EXPERIÊNCIAS PESSOAIS COM ÁUDIO EM COMPUTADOR PARA SISTEMAS DE ALTO DESEMPENHO.

Discussão em 'Tecnologia e Novos Formatos de Áudio' iniciada por ÉdisonCh, 17 Ago 2011.

  1. JOSILVA

    JOSILVA Usuário


    Desde 19 Jun 2005
    CURITIBANOS/SC
    Caro Fox_Mulder,

    Sim, as configurações são as mesmas.

    Sds.,
     
    Fox _ Mulder agradeceu.
  2. ÉdisonCh

    ÉdisonCh Usuário Muito Ativo


    Desde 1 Dez 2005
    Araras/SP/BR
    Hoje tenho duas perguntas a fazer :

    - Se alguém acompanha a evolução dos cabos USB para sistemas de alto desempenho, o que acham do Audience AU 24 SE, na comparação com o Audioquest Diamond ? Já comparei esse Audioquest, em um sistema excelente, com o meu Wireworld Platinum Starlight e achei o Diamond um pouco melhor. Falo isso porque tenho a oportunidade de comprar um com bom preço (uns 30% abaixo da tabela).

    - Se alguém já escutou ou pesquisou a respeito da interface Mutec MC-3-Plus, o que acham dela ? Falo isso porque tentei utilizar um Clock atômico em meu sistema, e não deu certo, porque o clock teria que "administrar", "sincronizar", também a fonte de áudio, e isso apenas poderia ser feito, no meu caso, se a interface tivesse entrada para clock externo, e a minha não tem.

    Ora, essa interface Mutec tem um clock de rubídio, e como meu DAC tem a alternativa de usar o clock da fonte de áudio (que é como a utilizo atualmente), o fato da interface possuir um clock de alta precisão sem dúvida resultaria em um upgrade consistente no desempenho. Isso se interface tiver um alto nível de desempenho na sua função de converter e filtrar a informação de áudio, ou seja, se além do clock ela for também uma excelente interface.

    https://www.mutec-net.com/product_mc-3-plus-usb.php
     
    Última edição: 6 Mai 2017
  3. Matias

    Matias Thiel CS3.7


    Desde 25 Set 2005
    São Paulo - SP
  4. ÉdisonCh

    ÉdisonCh Usuário Muito Ativo


    Desde 1 Dez 2005
    Araras/SP/BR
    Isso mesmo, fui pelo Google sem olhar. Está corrigido acima. Aquela de que falamos. Não se compra um aparelho "periférico" desses sem uma boa pesquisa a respeito. Estarei no dia 19 no Audio Show (Hi End) de Munique, quem sabe encontre algo por lá.
     
  5. JuniorDoleys

    JuniorDoleys Luz, Calor e Som


    Desde 7 Abr 2011
    Charqueadas/RS
    O Audience AU 24 SE dizem ser um Senhor cabo USB. Outro que é caríssimo mas dizem ser excelente é o Chord Sarum. Estou pra receber, em dias, o Curious da Austrália. Creio que o Audience é o que existe de state-of-art porém existe sempre o risco de outros fatores. Pelo que li o Audience suplementa tanto o AQ diamond qto qq um WW. O Light Harmonic Lightspeed diz ser páreo duro ao diamond. Tem um que diz ser excelente é o Locus Polestar.... Um fator a considerar é o tipo de música e gravações pra casar o gosto.
     
    Última edição: 6 Mai 2017
  6. ÉdisonCh

    ÉdisonCh Usuário Muito Ativo


    Desde 1 Dez 2005
    Araras/SP/BR
    O Light Harmonic eu escutei.

    Um senhor tinha um sistema excelente, mas me perguntou o que fazer para melhorar. Entre as soluções que quis testar, levei o WW Platinum para ele ouvir. Ele tinha o Light Harmonic. Quando colocamos o WWP o sistema caiu visivelmente de nível. O Light HL usa dois conectores e dois cabos, se não me engano, um para energia e outro para o sinal.

    Julgo que com os recursos que hoje dispomos, de substituir a alimentação vinda da fonte do computador por uma fonte DC externa, mais limpa, isso não seria tão necessário. O salto que percebi com a introdução do Uptone Regen no sistema me pareceu equivalente ao salto que houve da substituição do WW pelo Light Harmonic.

    Obrigado, Júnior. Já tive um Locus Design. Ainda tenho o mais simples da linha. Acho o Wireworld Starlight superior, e nem precisa ser o Platinum.

    ___________________________________

    Li mais alguns reviews e comentários e comprei o Audience AU24 SE USB. A turma gosta mesmo dele.
     
    Última edição: 8 Mai 2017
    Renato Gomes agradeceu.
  7. FelipeRolim

    FelipeRolim Breaking The Sound Barrier

    8.252 4.897 638

    Desde 17 Ago 2008
    Quatiguá/Paraná/Brasil
    Hoje dediquei algumas horas do meu dia para proceder a um comparativo que eu estava com vontade de fazer há muito tempo: comparei a qualidade da música reproduzida via armazenamento local (SSD) e via rede. Para tanto, dentre as formas mais comuns de se proceder (reproduzir via PCA, acessando o arquivo via rede - NAS ou pasta compartilhada - ou reproduzir o arquivo via computador separado, indicando o PCA como destino) adotei a reprodução via JRiver 22 num notebook, indicando o PCA como saída de som, este também com JRiver 22.

    A transmissão ocorreu, do notebook ao roteador, via wifi, e do roteador ao PCA, por meio de um cabo CAT5e de mais de 20m de comprimento que cruza minha casa toda pelo telhado. Como somente utilizo o cabo de rede para o controle remoto do computador, jamais tendo feito streaming, as experiências práticas demonstraram que o mero fato de o cabo estar conectado ao PC não prejudica a pureza do áudio, não traz sujeira ou qualquer sorte de prejuízo. Soube disso após uma série de testes intensos realizados há algum tempo, após a qual cheguei à conclusão de que eu poderia manter o cabo no PC sem me preocupar com a qualidade do áudio (diferentemente do que ocorre com periféricos USB, por exemplo). Testei muito e estava disposto a resolver eventual problema que, por sorte, inexiste.

    Na comparação direta (é possível a troca da música em tempo real por meio do aplicativo para Android chamado Gizmo), tive a percepção de que o PCA, tocando via armazenamento local, possui um som com mais corpo (mais recheado, com mais peso, mais impactante), mais límpido nos agudos, com melhor foco e melhor controle de graves. Tocando pelo notebook fazendo streaming ao PCA, notei um som mais borrado, com menos definição de palco, menor extensão de notas, uma certa imprecisão no decaimento, menor corpo, uma certa perda na imagem dos instrumentos. A impressão que a reprodução por este método me passou foi que as R300 diminuíram de tamanho, ficaram intimadas pela música, mais contidas. Entretanto, a experiência foi mais positiva do que imaginei. Explico.

    Utilizando meu notebook para tocar no sistema, a queda em qualidade é brutal, o sistema nem parece o mesmo, muita substância desaparece, é perdida. A qualidade do PCA está quilômetros à frente, é tão superior a ponto de conseguir trazer a alma da música para a reprodução, de modo que é possível transcender àquilo que é simplesmente tocado, sendo possível captar a emoção da música. Nada disso existe com o notebook conectado ao cabo USB da interface SOtM, é um som frio, sem vida, digital, apático. Isso, porém, não se repetiu com o streaming.

    Embora a queda em qualidade fosse facilmente percebida, não houve um distanciamento muito grande daquilo que eu obtinha diretamente do PCA. Isso me fez pensar em algumas coisas que considerei interessantes: 1) faz sentido que a Computer Audiophile e alguns outros especialistas indiquem a utilização de dois computadores para a reprodução, o que pode ser benéfico ao sistema, mas desde que ambos sejam de alto nível; 2) o JRiver possui uma infinidade muito grande de ajustes no que tange ao streaming, de modo que imagino que, mesmo pelo notebook, ainda seja possível alguma implementação na qualidade final; 3) nesses casos, em especial, certamente faz muito sentido a instalação de uma fonte linear no roteador e a utilização de cabos de rede de melhor qualidade.

    Evidentemente que não tenho condições de concluir tudo isso, mas foram pensamentos que me ocorreram ao longo das audições e que pareceram fazer sentido. Adotei métodos bastante rústicos e simplistas, não havia nada dedicado com exceção do próprio PCA.

    Enfim, espero ter colaborado um pouco com essa experiência. Qualquer dia abandono o notebook e instalo o JRiver no computador do escritório, que está conectado ao roteador também por cabo e tem condições de hardware sensivelmente melhores do que o meu notebook. Volto a relatar-lhes aqui.

    Boa semana a todos.

    PS.: aproveitei um tempo livre para organizar os cabos internos do PCA. Para alguns isso pode não ser determinante, mas eu considero fundamental para a menor incidência de ondas eletromagnéticas, menor vibração e otimização de certas características elétricas (indutância, por exemplo).

    Antes:

    [​IMG]

    Agora:

    [​IMG] [​IMG] [​IMG] [​IMG] [​IMG]

    O próximo passo será aplicar uma fita absorvedora de EMI sobre esse teflon branco, que, diga-se de passagem, trouxe uma rigidez absurda para os cabos, o que eu considero excelente contra vibrações.
     
    Última edição: 8 Mai 2017
  8. ÉdisonCh

    ÉdisonCh Usuário Muito Ativo


    Desde 1 Dez 2005
    Araras/SP/BR
    Li mais alguns reviews e comentários e comprei o Audience AU24 SE USB. A turma gosta mesmo dele.

    _______________________________________________________________________________________

    Tenho dois HDs externos Seagate USB 3.0, e mais três NAS de diversas épocas, sendo um para backup (Western Digital Discovery) e outro para uso contínuo ( Synology DS-214j), ambos por cabo ethernet Cat.6. Um em cada computador. No CPA fica apenas o Synology.

    Em primeiro lugar, constatei que ligar o servidor diretamente no computador, e não através de roteador, melhorou muito a qualidade. É evidente que deve ficar claro o fato de que não sei configurar de forma ótima as conexões, nem quais drivers seriam melhores para cada situação. Simplesmente, atualizei os drivers da placa-mãe e do servidor e fiz as conexões. Para conectar o Synology diretamente no computador, precisei do auxílio de meu filho, que fez a configuração.

    As HDs externas USB 3.0 da Seagate são excelentes, a troca/transporte de informações é equivalente ao de cabos Gigabite, e o resultado sonoro também é muito bom. Porém, inferior ao que se consegue com o servidor da Synology.

    Mas, o melhor resultado sonoro, que faz o sistema tocar no mesmo nível, ou em nível superior, ao de players Estado da Arte, é conseguido através da reprodução de arquivos que estão na HD interna. Assim, os discos de que mais gosto ficam tanto no NAS quanto na HD interna do CPA. A memória RAM desse computador atual é grande (16 Gb) e seu cachê também (15 Mb), permitindo que se toque a partir da memória. Mesmo assim, a diferença de qualidade é notável, embora dê muito bem para escutar música sediada no servidor. O novo servidor para áudio baseado no C.A.P.S. 4, com Xeon E5-2630-V4, vai ter RAM Kingston Hyperx Fury Black DDR4 de 32 Gb e cachê de 25 Mb. Acho que com a configuração correta isso deve permitir que se escute com alta qualidade também música sediada no NAS da Synology.
     
    Renato Gomes e FelipeRolim agradeceram.
  9. FelipeRolim

    FelipeRolim Breaking The Sound Barrier

    8.252 4.897 638

    Desde 17 Ago 2008
    Quatiguá/Paraná/Brasil
    Édison, quando se tem um NAS, um roteador e dois PCs, as possibilidades de configuração são gigantescas, e isso pode influenciar muito no resultado do som. Com base no que eu ouvi aqui, sugeriria que experimentasse utilizar o novo servidor, na verdade, como cliente, e o PC atual como servidor de mídia, usando ambos conectados entre si por meio de um roteador alimentado por uma fonte linear simples.

    Isso pode ser, no geral, algo similar a acessar um NAS conectado à rede, mas existem quatro diferenças importantes: 1) possibilidade de utilizar monitor, mouse e teclado no servidor, sem tanta preocupação que isso vá interferir no áudio do PC imediatamente conectado ao DAC; 2) o PC conectado ao DAC não vai "buscar" o arquivo na rede ou no HD, descompactá-lo, enviá-lo para a RAM para, na sequência, reproduzi-lo, uma vez que a música já sairá do servidor e caminhará pela rede pronta da ser reproduzida. Nessas horas, um cabo de rede de alto nível deve fazer bastante diferença; 3) ausência de armazenamento interno no computador conectado ao DAC, o que poderá repercutir no nível de ruído das conexões SATA (quanto mais conexões, mais ruído) e significa também a ausência de um motor de HD no interior do PC; 4) menor consumo do PC cliente (basicamente, terá placa-mãe, processador, memórias RAM, SSD e uma placa USB dedicada ou FireWire), o que possibilitará a utilização de uma fonte linear, ao passo em que uma fonte chaveada no servidor não deverá introduzir tanta perda.

    Sempre tive muita vontade de ouvir essa combinação de dois computadores de alto nível. Pelo que tenho observado em âmbito internacional, é algo bastante utilizado e tomado como referência.

    Enfim, são muitos devaneios, rsrs.
     
    Última edição: 8 Mai 2017
    Renato Gomes agradeceu.
  10. JuniorDoleys

    JuniorDoleys Luz, Calor e Som


    Desde 7 Abr 2011
    Charqueadas/RS
    Parabéns @ÉdisonCh@ÉdisonCh usará o audience na saída do regen e o diamond na entrada? Um grande usb p/ um sistema que merece sua qualidade!
     
  11. ÉdisonCh

    ÉdisonCh Usuário Muito Ativo


    Desde 1 Dez 2005
    Araras/SP/BR
    Oi Júnior. O buraco é mais do lado.

    Comprei também a interface Audiophilleo. A interface é ligada ao PC por cabo USB e ao DAC por cabo BNC. Meu DAC não tem entrada USB. O modelo anterior, também da dCS, tinha entrada USB mas a solução era muito inferior ao nível do próprio DAC e ao FEMTO, ou PSAudio, ou Marantz NA11S1, por exemplo, que foram os que escutei, e até mesmo ao Cambridge 851D, relativamente ao nível do próprio DAC.

    Ficarei também com dois Uptone Regen, um o antigo, outro o ISO Regen, e uma fonte LPS-1.

    Terei então 2 cabos USB de alta qualidade, o Wireworld Starlight Platinum e o Audience AU24 SE. Mas, há também o cabo original da Uptone Regen que atualmente uso no Cambridge 851D, entre o computador e o filtro, e que não decepciona.

    Assim irei fazer experimentos.

    A primeira idéia é usar a Regen (qualquer uma delas) antes da Audiophilleo, alimentando-a, indiretamente, pela fonte de alimentação do filtro da Uptone. Nas experiências anteriores, a Regen funciona melhor junto do computador. Nesse caso, terei sim que usar outro cabo USB AB. Então, existiriam 2cabos USB AB e um BNC. Um USB do computador até o Regen. Outro USB AB da Regen até a Audiophilleo. Um cabo BNC da Audiophilleo até o DAC.

    Posso experimentar ligar a Audiophilleo diretamente na entrada BNC do DAC, através do adaptador BNC/BNC que acompanha o aparelho. Tenho outros para testar.

    A idéia inicial é manter o Wireworld no Cambridge 851D e o Audience AU24 no sistema principal.

    Segundo a Uptone, o uso da ISO Regen irá dispensar a necessidade da placa SOtM USB-Exp. Espero que sim, assim utilizo a saída 3.1 da placa-mãe para o Regen e vejo no que dá.

    Enfim, são muitas brincadeiras a serem feitas. Para você ter uma idéia, só cabo BNC/BNC terei 3 para experimentar : o Siltech G7 HF-7, o Oyaide Db-510+ e o MIT MA-X . São cabos que eram destinados à M2EVO, à Weiss INT202 e ao máster clock externo, mas que foram superados por outras alternativas; no caso da Weiss INT202 pela dupla de cabos AES/EBU Purist Canorus.
     
    Última edição: 8 Mai 2017
    Renato Gomes agradeceu.
  12. JuniorDoleys

    JuniorDoleys Luz, Calor e Som


    Desde 7 Abr 2011
    Charqueadas/RS
    Optei pela solução REGEN c/ LPS-1 + curious USB link a qual permite desligar a alimentação 5v do PC. Utilizo essa config. apenas pra shows em BD stereo. Pra música retirei o PC da jogada. Por streaming não percebo qualquer diferença entre jogar do PC ou do celular via DLNA p/ microRendu.
     
    ÉdisonCh agradeceu.
  13. Matias

    Matias Thiel CS3.7


    Desde 25 Set 2005
    São Paulo - SP
    A Uptone LPS-1 é muito muito boa. Acredito ser a melhor fonte disponível no mercado hoje para esses aparelhos.
     
  14. Fox _ Mulder

    Fox _ Mulder Usuário Muito Ativo

    1.009 1.499 138

    Desde 18 Out 2009
    Niterói - RJ
    Última edição: 17 Mai 2017
    Renato Gomes agradeceu.
  15. Renato Gomes

    Renato Gomes Arquiteto e Urbanista

    5.229 2.361 138

    Desde 18 Mar 2007
    Rio de Janeiro/RJ/Brasil
    A coisa realmente evoluiu bastante Fox.
    Hoje, a coisa (audio via PC) na minha opinião superou a opinião dele de 2009. Tanto que ele.proprio fez um update em 2011 e constatou isso.
    Os servidores de música atuais usam soluções baseadas em placa mãe + processador tradicionalmente usados em PC.
     
    Fox _ Mulder agradeceu.
  16. Fox _ Mulder

    Fox _ Mulder Usuário Muito Ativo

    1.009 1.499 138

    Desde 18 Out 2009
    Niterói - RJ
    Verdade Renato.
    Aos poucos to reunindo informações pra montar um PC dedicado.
     
    Renato Gomes agradeceu.
  17. Renato Gomes

    Renato Gomes Arquiteto e Urbanista

    5.229 2.361 138

    Desde 18 Mar 2007
    Rio de Janeiro/RJ/Brasil
    Beleza.
    Qualquer coisa estamos a disposição no que eu puder ajudar.
     
    Fox _ Mulder agradeceu.
  18. JuniorDoleys

    JuniorDoleys Luz, Calor e Som


    Desde 7 Abr 2011
    Charqueadas/RS
    @ÉdisonCh@ÉdisonCh tenho convicção que o Audience baterá o AQ. No entanto esses tweaks (regen, etc) podem mascarar um pouquinho? No site uptone diz que Regen alimentado pela LPS-1 muda pouco em relação a Mean Well. Curious chegou hoje da Australia. Readquiri o regen... quando o usei ainda não possuía a lps-1. No estéreo não uso o regen mas por causa de comentários no clube microRendu irei testar após este mas acho redundante. O Regen, no meu caso, serve pra desligar o power da interface usb da MOBO. Então só pra shows. Quando tiver uma posição quanto ao Audience compartilhe conosco.
     
    Renato Gomes agradeceu.
  19. Renato Gomes

    Renato Gomes Arquiteto e Urbanista

    5.229 2.361 138

    Desde 18 Mar 2007
    Rio de Janeiro/RJ/Brasil
    Tem neném novo em casa :D

    images (1).jpg
     
    Fox _ Mulder agradeceu.
  20. kawaa1

    kawaa1 Usuário Ativo


    Desde 17 Fev 2009
    Curitiba-PR
    Acompanho esse tópico a muito tempo, resolvi colocar umas fotos do meu Audio PC.

    Vi que muita coisa evoluiu, hoje qual software o pessoal tem obtido melhor resultado?

    Eu uso faz uns 5 anos um PC dedicado, Placa mãe MSI, intel i5, 8Gb de memoria, SSD para o OS, e HDD de 3Tb para biblioteca. Sistema praticamente fanless (unico fan que tem é da fonte, mas só liga caso aquecer, nunca liga). Uso um Heatsink gigante na CPU, sem fan também. Processamento não requer muito da CPU. OS: Hackintosh, Player: Audirvana. Tudo que não preciso foi desligado na Bios, OS instalado no básico também.

    Segue as fotos abaixo.

    https://www.htforum.com/forum/media/albums/meu-sistema.170/

    IMG_4136.JPG 19.jpg IMG_3790.JPG IMG_8452.JPG IMG_1021.JPG IMG_0894.JPG