Anúncio do HT Forum

Clube SKY HD

Discussão em 'Operadoras e Mercado' iniciada por rodHD, 23 Out 2008.

  1. TiaoMacaleh

    TiaoMacaleh Usuário


    Desde 13 Nov 2005
    Rj
    [​IMG]

    Vide o caso do TLC que era uma sigla para The Learning Channel (Canal do conhecimento/aprendizado) e era focado em conteúdo educativo e hoje é basicamente um canal de realities shows bizarros.
     
    • 2
    • 2
  2. kHdsd

    kHdsd Usuário

    1.759 1.680 371

    Desde 8 Dez 2016
    Bahia
    Nesse caso a agência que vende os direitos exagerou no valor. O Campeonato Italiano já deixou a muito tempo de ser o melhor campeonato nacional do mundo , mas estão vendendo como o melhor . E acho correto os canais não querer comprar.

    Mas a solução seria 2 ou 3 canais dividirem os direitos , dividindo o valor como acontece com o Campeonato Espanhol.
     
    Última edição: 16 Set 2018
    • 1
  3. PS_João Pessoa

    PS_João Pessoa Usuário

    1.207 1.189 411

    Desde 4 Mai 2015
    João Pessoa
    Todas as operadoras espanholas já se preparam para a Era do 4K. A Movistar já anunciou que trocará todos os receptores Full HD por modelos Ultra HD e deverá ampliar a oferta da programação neste formato. Por sua vez, a StarHub de Singapura está disponibilizando canais on-demand pareados aos lineares. Mas se considerarmos apenas esse último teríamos uma média de 100~120 canais (descontando pacotes étnicos), porém menos pulverizados em "N" canais temáticos. Não é saudosismo e sim otimizar a oferta de conteúdo audiovisual e deixa-lo em um patamar complementário aos canais streaming dentro da plataforma como na cidade asiática.

    Discordo apenas em relação aos canais premium, em uma situação hipotética ideal seria justo duas redes de 5 canais cada ou uma só rede com 8 canais como é na Europa. Seria menos dos atuais 18 das redes HBO (10), Telecine (6) e Fox Premium (2). Em suma: uma oferta de 120 canais no pacote maior seria salutar (excluindo dessa conta canais de áudio, pornográficos e étnicos, mas incluindo redes de canais premium).
     
    • 1
    • 1
  4. PS_João Pessoa

    PS_João Pessoa Usuário

    1.207 1.189 411

    Desde 4 Mai 2015
    João Pessoa
    Esse não foi um processo exclusivo do Brasil. Em muitos países existia escassez de programação e ausência de dublagem/legendagem a ponto se criarem situações curiosas em alguns países: na África francófona, por exemplo, existia um único canal pago que tinha a mensalidade mais alta do mundo, te exigiam o pagamento antecipado de 6 meses de assinatura, comprovante de renda e um kit (parabólica/decoder) que era uma fortuna. Já em Portugal, pelos idos de 1995, eram poucos os programas legendados em português. A opção só aparecia em algumas atrações do horário nobre.

    Porém, é importante ressaltar os esforços da Argentina e do México nos anos 90 em viabilizar a TV paga através de canais programados localmente. No país de Maradona, a oferta de canais na TV à cabo já chegava a 65 ainda em 1994. Em sua maior parte eram canais de programadoras nacionais, feitos sob medida para o gosto local. Algo parecido ocorreu no país do Chaves, com o adendo de que se poderia utilizar os canais à cabo estadunidenses voltados para o público latino como o Galavisión e o Selecciones de HBO y Cinemax (futuro HBO Latino).

    O Brasil foi relativamente preguiçoso na implantação da TV por assinatura. Para o bem e para o mal, a Globosat foi peça importante. Se por um lado prejudicou a plena expansão da TV paga, ela foi a responsável por criar o primeiro serviço efetivamente brasileiro de TV paga. Os quatro canais (GNT, MultiShow, TopSport e Telecine) foram os primeiros, juntamente com o Showtime, a serem completamente adaptados ao público nacional, com legendagem ou dublagem, além da publicidade local. Enquanto caminhávamos a passos de tartaruga, os nossos vizinhos estavam ávidos por lançar o máximo de sinais antes mesmo da digitalização. É certo que foi um processo atabalhoado, recorrendo-se à canais abertos dos países vizinhos (incluindo o nosso país). Mas houveram algumas experiências interessantes que até hoje perduram indiretamente como o Space.
     
    • 2
    • 1
  5. PS_João Pessoa

    PS_João Pessoa Usuário

    1.207 1.189 411

    Desde 4 Mai 2015
    João Pessoa
    Por "N" motivos, a TV por assinatura no Brasil não atingiu a saturação do mercado. Em seu melhor momento, a TV paga beirava 20 milhões de assinantes(cerca de 30% das residências). Se tivéssemos uma média semelhante à Argentina, teríamos pelo menos 40 a 50 milhões de assinantes em todo país. Foi um mercado que jamais teve todo o potencial explorado. Uma pena!

    E quanto à mudança de gênero da programação, há casos e casos. Existem aqueles que até hoje seguem a proposta original como o TCM americano quanto aqueles que se desvirtuaram como o TNT, o AMC e o Freeform (que nos anos 90 era o The Family Channel).

    Agora, o que jamais deveríamos aceitar é essa mania de americano de querer empurrar os gostos e defeitos deles goela abaixo como fazem na América Latina. Como você mesmo constatou, o problema das reprises infinitas é muito pior por lá, a ponto de um só programa ocupar 1/3 da grade de programação.

    E, dentro desse processo, o americano médio se cansou dessa patifaria e está cancelando seus pacotes. As programadoras e operadoras já estão sentindo na pele esse processo e foram obrigadas a reagir. As OTT-TV's, que são uma espécie de híbrido de TV linear com VOD, já estão ganhando terreno por lá por oferecer pacotes mais magros com os principais canais por um valor bem menor (entre 16 e 40 dólares) e com pacotes mais flexíveis. Em Singapura já é possível assinar pacotes por gênero de programação, algo que a Telefônica fez há uns 10/12 anos. Basta a pessoa escolher pelo menos 3 gêneros básicos.
     
    • 3
  6. MatheusM99

    MatheusM99 Life, so, unnecessary


    Desde 27 Jun 2017
    Rio de Janeiro
    Teve uma vez que eu vi um guia de programação do Cartoon Network dos EUA e que ficou uma semana inteira só exibindo o mesmo programa...
     
    • 2
    • 1
  7. allan-bh

    allan-bh Usuário

    165 104 25

    Desde 19 Out 2006
    Belo Horizonte/MG
    Vou ter que discordar, eu tinha NET e quando mudei pra Sky a diferença na qualidade de imagem dos canais HD é visível. Não é algo gritante como no SD onde na Sky nem dá vontade de assistir, mas a imagem na NET claramente é superior.
     
    • 2
  8. raphaelbrasil

    raphaelbrasil Usuário


    Desde 5 Jul 2008
    Recife-PE
    Também discordo. Já assinei SKY e com toda certeza a imagem é inferior a da Claro, minha atual. Se for comparar com a Vivo (GVT) aí a humilhação é enorme já que lá até os sd têm imagem boa.
     
    • 1
  9. DMS CE

    DMS CE Usuário

    1.829 1.763 96

    Desde 23 Jul 2017
    Brasil
    Já fizeram a correção amigo. Obrigado! Que dê tudo certo. (y)
     
    • 2
  10. max_mw

    max_mw Usuário


    Desde 9 Jul 2010
    Rio
    Os combos com HBO e Telecine acabaram?
     
  11. Mineiro BR

    Mineiro BR Usuário

    972 1.194 196

    Desde 25 Out 2016
    Minas Gerais
    Acho que o TLC atual significa Travel & Living Channel, que é derivado do antigo Discovery Travel & Living, que existia até o início da década atual aqui no país.

    Já ouvi falar do The Learning Channel, mas nunca assisti esse canal e não sei se o mesmo já foi exibido no Brasil.
     
    • 2
  12. Mineiro BR

    Mineiro BR Usuário

    972 1.194 196

    Desde 25 Out 2016
    Minas Gerais
    Não, existem até hoje os combos Telecine, HBO e Cinema (Telecine + HBO). Muitos colegas aqui no fórum possuem o Combo Cinema.

    Existem também o combo Futebol (Premiere) e o combo Top (Telecine + HBO + Premiere).
     
  13. Redcruz

    Redcruz Usuário


    Desde 11 Dez 2008
    Mesquita
    Tirando os conteúdos que estão ali só para ocupar espaço na programação e a repetição exagerada dos filmes, 2 canais seriam mais do que suficiente para abrigar o conteúdo que restar de bom.

    Este ano, então, o conteúdo da rede foi paupérrimo, caberia facilmente em apenas 1 canal. O mesmo poderia dizer da rede HBO/MAX.
     
  14. Mineiro BR

    Mineiro BR Usuário

    972 1.194 196

    Desde 25 Out 2016
    Minas Gerais
    Em relação à discussão sobre a programação dos canais da TV por assinatura, com certeza as programadoras americanas que atuam no país estão mais interessadas no lucro.
    Por isso vários canais foram descaracterizados ao longo dos anos, alguns deixaram de existir e outros foram adicionados.
    As programadoras estão o tempo todo testando o público e decidindo o que fazer com seus canais para obter mais audiência e mais anunciantes.
    Elas não estão muito preocupadas com o conteúdo, por isso muito conteúdo bom desapareceu e dificilmente voltará à grade.

    Só para citar um exemplo extremo, vejam o que aconteceu com o Animax, que era um canal de animes. Não deu certo e foi substituído pelo Sony Spin, que era um canal de séries voltado para o público jovem. Também não deu certo e foi substituído pelo Lifetime, que é um canal de séries e reality shows voltado para o público feminino. Esse canal ao que tudo indica deu certo, pois permanece até hoje na grade.

    Além disso, as operadoras só estão interessadas em adicionar canais com apelo de público, que normalmente são os canais das programadoras americanas.
    Vide os exemplos do EuroNews e do Eurochannel, que possuem uma presença mínima no Brasil. Das grandes operadoras só a Vivo possui o Eurochannel.
    A programadora SPI ainda não conseguiu lançar seus canais por aqui, apesar de já possuir um site brasileiro divulgando seus canais.
    Imagina então se haverá espaço para as demais programadoras europeias e de outras regiões, como a América Latina.

    Quem quer um conteúdo diferenciado, de nicho, infelizmente terá que garimpar entre os vários canais lineares e serviços de streaming. Mesmo assim, muita coisa boa provavelmente não estará disponível nem mesmo para aquisição em DVD.
     
    • 2
  15. Redcruz

    Redcruz Usuário


    Desde 11 Dez 2008
    Mesquita
    Aliás,

    Como planejado, desde ontem estou experimentando o NetFlix, terei 3 meses (1 gratuito e mais 2 pagos) para ver se agrada. Se agradar continuo com a assinatura e cancelo a SKY. Com o que pago na SKY atualmente, vai dar para pagar o NetFlix, aumentar minha internet e ainda vai sobrar dinheiro para comprar 2 garrafas de vinho por mês. ;)

    Se for para permanecer na SKY, vou ter que dar uma boa enxugada no meu pacote, os primeiros que vão rodar são os canais premium (Telecine e HBO).

    Pelo que pude notar nestes primeiros momentos, foi que de uma forma geral o conteúdo de filmes e séries parecem ser os mesmos exibidos nas TVs por assinatura.

    Vamos ver no que dá.
     
    Última edição: 15 Set 2018
  16. kHdsd

    kHdsd Usuário

    1.759 1.680 371

    Desde 8 Dez 2016
    Bahia
    Seria interessante , até pelo acervo que a rede Hbo tem. um Hbo Series e Hbo Classic esses principalmente , talvez um Hbo Geek. No lugar de alguns canais da familia Hbo genéricos.

    A rede Telecine tem seus canais bem diferentes , com propostas diferentes um do outro.(tirando o Telecine Pipoca)
     
    • 1
  17. kHdsd

    kHdsd Usuário

    1.759 1.680 371

    Desde 8 Dez 2016
    Bahia
    Essa SPI International tem canais com propostas mais interessantes do que canais de várias programadoras americanas que temos em nossas tvs.
     
    • 2
  18. PS_João Pessoa

    PS_João Pessoa Usuário

    1.207 1.189 411

    Desde 4 Mai 2015
    João Pessoa
    Infelizmente a TV por assinatura perdeu essa proposta de atender à vários públicos diferenciados e se perdeu...

    Aliás, a TV paga passou por uma espécie de popularização "estranha", ao mesmo tempo em que houve a introdução da dublagem e de atrações populares em canais como TBS e Multishow, a programação ainda tem um perfil meio elitista como o forte apelo à séries. Não foi um processo natural e muitos conteúdos ditos populares, como as novelas mexicanas, nunca encontraram um bom espaço na TV por assinatura.
     
    • 1
  19. Redcruz

    Redcruz Usuário


    Desde 11 Dez 2008
    Mesquita
    Certamente que a Globo, mandando e desmandando nas TVs por assinatura no BR, sobretudo na SKY, não iria permitir novelas de outros países circulando por aqui.

    E ainda bem que este tipo de conteúdo não popularizou nas TVs por assinatura. Seria o fim da picada!!! :aff:
     
    • 1
  20. PS_João Pessoa

    PS_João Pessoa Usuário

    1.207 1.189 411

    Desde 4 Mai 2015
    João Pessoa
    Em relação aos canais premium no Brasil, apenas os canais Telecine tem uma identidade bem formatada. O contrário acontece com o HBO, com vários canais sobrepostos e sem uma identidade definida. O Fox Premium 1 e 2 até hoje não disseram para o que vieram: começou como um canal premium de séries legendadas, já passou para a dublagem e já deve transmitir o Campeonato Espanhol.

    O HBO varia de país para país: na Índia, é apenas um canal comum. Na Ásia, existem o HBO Hits e o RED by HBO (com filmes asiáticos). Nos EUA, os canais parecem estar melhor delineados: HBO, HBO 2, HBO Signature, HBO Family, HBO Comedy, HBO Zone e HBO Latino. Os canais Cinemax estão separados por lá.

    Aliás, esse conceito de "programação premium" varia de região para região: Em Portugal e na Espanha existem apenas uma rede premium com 5 e 9 canais respectivamente. Na França e África Francófona são duas redes: OCS (4 canais) e Cine+ (6 canais). Nos demais países da África subsaariana não existe o conceito de programação a la carte. Os canais de estreias estão diluídos nos pacotes maiores.
     
    • 3
    • 2
  1. Usamos cookies próprios e de terceiros para dar um melhor serviço e mostrar publicidade. Ao continuar, aceita o seu uso.
    Fechar Aviso