capacidade pra isto, e no caso dos grandões eles estão protegidos até demais , diga-se de passagem .

Dennis
21-03-2006, 14:55
Realmente tem muitas coisas do avesso por aqui... enquanto isso os caras revertem aquela lei que aumentava a punição por crimes hediondos... :rolleyes:

MARCELOBV
21-03-2006, 15:01
O problema não é ela estar há 4 meses na cadeia por roubar a manteiga, mas sim, Os carinhas por aí não estarem cumprindo perpétua por "roubarem milhões", "matar milhares", "sequestrar", "estuprar" e etc....

Alex Sound
21-03-2006, 15:03
Dois pesos, duas medidas.
Ou
A Justiça é cega, mas sente o cheiro de pobre à distância...

johnnie
21-03-2006, 15:08
mas no Brasil é público e notório que só é preso "ladrão de galinha"

o caso dessa moça tem o agravante da ameaça de morte que fez ao dono do supermercado

rodrigojr
21-03-2006, 15:15
Acho que o dono do supermercado tem um bom advogado e ela, não.

O advogado gratuito que ela deve estar utilizando não deve ter dado a devida atenção ao caso (ou não sabe o que fazer). Acho que nem com ameaça feita ao dono do mercado ela ficaria presa se o cara fosse bom.

Mas é isso aí, quem não pode pagar dança. E isso não é só com a Justiça não. Na saúde é a mesma coisa. Diariamente morrem muitas pessoas porque não têm dinheiro para serem atendidas em um hospital pearticular de qualidade.

Infelizmente, dinheiro não é tudo, mas ajuda...

NEILSON
21-03-2006, 15:23
o que mais me deixa indignado e ver aqueles cara irem depor para os senadores (autoridades) amparados por liminares, para não responderem as perguntas que podem comprometer a si mesmo. é uma vergonha, dessa forma a nossa justiça apoia a mentira, o jeitinho, as brechas em nossas leis e etc..... não sei onde vamos parar.

NEILSON
21-03-2006, 15:28
falando em poderoso, o que aconteceu com aquele Juiz que matou um vigia:bazuca: do supermercado, não ouvi dizer mais nada sobre aquele caso, ele está preso, ou alegou legitima defesa :aiai: .

lucius
21-03-2006, 15:29
Esbúlho famélico :D

Lucius

Dmaumau
21-03-2006, 15:40
Neilson,

O Juiz não matou o segurança, há um erro de semântica aqui.

Foi o segurança que, inadvertidamente, se deixou alvejar pelo juiz.

:bazuca:

cybercoy
21-03-2006, 15:42
A ultima noticia que soube foi que ele tinha sido solto!

NEILSON
21-03-2006, 15:50
Neilson,

O Juiz não matou o segurança, há um erro de semântica aqui.

Foi o segurança que, inadvertidamente, se deixou alvejar pelo juiz.

:bazuca:

essa foi boa, quem mandou entrar (na frente da arma) no lugar errado, na hora errada.

Dmaumau
21-03-2006, 15:53
Revoltante, não ?

stpamarante
21-03-2006, 15:59
Crime é crime. Não existe uma tabela de valor para estabelecer o que é roubo e o que não é. Pelo menos, não na porta dos estabelecimentos comerciais. Além disso, não dá para permitir que as pessoas roubem e depois aleguem que o valor do roubo era baixo. Se for permitido, ai que a coisa vira uma bagunça total.

Acho que a nossa tolerância e relativização do que pode e não pode, acima da lei, é uma das maiores fontes dos nossos problemas. Caixa dois é "feio", mas perdoável. Parar em fila dupla só um poquinho porque está com presssa é aceitável; a autoridade de trânsito é que é um caxias, um chato. Reclama-se da "indústria das multas" porque queremos burlar o código de trânsito sem ser incomodados ou ter prejuizos. São vários os exemplo no nosso cotidiano e é muito difícil evitar cometer uma falta, pois isso é visto quase que como uma falha de carater ou problema de personalidade. Se fosse ao contrário, talvez o nosso país fosse um pouco melhor para se viver. Mas não confundam isso com moralismo conservador. É apenas a constatação de que a fonte dos nossos problemas está em nós mesmos.

É evidente que deveria-se aplicar a mesma regra para todos e, em um caso desse tipo, levar em conta o estado emocional da pessoa e seus antecedentes. Aplicar uma pena talvez ou mais curta, em um estabelecimento penal mais apropriado, ou alternativa, levando em conta que o caso exige mais reeducação do que punição. Usar um maior rigor para casos mais graves. Ou seja, ser relativo apenas na aplicação da lei e não no seu cumprimento. Nunca aceitar que, porque alguns roubam muito, podemos roubar um pouquinho, pois isso está destruindo a nossa sociedade.

Dmaumau
21-03-2006, 16:03
Certíssimo. Crime é crime. Ponto.

Mas o que choca é exatamente perceber que como não se pode punir os graúdos, esses pequenos muitas vezes recebem punições descabidas ao delito cometido.

Falta além de empenho, ponderação ao nosso judiciário.

Mas como tudo tem 2 lados, há muito mais gente na iminência de cometer pequenos delitos como esse, do que grandes falcatruas, então, se a justiça se mostra muito amistosa, corremos o risco de perder o controle.

G@briel
21-03-2006, 16:05
Esse país não tem mais jeito não gente, esqueçam.

Eu que tenho apenas 23 anos já perdi a fé!

To buscando a cidadania italiana e quem sabe vazo desse lugar!

Não consigo ter segurança no bairro onde eu moro, que é bom, não temos nenhum serviço público descente, ruas/estradas esburacadas, preços abusivos, políticos corruptos (pra ser específico, aqui sai e entra prefeito e continua a mesma roubalheira, independente do partido).

Sei lá, tenho familiares/amigos morando na Europa/Nova Zelândia e a realidade lá é bem diferente.

Eles que conseguiram as coisas por lá, nem pensam em voltar pra cá mais. Só pra visitar a família de 2 em 2 anos.

Abraços

Tuareg
21-03-2006, 16:17
http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI928174-EI306,00.html

Dennis
21-03-2006, 16:25
Pessoal,

Tá parecendo aquela frase "máxima" do "bits são bits".
Sou engenheiro, mas aprendi que nas ciências humanas e no Direito em particular, não é assim que funciona.

Sim, todo crime deve ser punido, mas a punição varia conforme o entendimento da gravidade e intencionalidade do crime. Nada mais justo: que a punição seja "proporcional" ao delito.

Não sou jurista, aliás nem advogado, mas nmho reverter a lei que punia mais severamente os crimes hediondos foi um grande erro. Muitos alegam que mais tempo em cana não adianta nada, só superlota os presídios. Não tenho competência para dizer se mais ou menos tempo de cadeia faz alguma diferença, mas nmo a mensagem transmitida com a comutação da lei é muito, muito ruim. De certa forma, é um estímulo a esse tipo de crime bárbaro.

Ficamos chocados quando sabemos que em muitos países muçulmanos, se você for pego roubando, eles cortam sua mão. A tolerância faz parte da nossa cultura. Em compensação, se bem me lembro 12 das 15 grandes cidades consideradas mais seguras do mundo ficavam em países muçulmanos...

A punição nem precisa ser radical como essa, mas é preciso ser aplicada.
Essa tolerância indiscriminada, mais conhecida por "jeitinho brasileiro", que tantos valorizam, é nmho o maior mal desse país, e que leva a tantos outros, como corrupção, impunidade, etc.

Afinal, "são todos iguais perante a lei, mas alguns são mais iguais do que outros". ;)

MARCELOBV
21-03-2006, 16:28
O grande problema é que temos por aí uma onda de impunidade gritante.
Tem gente roubando, matando, estorquindo, corrupção...e etc...

Com isso a sociedade acaba criando um sentimento de pena da coitadinha que "só roubou um pote de manteiga" e está na cadeia.

Devemos evitar esse sentimento e cobrar moralização e o fim da impunidade.

Julgar cada caso, e punir de acordo com a gravidade, mas "punir", senão fica essa mazela total. :D

abraços

Dmaumau
21-03-2006, 16:28
É um tênue equilibrio baseado no MEDO das repercussões.

Se esse medo for perdido...

Dennis
21-03-2006, 16:35
Julgar cada caso, e punir de acordo com a gravidade, mas "punir", senão fica essa mazela total.Assino embaixo. :tu::tu:

Vinícius RS
21-03-2006, 16:35
Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa...
não acho que ela tenha que se livrar da culpa porque tem uma justificativa pro que fez... mas há de se relativizar: senão homicídio era homicídio e pronto, não interessa se foi por vingança, por forte emoção ou auto-defesa...
Colocar uma pessoa sem antecedentes, com emprego, moradia fixa, presa por um pote de manteiga é demais... cadeia é o inferno... já trabalhei por 3 anos na febem e já vi coisas horríveis... acho que algumas boas horas de serviços comunitários tava de bom tamanho...
Aliás, o filho do ministro, que há alguns anos atrás dirigia bêbado e atropelou e matou um pedreiro que caminhava no acostamento, ficou preso quanto tempo mesmo? Nenhum dia? Ahn...

MARCELOBV
21-03-2006, 16:43
Vejam o caso daquele ator que matou a filha da Glória Perez.

O cara hoje esta "livrinho da silva" e se casou em grande estilo meses atrás e a coitadinha está "embaixo da terra".

Vai me desculpar: QUE JUSTIÇA É ESTÁ. :xingo2: :mal: :xingo: :bazuca:

Falta vergonha na cara, nesse país da impunidade. :irado: :irado:

Filipão
21-03-2006, 16:43
Colegas,

Vi que alguns colegas lembraram do caso do vigilante assasinado por um juiz no ano passado aqui no interior do Ceará. Com relação a este crime, o juiz já foi julgado e condenado a 15 anos de prisão. A defesa entrou com recursos e enquanto não são julgados ele está preso em prisão especial no quartel do Corpo de Bombeiros.

http://verdesmares.globo.com/v3/canais/noticias.asp?codigo=139632&modulo=178

Pelo menos esse "ainda" não virou pizza. :(

Abraços,

Filipe Rangel.

Dmaumau
21-03-2006, 16:46
Aleluia... INACREDITÁVEL.

:aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso: :aplauso:

Filipão
21-03-2006, 16:49
Mauricio,

O pior é que no país que moramos uma notícia desse tipo realmente merece comemoração. Em países sérios isso seria o "normal".

Só espero que o "ainda" que eu frizei na mensagem acima não se justifique.

Abraços,

Filipe Rangel.

MARCELOBV
21-03-2006, 16:49
15 anos é pouco pois com menos de 7 anos o cara está livre.
Esse papo de 30 anos de pena máxima no Brasil é balela devia é ter Perpétua. E mandar o Cara cortar Mato, a vida inteira, com aquelas bolas de 50 KG nos pés.

§ilvio
21-03-2006, 16:51
Para essa coitada não teve o argumento "réu primária, com moradia fixa" que é frequentemente usado pelos magistrados nos habeas corpus concedido aos nossos ilustres tubarões e (tubaroas, no caso Daslu). Nem a "pena alternativa de prestação de serviços comunitários".

Só se pode falar em nivelar os crimes quando as punições forem niveladas, senão é demagogia.

johnnie
21-03-2006, 16:51
tá cedo para comemorar Maurício

não dou 3 ou 4 anos para o Juiz ficar solto. Já assisti esse filme inúmeras vezes. A pena por matar uma pessoa no Brasil é muito menos do que matar um Mico Leão Dourado

bom advogado e bom comportamento....adios cadeia

Dmaumau
21-03-2006, 16:56
Eu sei, mas só dele ter sido julgado, nos dias de hoje, já vale a comemoração.

Sei lá quando terei outra oportunidade... :irado:

Alex Sound
21-03-2006, 16:57
Acho que quando o código penal atual foi criado na década de 40 :susto: a pena máxima de 30 anos (18+30=48 anos) chegava perto do limite da expectativa de vida da população.

Então fazia sentido limitar a pena até 30 anos.

Hoje a expectativa de vida é muito mais elevada e a pena máxima deveria ser de uns 60 anos a perpétua.

johnnie
21-03-2006, 17:02
aqui na cidade um advogado bêbado saindo do brega matou um cara. Dois anos em prisão especial. Como era conhecido só ficava de dia

um cara matou a mulher pq ela queria separar. Ficou 3 anos preso e está solto

outro matou 2 sujeitos foi absolvido. Absolvido...acreditem. O camarada era tão perigoso que os jurados e a juiza absolveram o sujeito por medo de represálias

é o Brasil!!

Vinícius RS
21-03-2006, 17:12
Pior é ver que quem deveria nos proteger tb tem um comportamento duvidoso...
Um policial civil daqui do RS, que no ano passado se envolveu em uma abordagem mal conduzida, que resultou num carro crivado de balas e um eletricista de 26 anos (totalmente inocente) paraplégico, há poucas semanas se envolveu num outro tiroteio, pq queria, juntamente com 2 colegas, levar a fama por prender o bandido mais procurado do RS hoje (conhecido como Seco) e não chamou reforço, acabou matando com sua própria arma um menino de 3 anos...
Como o cara tava trabalhando ainda? É inacreditável como a justiça brasileira é podre...
Ontem (ou anteontem) a manchete de um jornal popular daqui do RS (Diário Gaúcho) era algo do tipo: "Por pouco; A tres dias de ser liberado do regime fechado, é localizado mais um processo contra o Papagaio" (um dos bandidos mais famosos daqui)... O Judiciário gasta horrores pra dar conforto pros juízes, os funcionários do judiciário são os que melhor ganham os tribunais são prédios faraônicos, com mármore e etc aos montes, e OS CARAS NÃO SÃO CAPAZES DE INFORMATIZAR OS PROCESSOS!!! Como um bandido perigoso como esse tinha um processso contra ele "perdido"? Incompetência total ou total sem vergonhice? não sei...

lucius
21-03-2006, 17:13
Não acho que o tempo de pena máxima deva ser ampliado, o que deve haver é a certeza da punição, isso sim seria um fator de contenção ao criminoso, que ao mínimo iria pensar duas vezes antes de cair na vida.

Mas sinto dizer que não vejo perspectiva alguma de chegarmos lá, principalmente frente a saturnália perene lá de Brasília.....

Lucius

Alexurso
21-03-2006, 17:19
Realmente tem muitas coisas do avesso por aqui... enquanto isso os caras revertem aquela lei que aumentava a punição por crimes hediondos... :rolleyes:
Esta lei nova para crimes hediondos é brincadeira de mal gosto.
O cara vai lá mata e cumpre menos de 1/3 da pena.

A vida está valendo muito pouco aqui no Brasil.
Eu não acredito e nunca vou acreditar nesta País. Também, ser descoberto por portugueses, o que querem mais. Isto é herança.

§ilvio
21-03-2006, 17:25
Essa alteração na lei dos crimes hediondos também só pode ser zoação mesmo. Inseriram o direito a redução de pena, em caso de ser réu primário. Ou seja, se for só uma vez, vc pode cometer um crime hediondo. Matar um velhinho, estuprar uma criança ou incendiar um índio, sendo só um, tudo bem.

Vinícius RS
21-03-2006, 17:28
Há um jornalista aqui no RS, que na coluna dele no Jornal Zero Hora disse há algum tempo atrás que com as leis do Brasil, todos têm direito de matar uma pessoa na vida, que não será presa...
-Paulo Santana-

stpamarante
21-03-2006, 17:29
Falta além de empenho, ponderação ao nosso judiciário.

Maurício,

Será que falta só empenho e ponderação ao nosso judiciário? Ou será que também há um excesso de trabalho nos tribunais e a legislação é confusa, complexa, excessiva, detalhista ao extremo. Uma frase mal colocada em um processo pode causar problemas, como a sua anulação. Isso muitas vezes porquê o juiz se vê obrigado a anular tudo ao se submeter ao código processual. Sim, existem juizes que deveriam estar fazendo outra coisa menos prejudicial, mas tem muita gente que trabalha sério. O juiz desse caso pode ter errado na mão. Ou entendeu que ela, ao ameaçar o dono do supermercado e da forma como o fez, acabou por introduzir um agravante em um delito mais simples. Acho que não devamos condenar a decisão juiz (ou apoiá-la) antes de conhecer todos detalhes.

O problema é que sempre obtém destaque o que sai do usual e a imagem fica sendo a de que o incomum é a regra. Mais ou menos como acreditar que todo avião cai depois de uma notícia de que um caiu. O perigo seria se a notícia fosse que não caiu nenhum jato de passageiros grande nas últimas 24 horas. Ou durante uma semana inteira.

Não que a nossa justiça seja uma maravilha. Longe disso. Mas, podia ser bem pior. E acho que o peso maior que damos aos fatos mais expressivos ou contundentes, acaba aumentado a equalização nas "frequências" mais graves e agudas da nossa sociedade. Os médios ficam meio esquecidos. Não que a gente deva considerar os "graves" e "agudos" como "normais" e deixá-los no mesmo nível dos "médios", mas não podemos é dar tanta enfâse que acaba por distorcer o geral. Porém, não me pergunte qual que é a equalização correta nesse e em outros casos, pois só sei que alguma distorção ai tem.

Alex Sound
21-03-2006, 17:49
O problemas são as pessoas que fazem as leis, os famosos "legisladores", os deputados estaduais e federais, senadores e vereadores, argh:monstro:

Dmaumau
21-03-2006, 17:55
Eu acho que falta ponderação e empenho em solucionar a morosidade do sistema, em modernizar todo o sistema que ainda tem JUNTADA aos processos, em criar subtribunais que julguem rapidamente casos de menor importância.

A criação da cidade judiciária aqui em Campinas parece que foi um passo largo, mas não acredito que todas as varas inicialmente propostas estejam funcionando e não sei se mesmo isso é suficiente para colocar em dia anos de morosidade.

Certamente é um começo, mas como em tudo no nosso país, terá a agilidade necessária pra desafogar o fóro ?

E veja que estou analisando uma parcela bem pequena do sistema. ;)

NEILSON
21-03-2006, 18:39
Filipão que boa noticia você deu, pelo menos esse Juiz está preso, pode até ser por 3 ou 4 anos como disse o Johnnie, mas vai ver o sol nascer quadrado por alguns anos vai.

MARCELOBV
21-03-2006, 18:41
O problemas são as pessoas que fazem as leis, os famosos "legisladores", os deputados estaduais e federais, senadores e vereadores, argh:monstro:

Depois os deputados ficam "nervosinhos" quando um "Cara" vai na CPI com uma liminar tirar sarro deles próprios. :hilario:

abraços

pcaires
21-03-2006, 18:56
quem sabe - se roubassem menos sobrasse mais dinheiro
quem sabe - sobrando dinheiro não haveria pobreza
quem sabe - sem pobreza não haveria fome
quem sabe a doméstica não precisaria roubar para comer.

Roosevelt
21-03-2006, 20:43
Amigos,

Com todo o respeito ao princípio de direito civil, acho realmente que o verdadeiro criminoso nesse episódio foi o dono do supermercado e não a tal mulher. Me desculpem, mas pra mim a incapacidade total de diálogo desse sujeito, supera o "crime" praticado pela moça. Certamente é crime furtar qualquer coisa, mesmo que seja um caríssimo pote de manteiga, mas que crime é esse que é superior a matar um índio queimado, afogar um calouro na raia olímpica, matar os pais à sangue frio ou receber "dinheiro não contabilizado" via offshore ? ? ? :suspeito: :suspeito: :suspeito:
Tá bom, crime é crime, já repetiram isso várias vezes. Não se discute, OK? ;)
Mas sinto muito, esse senhor poderia ter resolvido a questão de forma mais humana. Duvido que se o infrator fosse um marginal super mal encarado e drogado, que ele seria tão macho para chamar a polícia.
Neste caso, a mulher só foi presa por ser mulher e necessitada, sinto muito.

Acho que o dono do supermercado tem um bom advogado e ela, não.Não é preciso ter plano de saúde para sofrer com as mazelas de pseudo médicos. Alguns, diretores de planos de saúde. Meu cunhado certa vez, quando ainda batalhava contra o câncer, recebeu alta quando estava em estado de coma, alta dada por um "estranho ser" com crachá de Doutor. Me refiro ao sujeito como "estranho ser", pois me falta palavra que melhor classifique um assassino em potencial, travestido de médico.
Não tivéssemos contestado a sentença de morte dada pelo "estranho ser", meu cunhado não teria vivido mais 2 anos.
Desnecessário dizer que esse "doutor" ainda está clinicando livremente. Foi afastado por um período até que a poeira assentasse e retornou. Talvez sua cota de eutanásias ainda não tenha sido completada...
Diariamente morrem muitas pessoas porque não têm dinheiro para serem atendidas em um hospital particular de qualidade.

FireWall®
21-03-2006, 22:19
vão me desculpar mas roubo é roubo , o que está errado é ela não ter alguém pra defende-la , caso ela não tenha capacidade pra isto, e no caso dos grandões eles estão protegidos até demais , diga-se de passagem .

Mas que faltou discernimento nesse caso, isso faltou...
Uma pena dessa é demais pro crime que ela cometeu.
EU NÃO ACREDITO MAIS NESSE PAÍS!!!!!!:mal:

jewel
21-03-2006, 22:34
O que tem que mudar é a cultura do " amigo do Rei", que trazemos desde a época de colônia portuguesa.
Se a impunidade não acabar, situações como as citadas continuarão sendo comuns

Renato
21-03-2006, 23:24
No Jô, certa vez um respeitável jurista deu um monte de exemplos curiosos para abrandar a pena e 1 que me lembro era o seguinte:

Se atropelar uma velhinha, nunca fale que freio, tentou, desviou mas nao deu... assuma o seguinte, sempre sonhei em matar uma velhinha...quando vi uma, fui lá e passei por cima...e ai, o cara levava para uma série de possibilidades que na prática, resultava em uma pena menor que a primeira hipótese. Mas como esta, ele citou mais de 10 exemplos...

[]'s

Renato

Márcio
22-03-2006, 00:52
Tenho um tio que é Juiz em Porto Alegre, a muito tempo atrás ele me disse que se aparece alguém preso por tentar roubar "desarmado" qualquer tipo de alimento ele solta e "receita" um serviço comunitário, mesmo que a pessoa seja reincidente.
Não concordo que crime seja crime, sempre que alguém tenta roubar algum alimento a situação devería ser vista com outros olhos.
Se eu fosse o proprietário do supermercado não tería mantido a mulher presa, considero isso o cúmulo da desumanidade.
Abraços

Vinícius RS
22-03-2006, 09:21
Realmente acho que o dono do supermercado poderia ter resolvido a questão de maneira mais tranquila... bom, também não se sabe o que aconteceu na hora, se a mulher não "cresceu as unhas" pra cima do pessoal da segurança e coisa e tal...
Agora, deixar uma pessoa presa por 4 meses por causa de um produto de menos de 4 reais é demais...
E acho que o judiciário deveria ter resolvido a questão na hora: 200 horas de serviço comunitário tava de bom tamanho, e duvido que ela não aceitasse, tendo a opção: serviço comunitário ou cadeia...

Dennis
22-03-2006, 09:48
Sem conhecer os detalhes do caso, também acho que serviço comunitário seria ideal para esse tipo de ocorrência. :)

§ilvio
22-03-2006, 17:10
Talvez o juiz estivesse ocupado demais tentando defender seu mísero salário contra o teto de R$ 24.500,00 aprovado recentemente.

crusherBRZ
22-03-2006, 18:51
Esse país tem jeito se o povo quiser.

Podem falar o que quiserem, mas nossos políticos e legisladores só fazem isso porque nós deixamos.
Alguém aqui protestou contra toda a bandalheira que ocorreu em Brasília? O Mensalão, Mensalão II e Valerioduto? Os assassinatos dos prefeitos de Sto. André e Campinas, claramente crimes políticos com cheiro de queima de arquivo? Contra toda essa pouca vergonha?

Minha mãe é presidente de associação de bairro e tentamos organizar um passeata contra toda essa roubalheira que rolou solta. Deus e todo mundo nos felicitou pela inicativa, mas na hora de se prontificar para realmente realizá-la, ninguém quis (ah, eu tenho de trabalhar, minha mulher está grávida, problemas de família, tem balada, etc).

Depois todo mundo fica tirando sarro de Argentino, enquanto eles nos chamam de bunda-moles. E com toda a razão!
Pelo que eu me lembro, ele botaram um presidente para correr, que teve de sair de helicóptero para não ter de responder pela sua inanição e roubalheira.

Quanto a notícia, para variar, nossa imprensa sempre procura dar o veredíto ao invés de informar, então, da forma como ela foi colocada (já que não dá pra saber de todos os fatos), só posso dizer que foi uma injustiça o que aconteceu com ela.
Sim, ela cometeu um delito e tem de pagar por ele, mas que seja proporcional ao crime que ela cometeu.

Outro ponto é que é permitido por lei você roubar comida em caso de necessidade, com por exemplo, fome. A pessoa não é condenada.
Como ela não tinha um advogado que pudesse, ou que tivesse vontade e/ou conhecimento para informá-la, ela vai mofar na cadeia.

[ ]'s

PS: Desculpem o teor do tópico, a intenção não foi ofender ninguém.

FireWall®
22-03-2006, 19:33
Taí uma coisa certa!!!
Eu mesmo fico "indiginado" com muita coisa e não faço nada de efetivo pra mudar.

mmartins
22-03-2006, 19:38
Posso estar pegando o tópico meio na frente, mas imaginem se os verdadeiros ladrões do país tivessem penas equivalentes, eles iam pegar perpétua, por muitas vidas pra frente.

Abraços

Stefano
22-03-2006, 19:48
Gente, tenho uma pergunta, aproveitando que o assunto dá brecha para falar de leis...

Pq é que ações comuns demoram tanto a ser julgadas e quando um partido entra com ação, ele é logo deferido ou indeferido pelo STF?

Como é que chega tão rápida uma liminar e assim é julgada, como no caso do caseiro que depôs sobre o Palocci, que teve seu depoimento parado diante da CPI?

É o tal do foro privilegiado?

Obrigado, Stefano.

MARCELOBV
22-03-2006, 23:12
Posso estar pegando o tópico meio na frente, mas imaginem se os verdadeiros ladrões do país tivessem penas equivalentes, eles iam pegar perpétua, por muitas vidas pra frente. Abraços

Mais do que justo. :legal: já reencarna preso o desgramado. :hilario:

Vinícius RS
23-03-2006, 11:34
pois é, era uma boa...
se 3 reais deram até agora 4 meses de cadeia, os 169.000.000,00 do "juiz" Lalau iam dar mais de 14 milhões de anos preso ehehehe
Só 140 mil séculos de prisão...
Parece as sentenças dadas nos EUA: prisão perpétua pelo assassinato e mais 15 anos pelo roubo... depois de morto deixam o esqueletinho na cela?:ataque:

André Luis
23-03-2006, 12:17
Nossa, já imaginou a situação do lulla e do ladruf (prisão perpétua). :D

Vinícius RS
23-03-2006, 12:42
Putz, e o pior é que pela 5ª vez foi negado o pedido de Habeas Corpus pra mulher... acabei de ouvir no rádio... tem algo de muito estranho nisso...

MarcosSix
23-03-2006, 13:34
Eu acho que o juiz que assassinou o segurança só está preso porque foi captado pelas câmeras e teve repercussão nacional. Tivemos um caso parecido aqui em Alagoas há cerca de uns 10 anos e o procurador de estado ficou menos de um mês preso, mas fugiu, segundo laudo da polícia, subindo numa cadeira e pulando o muro. :ataque:
Tem que rir pra não chorar.
Eu não acho que seja o tamanho da pena o maior inibidor do crime. Ao menos não no Brasil onde cerca de 90% dos assassinatos terminam o processo sem indicar um culpado. Se todos os assassinos tivessem a certeza de que cumpririam os 10 anos que cumpriu o matador da Daniela Peres, certamente os índices despencariam para quase zero. Comete-se o crime porque acredita-se na impunidade.
Evidente que para combater a violência tem que se atacar trocentos problemas que a provocam, mas não acredito que aumentar a pena no papel de 25 para 250 anos vá alterar em nada as estatísticas. Preferia 5 anos apenas se todos tivessem a certeza de que terão de cumprir.
NMHO, valeria muito mais investir nesse lado da moeda. :tu:

§ilvio
24-03-2006, 08:47
Finalmente libertaram a moça. Noticiou no jornal da Cultura ontem.

E o Heródoto, muito perspicaz, noticiou em seguida que aquele jornalista ex-diretor do Estadão que assassinou a namorada, continua solto, esperando o julgamento em liberdade.

Edu-RJ
24-03-2006, 09:46
Finalmente libertaram a moça. Noticiou no jornal da Cultura ontem.

Segue a notícia:

STJ concede liberdade a doméstica presa por roubar manteiga de R$ 3,10<IMG height=10 width=1>
O ministro Paulo Gallotti, da 6ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça), concedeu, no início da noite desta quinta-feira (23/3), uma liminar para que a empregada doméstica Angélica Aparecida de Souza Teodoro possa ser libertada. Ela está presa desde novembro do ano passado por roubar um pote de manteiga de R$ 3,10 e teve pedido de liberdade negado pela Justiça paulista.

O advogado da doméstica, Nilton José de Paula Trindade, diz que Angélica tem 18 anos, está desempregada, tem um filho de dois anos, uma mãe doente, não tem antecedentes criminais e, desde novembro, está recolhida ao "cadeião de Pinheiros", em São Paulo, em companhia de outras prisioneiras acusadas de crimes hediondos. A defesa alega que ela somente praticou o delito porque viu seu filho chorando de fome.

O proprietário do estabelecimento, Dadiel Araújo, alegou na delegacia que foi ameaçado de morte por Angélica, e o Ministério Público a denunciou por roubo. A defesa nega que esse episódio tenha ocorrido, e ainda acusa o proprietário do supermercado de agredi-la.

Para o advogado, apesar da conduta de Angélica se enquadrar no tipo penal descrito no artigo 157 do Código Penal (roubo – subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência), existe um fator descaracterizaria a tipicidade do ato: o princípio da lesividade. A conduta dela, segundo Trindade, teria se dado em razão do estado de miséria pela qual passa juntamente com sua família; assim, seria possível reconhecer e justificar sua atitude desesperada.

No entanto, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) já havia negado pedido de habeas corpus semelhante, ao concluir que não houve elementos para detectar prontamente a ilegalidade da prisão.

A defesa pediu ao STJ que fossem observados dois aspectos: o excesso de prazo para a formação da culpa e o princípio da isonomia.

Segundo relatório do advogado de Angélica, "um país onde políticos acusados de burlar os princípios reitores da administração pública e até mesmo da atividade estatal conseguem, por inúmeros recursos, procrastinar o julgamento e a conseqüente execução de suas condenações, o estado-juiz mantém presa uma mulher que rouba o equivalente a R$ 3,20 para matar a fome de seus entes".

Habeas corpus
Ao conceder o habeas corpus, o ministro do STJ disse que a prisão cautelar, com exceção ao princípio da presunção de inocência, está sempre ligada à demonstração de sua necessidade. No caso da jovem acusada do roubo do pote manteiga, foram apontados como motivos para a manutenção da prisão a gravidade do delito e a intranqüilidade causada na sociedade paulistana com a reiteração de práticas assemelhadas.

Para o ministro Gallotti, é necessário reconhecer que a gravidade da infração – de duvidosa ocorrência com as ameaças que teriam sido proferidas pela acusada - por si só não autoriza a prisão antecipada. "Além disso, certamente não são comportamentos como o atribuído à paciente que estão a intranqüilizar a cidade de São Paulo, mas sim a prática dos mais variados crimes, quase sempre cometidos com armas de fogo e o emprego de violência", escreveu, na liminar.

O ministro levou em consideração também ser impossível deixar de ressaltar que se trata da subtração de um pote de manteiga avaliado em R$ 3,10 e que a acusada do crime é ré primária, que admite o furto, mas nega as ameaças, "lamentavelmente, vítima de um perverso quadro social que não oferece oportunidades concretas, a ela e a milhões de outros brasileiros, de uma vida digna".

O ministro Paulo Gallotti ressaltou que, em princípio, a jurisprudência do tribunal não admite a análise de habeas-corpus apresentado contra o indeferimento de liminar em ação idêntica em outro tribunal. Contudo, em hipóteses excepcionais, tem se mostrado possível e impositiva a atuação da Corte, nos casos em que o constrangimento ilegal a que alguém esteja submetido for resultado evidente de um exame superficial dos elementos que levaram ao convencimento existentes nos autos, explica. Para ele, é o caso, já que não percebeu razão para manter a prisão em flagrante da paciente.

Dessa forma, deferiu a liminar, até o julgamento do mérito do habeas-corpus, para que a paciente seja posta, imediatamente, em liberdade provisória, se por outro motivo não estiver presa. Para tanto, deve assinar termo de comparecimento a todos os atos do processo.

Quinta-feira, 23 de março de 2006
http://ultimainstancia.uol.com.br/noticias/26367.html

Alex Sound
24-03-2006, 10:33
"foram apontados como motivos para a manutenção da prisão a gravidade do delito e a intranqüilidade causada na sociedade paulistana com a reiteração de práticas assemelhadas."

É fods, os traficantes saem da cadeia porque conseguem comprar uma fuga ou por ter bons advogados, mas roubar manteiga é muito mais grave...

Ontem mesmo passou uma matéria com a mãe dos menores estuprados pelo pastor evangélico que conseguiu o pedido inédito no Supremo de progressão de pena. ela não quis aparecer porque o pastor já ameaçou a família antes dizendo que "vai mandar pegar todo mundo quando fosse solto"

Vinícius RS
24-03-2006, 10:44
esse é o Brasil...
Fujam enquanto é tempo...:lol:

Alex Sound
24-03-2006, 10:54
Aqui em Londrina há uns dois anos o diretor de uma concessionária da Volkswagem estava desviando dinheiro do caixa da empresa há algum tempo e vendendo carros roubados adulterados.

Um dia o dono descobriu e marcou uma reunião para demiti-lo. O diretor sacou um revólver e matou o dono na frente de várias testemunhas, sem a menor chance de defesa.

Com os benefícios que a lei lhe assegura, ficou solto até ontem quando depois de três pedidos anteriores de prisão, um juiz acatou um novo pedido da promotoria devido à "novas práticas criminosas"

supahcool
24-03-2006, 10:55
vão me desculpar novamente mas o que está errado não é o caso desta "moça" , e sim todo o restante. roubo é roubo , ameaça de morte sempre será uma ameaça de morte.

Roosevelt
24-03-2006, 12:43
Supahcool,

Você está analisando a questão somente por um lado. :aiai:
À partir do momento em que a "moça" deve ficar encarcerada, enquanto outros que cometeram delitos muito mais graves, como latrocínio, ficam soltos, o caso da "moça" está sim muito errado.
Me desculpe, mas justiça só é justiça se for igual para todos.
Chega de carteirada neste país.

Abraço,
Roosevelt

Renato_CWB
24-03-2006, 12:47
Totalmente de acordo com Roosevelt!! :legal: Embora ninguém questiona que crime é crime, é uma questão da proporcionalidade das conseqüências. :concordo:

Redlaw
24-03-2006, 14:34
Se tem um setor brasileiro que ainda tem muito a evoluir é justamente o sistema judiciário.

Tem um amigo meu aqui que é advogado que disse que está para mudar de profissão, pois tem todo um trabalho para fazer as petições, mais aí os desembargadores por 50 mil vendem a sentença.

Tem um outro caso de um amigo que foi preso injustamente, por crime de colarinho branco, e ficou muitos dias encarcerado. Aí chegou um fulano e disse para ele que por 80 mil reais ele obteria um habeas corpus e seria solto. Vários colegas seus de cela pagaram e sairam. Ele ficou até o fim, pois alem de ter sido acusado injustamente ainda teria de pagar para ser solto, seria o fim da picada. Ele já foi solto e sem pagar, mas amargou mais de 30 dias de cárcere.

Por essas e outras, que encarcerar nesses pequenos delitos é pura covardia, mostra a degeneração do sistema judiciário, em que os responsáveis agem burocraticamente, e não no interesse do cidadão. Neste caso valeria apenas uma reprimenda, ou ainda no máximo alguma pena envolvendo algum serviço social.

[ ]'s Walder.

supahcool
24-03-2006, 15:03
não concordo Roosevelt , o caso dela nao tá errado na minha opiniao , o que tá errado é todo o resto. imagina se virar moda , todo mundo que tem uma necessidade sair roubando itens de baixo valor com a certeza de que se forem pegos não vai haver punição. ou de sair ameaçando todo mundo de morte... já vi muita coisa errada , lógico que a justiça tem que melhorar, mas esta é a minha opiniao, humilde opinião de quem voluntariamente trabalhou 3 anos como jurado do tribunal do juri de Curitiba.

§ilvio
24-03-2006, 15:19
Se tem um setor brasileiro que ainda tem muito a evoluir é justamente o sistema judiciário.

Concordo plenamente. Tá cheio de casos de compra de habeas-corpus e de sentenças.

Márcio
25-03-2006, 01:15
Supah, me desculpe mas roubar(não praticar assalto) algo para comer quando se está passando fome deve ser considerado crime, se EU fosse proprietário do supermercado já tería tentado soltar esta mulher, é uma barbaridade ficar preso tanto tempo pelo que ela fez.
Abraços

Márcio
25-03-2006, 01:19
Supah, me desculpe mas roubar(não praticar assalto) algo para comer quando se está passando fome não deveria ser considerado crime, se EU fosse proprietário do supermercado já tería tentado soltar esta mulher, é uma barbaridade ficar preso tanto tempo pelo que ela fez.
Abraços
Márcio

crusherBRZ
25-03-2006, 17:06
não concordo Roosevelt , o caso dela nao tá errado na minha opiniao , o que tá errado é todo o resto.

Certo, eu concordo com você, roubo é roubo, ela cometeu um delito e tem de pagar. Mas você não acha que a pena foi um pouco dura?
Aposto que se você conseguir uma pena alternativa para ela e mostrar que existem saídas além do roubo, ela pode ter a chance de se regenerar e nunca mais cometer esse erro.
Não é essa a função da prisão, regenerar e mostrar o erro que a pessoa cometeu? Ou eu estou errado?
Por exemplo, o Fome Zero. Ela provavelmente poderia se candidatar a ele, mas não tinha instrução, ou nem sabia que ele existia para pessoas como ela (e sua família não passaria tamanha necessidade).

O exemplo que fica, sinceramente, é que você sendo pobre e sem instrução, você vai preso. Se você tiver grana para pagar um advogado/promotor, ou influência em algum nível do governo/polícia, você sai livre, não importando o seu delito.

Isso é o mais grave de tudo.

[ ]'s

Roosevelt
26-03-2006, 01:56
Supahcool,

Você está insistindo na mesma questão, de que crime é crime.
Pelo seu raciocínio, tomara que nunca seja pego na malha fina do Imposto de renda. Já pensou, você se esquece de declarar alguma coisinha mínima ou comete um erro de cálculo? Já pensou qual seria a tua pena se o tal "juiz" que condenou a moça da manteiga fosse julgar tua causa?
Você iria ficar sem postar no fórum por uma certa década! :D ;)

Existe muita confusão nesse caso. Primeiro que roubo e furto são duas coisas distintas, acredite.
E depois, que o que está se discutindo é a pena, deveras dura, exagerada, ofensiva até, para a natureza da infração.
E dizer que a culpa é do cidadão por não ter um advogado só comprova o quão irresponsável, inconsequente e talvez até incompetente, é o estado em suas questões jurídicas. Já que este, não é capaz de diferenciar o furto do tráfico de drogas, por exemplo.

Portanto, agora é a minha vez de bater sim, numa outra tecla. Se me permite:


Certamente é crime furtar qualquer coisa, mesmo que seja um caríssimo pote de manteiga, mas que crime é esse que é superior a matar um índio queimado, afogar um calouro na raia olímpica (USP), matar os pais à sangue frio ou receber "dinheiro não contabilizado" via offshore ? ? ?
Abraços,
Roosevelt

supahcool
26-03-2006, 19:53
que o estado é incompetente em fornecer saúde , educação , segurança , ninguem discorda. pra mim não interessa se foi por um pote de manteiga, um leitor de dvds ou um audi ,ameaçou, tudo igual , 157. se não ameaçou é furto , 155. e ela nao foi liberada de nada, vai ser julgada e tem obrigaçao de comparecer quando chamada.

concordo com sua citaçao, é revoltante , mas se deixar acontecer pequenos roubos ou grandes crimes , sem puniçao, a lei vai ter menos efeito ainda e tudo vai piorar. outro dia chamei atençao de uns rapazes que estavam destruindo um orelhão: alegaram que estavam fazendo isto pois o telefone é muito caro. pra mim uma coisa não justifica a outra , se aconteceu dos advogados de defesa dos rapazes que queimaram o indio conseguirem exercer plenamente o trabalho a que lhes foi confiado , por mais revoltante que seja para a sociedade, nada tem haver com o caso da moça na minha opinião.

Roosevelt
26-03-2006, 21:04
Supah,

Só quero acrescentar 2 coisas.

1)
mas se deixar acontecer pequenos roubos ou grandes crimes , sem puniçao, a lei vai ter menos efeito ainda e tudo vai piorarNinguém está dizendo que não deve haver punição. É óbvio que deve existir!!
O que se discute aqui é a proporcionalidade dessa punição. Só isso.
Agora, na minha opinião, se um juiz ou mesmo um corpo de juri não têm vivência para distinguir e julgar tais diferenças, então estamos mesmo perdidos. O que se vê aqui é o Estado punindo severamente quem pratica os tais pequenos delitos, enquanto que os crimes bárbaros e gigantescos seguem impunes. Por favor. :aiai:

2)
pra mim não interessa se foi por um pote de manteiga, um leitor de dvds ou um audi ,ameaçou, tudo igual , 157. se não ameaçou é furto , 155Concordo. Mas é obrigação do Estado fazer valer a máxima de que "todos são iguais perante a lei". É obrigação do Estado julgar com imparcialidade. Dizer que os advogados de defesa dos "rapazes" que queimaram o índio exerceram plenamente o seu trabalho, já mostra o qual cego é o judiciário brasileiro. Se esse judiciário absolve essas pessoas por que elas não tiveram a intenção, mas mataram, por quê condenar ao cárcere, a moça que furtou alimento e não matou ninguém?
Você sinceramente acredita que isso é justiça? Assim desvirtuada, feita à revelia ??

A função do juiz de verdade é julgar. Ele não pode sucumbir ao mais belo argumento de um advogado milionário ou a ausência dele. Um juiz de verdade não precisa ouvir delongas para julgar por si mesmo, a grande maioria dos casos ditos triviais.
Se a moça tivesse um advogado no mínimo razoável, teria saído ilesa, decisão a qual eu não concordaria, uma vez que ela cometeu sim um ato criminoso e deve pagar. Da mesma forma que não posso concordar com a sua prisão, já que é uma pena por demais dura para a natureza de seu ato criminoso. Existem penas mais brandas que servem para punir crimes brandos. Os profissionais envolvidos deviam saber disso. Faltou equilíbrio e isso está claro até demais.

Você pode não concordar com isso até o final de sua vida, mas a justiça só é justiça se feita sob a ótica da imparcialidade e com penas condizentes com a natureza do ato. Qualquer juiz de verdade sabe distinguir isso. Mas no país dos "lalaus", já ando desacreditado nessa tal justiça, já que muitos querem mesmo é aparecer, nem que para isso tenham de ser carrascos.

Abraço,
Roosevelt

stpamarante
26-03-2006, 22:37
Um terço das mulheres do Cadeião de Pinheiros, em São Paulo, foi detido por levar comida, fraldas, batom, lápis de olho (http://txt.estado.com.br/editorias/2006/03/26/cid73421.xml)

A prisão da "ladra de manteiga" é algo corriqueiro. O que é incomum é a divulgação do fato e a polêmica em cima do caso. Na edição de hoje do Estadão, o promotor que a denunciou, declarou disse que só ele recebe três flagrantes de roubo por dia e que o complicou o caso dela foi a ameaça de "mandar para o céu" o dono do supermercado. Se tivesse pego a manteiga e ido embora ou devolvido, seria furto. Como fez uma ameaça grave, confirmada por testemunhas, a denúncia, feita pelo promotor, foi de roubo seguido de ameaça grave. Foi essa ameaça que a levou à prisão, não o valor da manteiga. Segundo o promotor e um desembargador, ameaça grave sempre é punida com prisão, pois assim diz a lei.

Não dá para ser de outra forma. Imaginem se ela tentasse cumprir ou mesmo cumprisse a ameaça. Mesmo que por causa de um pote de manteiga.

O "interessante" é que esse caso pode não ser tão injusto quanto parece à primeira vista, se a ameaça foi real. Porém, pode acabar chamando a nossa atenção para situações bem piores e claramente injustas.

Vinícius RS
27-03-2006, 10:38
é como eu disse em um post anterior: não sabemos o que aconteceu na hora do flagra...
acho que se a mulher tivesse sido mais humilde e reconhecido o erro e talz, a segurança do supermercado teria deixado ela ir tranquilamente...

wassis
14-03-2008, 17:59
O que é revoltante é que se uma pessoa furta algo como um pacote de bolachas, uma lata de sardinha ou um sabonete, ela fica em média 3 meses na cadeia.
O pior é que quando uma pessoa entra na cadeia, ela acaba sofrendo uma pressão enorme para se associar ao PCC ou o CV. Isso ninguem vê. Ou vocês acham que lá dentro da prisão é refresco?

Existe uma política para não superlotar as prisões e isso se reflete em medidas polêmicas. O que vocês acham que é o indulto de natal? É isso aí.
É revoltante ver assassinos, estupradores, ladrões saírem da cadeia para passar o fim do ano na casa da mamãe.
Enquanto isso quem pratica um crime muito menor, chega a amargar 4 meses na prisão.
Infelizmente são dois pesos e duas medidas. Para um crime como o roubo de um pote de manteiga, alguns dias de trabalho comunitário já seriam o suficiente.
Manda lavar banheiro de rodoviária, capinar o meio-fio, cuidar das plantas de um parque.
Sai muito mais caro para o Estado deixar uma pessoa dessas atrás das grades.
O Pimenta Neves, jornalista do OESP, matou a namorada, é réu confesso e ainda está livre. O cara vai completar 70 anos e aí vão abrandar mais ainda para cima dele. Lógico, ele é bem relacionado, tem dinheiro, pode pagar bons advogados.

Realmente crime é crime, mas alguns são mais graves que outros.

dentesadio
14-03-2008, 18:16
O que é revoltante é que se uma pessoa furta algo como um pacote de bolachas, uma lata de sardinha ou um sabonete, ela fica em média 3 meses na cadeia.
O pior é que quando uma pessoa entra na cadeia, ela acaba sofrendo uma pressão enorme para se associar ao PCC ou o CV. Isso ninguem vê. Ou vocês acham que lá dentro da prisão é refresco?

Existe uma política para não superlotar as prisões e isso se reflete em medidas polêmicas. O que vocês acham que é o indulto de natal? É isso aí.
É revoltante ver assassinos, estupradores, ladrões saírem da cadeia para passar o fim do ano na casa da mamãe.
Enquanto isso quem pratica um crime muito menor, chega a amargar 4 meses na prisão.
Infelizmente são dois pesos e duas medidas. Para um crime como o roubo de um pote de manteiga, alguns dias de trabalho comunitário já seriam o suficiente.
Manda lavar banheiro de rodoviária, capinar o meio-fio, cuidar das plantas de um parque.
Sai muito mais caro para o Estado deixar uma pessoa dessas atrás das grades.
O Pimenta Neves, jornalista do OESP, matou a namorada, é réu confesso e ainda está livre. O cara vai completar 70 anos e aí vão abrandar mais ainda para cima dele. Lógico, ele é bem relacionado, tem dinheiro, pode pagar bons advogados.

Realmente crime é crime, mas alguns são mais graves que outros.

O problema é que o Estado não investe na construção de novas penitenciárias,por isso o sistema está sempre lotado ! Pra se ter uma idéia,nos USA durante o governo Clinton,era construída uma por mês.....!:legal: