Cinco carapuças a procura de um vilão

Discussão em 'Zona Livre' iniciada por Jonas Negreiros, 10 Abr 2020.

  1. Jonas Negreiros

    Jonas Negreiros Usuário

    7.714 2.791 816

    Desde 2 Nov 2008
    jundiaí/sp/brasil
    Cinco [ou quatro] carapuças à procura de um vilão


    Por que eu não confio nesse cara:

    Esse cara "descobriu" que aquilo que custava muito caro, poderia não valer nada.

    Esse cara "descobriu" que aquilo que custava muito caro, poderia ter data definida para não valer mais nada.

    Esse cara "descobriu" que aquilo que era dado de graça, poderia ter muito valor.

    Esse cara "descobriu" que aquilo que antes era dado de graça, poderia ter data definida para desaparecer, tal como uma nuvem no céu.

    Talvez "esse cara" seja apenas uma cara, com a diferença que vendeu sua cara, simplesmente porque toda armação precisa de uma cara.

    Quem é esse cara?

    Adendo...

    O título do tópico é uma paráfrase de uma bela e sinistra obra de Pirandello:
    Seis personagens à procura de um autor
     
    Última edição: 10 Abr 2020
    • 1
  2. Jonas Negreiros

    Jonas Negreiros Usuário

    7.714 2.791 816

    Desde 2 Nov 2008
    jundiaí/sp/brasil
    Padrão de rádio AM: em vigor há 100 anos.

    Um rádio fabricado em 1920, se estiver em condições normais de funcionamento (alguns rádios restaurados ainda funcionam) pode capturar normalmente as emissões em "Broadcasting" em 520 kHz a 1620 KHz sem o menor problema de compatibilidade.

    Hoje, sofremos com o problema do obsoletismo programado, que transforma bens utilizáveis em lixo a curtíssimo prazo. E ainda nos recomendam a cuidar do meio ambiente :irado:.

    Na moderna visão dos produtores, os cidadãos são tratados como meros consumidores.

    Talvez por isso, ainda não fomos deletados.
     
    Última edição: 11 Abr 2020
  3. Jonas Negreiros

    Jonas Negreiros Usuário

    7.714 2.791 816

    Desde 2 Nov 2008
    jundiaí/sp/brasil
    Lembrei-me de uma peça publicitária dos anos 1960:

    A General Electric recusava-se a tratar o destinatário de sua extensa linha de produtos como "consumidor " .

    A GE não admitia o termo de "consumidores", mas pessoas e famílias beneficiárias dos
    frutos de sua atividade.

    Modernamente, dizem que os consumidores são tratados como Reis.
    Discordo: modernamente os consumidores são tratados como vassalos.
     
    Última edição: 9 Mai 2020
    • 1
  1. Usamos cookies próprios e de terceiros para dar um melhor serviço e mostrar publicidade. Ao continuar, aceita o seu uso.
    Fechar Aviso