Jogo é jogo, mas será que treino é treino? Parte II

Discussão em 'Colunas' iniciada por Holbein Menezes, 20 Mai 2008.

  1. Holbein Menezes

    Holbein Menezes Usuário


    Desde 21 Nov 2007
    Fortaleza,Ceará,Brasil
    [FONT=&quot]Jogo é jogo, mas será que treino é treino?[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Por Holbein Menezes.[/FONT]
    [FONT=&quot](Parte II).[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Das suposições.[/FONT][FONT=&quot][/FONT]

    “...[FONT=&quot]a audiofilia é repleta de dogmas, crenças, verdades reveladas, processos de canonização, relíquias, fé sem provas, e um quase desprezo pelas comprovações cientificamente testadas (prova cabal e definitiva é uma espécie de heresia e soberba contra audiófila)”. Douglas Bock[/FONT]


    [FONT=&quot]Suposições do Holbein:[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]- tenhamos que todos os “bits” do “stamper” original hajam sido estampados. No processo da prensagem industrial, e em série, e em massa, todos os “bits” hajam sido estampados nos policarbonatos dos discos virgens, os futuros cedês;[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]- tenhamos, ainda – em face da alta velocidade usada no processo de estampagem industrial –, que os discos compactos (CDs) não sejam a exata replicação dos “stampers”, situação possível, e provável. Quem já viu em ação a complexa e complicada máquina de replicação, viu que braços mecânicos movidos por sensores programáveis, na rapidez de um piscar de olhos selecionam os discos “bons” e os com “defeitos”, isto é, fora do padrão programado. Portanto, um padrão para tal seleção, e se o há, existe a possibilidade de esse padrão não ser rigorosamente seguido na mecânica da estampagem; porque se não fosse assim, para que detectores de defeitos, hem (?);[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]- tenhamos, também, que esse padrão não contemple, por exemplo, a exata “dimensão” física dos “bits”, representados por 0 e 1. Em outras palavras, talvez todos os “bits” da estampagem sejam replicados, todos, mas não com a exatíssima “dimensão” (amplitude? relevo? o quê?) do “stamper” original, quiçá em decorrência da alta velocidade do processo de estampagem industrial que negligencia sutis detalhes, como sói acontecer com todo processo industrial em série. Situação factível, pois não? Ora, se sensores pós-estampagem selecionam discos “bons” e discos com “defeitos – na conformidade de um padrão estabelecido, e variável –, isso significa que a estampagem não representa, ou pode não expressar a exata duplicação do “stamper”. Podem ocorrer diferenças que os sensores programados entendem como “defeitos”, e por isso rejeitam tais unidades (e a rejeição é da ordem de 10%); mas podem ocorrer diferenças que os sensores não entendem como defeitos, e os deixa passar, por exemplo, diferenças no relevo dos “bits”;[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]- tenhamos, pois e por fim, que na cópia dos cedês, que se processa em baixa velocidade, os “bits” dimensionados em menor no disco original são lidos pelo computador (uma vez que estão no CD) e, na cópia artesanal que o computador faz, tais “bits”, digamos “fracos” do disco original (CD) podem vir a ser redimensionados e ficarem mais conformes os “bits” do “stamper”. E na leitura da cópia isso seria evidenciado. [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Reconheço, são suposições.[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Mas o fato é que todos os que já fizemos cópias temos sido unânimes em afirmar, aqui e alhures, que a cópia ficou e fica sempre “melhor” que o original. Em que sentido? Pois, seguramente nos sutis detalhes, em especial da ambiência; porquanto se “escuta” com mais nitidez o ambiente em que foi feita a gravação. Constata-se uma espécie de “eco” na cópia – o som da aeração? – que não se ouve no disco original, e escolho o termo eco não por seu significado de “...reflexão de uma onda acústica por um obstáculo...” mas por aquele encompridamento de tons e acordes que caracterizam a música ao vivo, tons e acordes que não “morrem” tão logo emitidos; aquela “morte subita” que torna a música em conserva dos discos compactos por vezes “seca”, às vezes asséptica, sem ressonância, como se gravada em sala acusticamente morta. [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Porque nas cópias nos surpreendemos por vezes com sutis detalhes transitórios: um rápido e leve e descuidado toque numa corda; a batida da baqueta no prato milésimos de segundos antes de o prato vibrar e soar; as vibrações das palhetas de saxofones e clarinetes, e até o sopro das vozes humanas contra os dentes dos cantores; “coisinhas” miúdas que os musicistas experimentados na arte da escuta chamam de “sujo musical”. Sujos nem sempre notados nos cedês originais.[/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Por quê? – eis a pergunta que nos fazemos. [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Da Verdade[/FONT][FONT=&quot].[/FONT][FONT=&quot]de um cientista: [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot](Por Ronaldo Menezes,[/FONT]
    [FONT=&quot]Professor do “Florida Institute of Technology”, U.S.A.[/FONT]
    [FONT=&quot]Bacharel, Mestre e Doutor em Ciência de Computação.) [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]“Acho extremamente improvável que haja diferença entre as duas fontes.

    [/FONT]

    [FONT=&quot]Assumindo que todas as variáveis são as mesmas, como o autor sugere ([/FONT][FONT=&quot]refere-se ao artigo de Mr. Robert Harley, da “the absolute sound”- [/FONT][FONT=&quot]HM[/FONT][FONT=&quot]) – inexistência de erro de leitura, por exemplo –, é impossível que o som seja diferente. A princípio pensei que a diferença poderia ser da conversão dos dados digitais (DAC), mas o autor parece dizer que usa igual marca de DAC. Sendo assim, a ÚNICA diferença entre a leitura de um CD (ou CD-R) e um HD é a taxa de leitura de dados. [/FONT]
    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Um HD (“hard disk”) trabalha com taxa de leitura em torno de 1Gbit/sec.,
    ou, exatamente, 1.073.741.824 bits por segundo. A taxa de leitura de um
    CD-R (com velocidade 1x) é de 75 setores por segundo. Um setor em CD-R tem 1.411.200 bits. Mesmos os aparelhos mais modernos, que lêem na velocidade
    52x, lêem "apenas" 73.382.400 bits em um segundo -- mais de 14 vezes
    mais lento.

    Assim sendo, a única explicação plausível para a “melhora” proclamada pelos audiófilos seria pelo fato de que a capacidade de leitura do HD permite que a conversão de dados use mais bits.

    Porém não tenho como me convencer de que isso é possível. Os CD-R atuais
    possuem “buffers” de mais de 40 segundos. O que quer dizer que o som tocado pode ter sido lido a 40 segundos atrás. Esse "buffer" permitiria que os CD-R tivessem a mesma performace dos HD – o mesmo número de bits em memória Mas minha descrença vai além disso. Vejam que me perguntaria por que os CDs seriam gravados com sons que não podem ser descodificados (caso a leitura não fosse rápida o suficiente). Não faria sentido, faria?

    Quanto à afirmação que CDs "baixados" em HD seriam melhores, só seria
    possível se o CD tivesse mais informação do que o aparelho pode ler, o que certamente não acontece (como mencionei acima). Vou além. Ainda
    que tivesse mais informações, essas não seriam processadas quando
    a informação no HD fosse novamente passada a um CD-R. O aparelho do CD-R não processaria a informação da mesma forma que não o faria no CD. Mas isso não existe. Ninguém grava informação em CD que não precisa. Nós, "computeros", já teriamos feito experimentos e descoberto isso.

    Na verdade, é possível baixar as informações de um CD em HD e executar
    um comando no sistema operacional Linux, comando chamado "diff" que mostra as diferenças entre arquivos. Agora mesmo fiz um experimento e a execução do "diff" mostrou que os dois arquivos são iguais (iguais bits em sequência semelhante).

    Voltamos então ao DAC. Não se pode criar informação que não existe. Até poderíamos fazer uma interpolação de dados e converter a resolução do CD em algo maior (digamos de 16 bits para 24 bits), mas a "interpolação" não criaria som melhor porque teriamos que converter os 16 bits para analogico e reconverter
    para digital (DAC - ADC). (Existe outra forma mas seria ainda pior).

    Uma outra observação: existe muito erro de leitura quando baixamos um arquivo de musica de DVD para HD. O único software que conheço que não gera erros é o "Exact Audio Copy" porque este copia e executa vários comandos "diff". Se por acaso acha alguma diferença entre os dados, torna a ler.

    Existe uma forma muito fácil de verificar se o som é diferente ou não está apenas na cabeça (ouvidos) do audiófilo. Grava-se os dois sons e se faz uma análise espectral deles. Algo semelhante como fazer um "diff" (diferença) entre os dois sons. Em condições adequadas, o resultado do “diff” tem que ser "silêncio".[/FONT]

    [FONT=&quot] [/FONT]
    [FONT=&quot]Última observação: há outra situação que pode acontencer e que poderia ocasionar a diferença constatada por vocês audiófilos. Um aparalho de CD funciona atirando um “laser” no CD e captando as distorções da refração da luz. Bem, seria possível que o CD-R (o gravado em casa) tivesse uma melhor refração?! É possivel mas acho improvável uma vez que o material do CD original é da mais alta qualidade e de maior tempo de vida.[/FONT]
    [FONT=&quot]
    Mas pode ser a explicação...[/FONT]
     
  2. Adriano WR

    Adriano WR Ouvinte


    Desde 3 Jun 2007
    Itajaí - SC
    Grande Holbein,

    Sem medo de afirmar uma coisa, e colocar senão a contrapartida, mas uma refutação bem embasada, e ainda por cima, de outro Menezes! (teu filho?)

    Estamos naquela velha máxima, também muito refutada, "só sei que nada sei..."

    Um professor meu escreveu um poema que começava assim: "Corpo místico e alma materialista...". É o caso de nos perdermos, sem saber para qual lado pender, desde que sempre nos percamos na música, com devaneios que nos levam para alhures...

    Forte abraço, e parabéns pela produção, já é um lugar comum pra ti!

    Adriano
     
  3. thiu

    thiu Usuário


    Desde 18 Fev 2005
    Azurita/MG
    Beleza de texto Holbein!

    Acho que somos enganados por nossos ouvidos e ainda ficamos felizes com isto. Já fiz a prova da comparação dos bits e nunca encontrei diferença entre arquivos do hd e do cd.
    Este tipo de peça que nossos ouvidos pregam também acontece quando trocamos cabos, players... Na maioria das vezes não percebo nada diferente mas teimo em acreditar que melhorou... Vai entender.

    Abraço,
    Ricardo Rates.
     
  4. ZpínoZ

    ZpínoZ Festina lente


    Desde 22 Mai 2006
    São Paulo
    Meste Holbein,

    Brilhante.

    Uma das coisas que sempre admirei em seus textos, no forum, livros, artigos, é sua profunda honestidade intelectual. Nunca jamais tergiversa, "sacaneia". Dá sua opinião sempre com a mais absoluta franqueza. E quando tem novos argumentos - já comprovei - é o primeiro a anunciá-los e divulgá-los.

    Portanto essa série de artigos, esse assunto enrolado e espinhoso, mais que hectaédrico, somente você poderia patrocinar.

    Quanto ao Ronaldo Menezes, geneticamente bom, concordo completamente com ele. Ressalvadas eventuais especificidades técnicas de um dos componentes do sistema, uma cópia bem feita é igual ao original.

    Todavia, contra a excessiva certeza, o português Jaques Pires, conhecido na velha ilha como Shakespeare, alerta: "Há mais coisas..."

    Z
     
  5. Holbein Menezes

    Holbein Menezes Usuário


    Desde 21 Nov 2007
    Fortaleza,Ceará,Brasil
    Do meu amigo Joaquim Martins Cutrim, de Piratininga, Niterói, acabo de receber em pevetê a seguinte mensagem a qual, pelo teor informativo, faço questão de divulgar aqui:

    ...que criei um novo blog: o Polêmicas Digitais. Respeitando sempre o direito autoral, as fontes, mas exercendo o direito de imprensa que me é garantido constitucionalmente. O blog é o http://polemicasdigitais.blogspot.com

    E estou divulgando o HTForum e o Holbein Menezes. Principalmente este último escritor, de uma safra que já está terminando nesse mundo...

    Meti minha colher de pau:

    JOAQUIM CUTRIM OPINA:

    Minha conclusão:
    O HD é uma mídia magnética e pode acrescentar às cópias o efeito de tornar "woodier" and "silkier" o som, principalmente dos instrumentos acústicos. Daí uma das melhorias, pois o emadeiramento e o aveludamento provocado pelo efeito magnético melhoraria o som. Outra coisa é que um HD lê semelhante um Tape Deck, sem o hiss; e é também uma leitura analógica melhorada: Ele trabalha à vácuo e a leitura não é feita por canhão, e sim por uma cabeça que se aproxima mas não toca a superfície da mídia magnética. Ela se aproxima nanômetros mas não toca a mídia. Isso é muito mais perfeito do que tiros de canhão que podem ir perdendo o foco com o tempo, ainda tem isso. Mas para mim, o que pode estar aí fazendo a diferença que dizem os audiófilos de sons digitalizados é o efeito "wooding" and "silking" dos meios magnéticos. Talvez seja melhor ir por este caminho e pesquisar mais esse porquê. Joaquim M. Cutrim joaquim777@gmail.com
    *
    PS: Um "master glass" produz perfeitamente só até 10.000 cópias. Esse limite tem que ser respeitado. Estão respeitando? Outra: o controle de qualidade artesanal é um - o interessado é o próprio copiador. E o industrial? Será que ele tem mais interesse que o particular no controle de qualidade?
     
  6. Ricardo Pontes

    Ricardo Pontes Usuário Muito Ativo


    Desde 8 Dez 2004
    fortaleza ce brazil
    Mestre , continuo com minha opinião baseado nessas ``orelhas de abano```. Que fica DIFERENTE fica , nao fica igual ,agora se fica melhor ,depende do gosto do ``fregues`` .

    Ricardinho(y)
     
  7. loebmann

    loebmann Usuário


    Desde 29 Jun 2006
    Mogi das Cruzes/SP/Brasil
    Finalmente tenho um HD onde armazenar meus CDs e passei a pesquisar melhores opções para "rippar" o conteúdo dos CDs para o HD.
    Depois de algum estudo verifiquei que o programa EAC é unanimidade, qual a razão ?

    Se procurarem "Guides" sobre este programa, verão que ele tem o diferencial de ler o CD quantas vezes forem necessárias para obter os dados sem erro (desistindo se depois de X tentativas não for possível). Isso me leva a algumas conclusões:

    1) Os CDs originais, lidos nos CD players de música têm enorme chance de que dados lidos errados sejam reproduzidos;

    2) Um bom programa para extrair o conteúdo de um CD (e posteriormente gravá-lo) conseguirá com certeza gerar uma mídia (pelo menos enquanto nova) que seja reproduzida sem erros num CD player de música, resultando em som melhor com a cópia do que com o original (como observado pelo Mestre);

    3) O arquivo de música armazenado no HD do computador, copiado utilizando um software deste tipo, terá melhor qualidade do que o lido pelo CD player de música;

    4) Tive a curiosidade de fazer alguns testes com meus CDs quanto à percentagem de erro de leitura quando lidos de uma passagem só (como seria o caso de leitura num CD player de música) e o que me chamou a atenção foi:

    - CDs Importados: taxa média de erro 0,6%
    - CDs Nacionais: taxa média de erro 15% !?!?
    (acho que o som não fica tão ruim porque o CIRC (Cross-interleaved Reed-Solomon coding) cuida de corrigir parte destes erros)

    Acho que não tem nenhum fantasma aqui não, existe explicações bastante científicas para o fato de que a cópia (lida num CD player de música) pode sim se sair melhor do que o original.

    Abraços